Filmes por gênero

CIMARRON (1960)

Cimarron
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: La ruée vers l'Ouest (França)
Kavalkade westwärts (Austria)
Edna Ferber's Cimarron (Reino Unido)
Vatan Ugruna (Turquia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Faroeste
Direção: Anthony Mann
Roteiro: Arnold Schulman
Produção: Edmund Grainger
Música Original: Franz Waxman
Direção Musical: Franz Waxman
Fotografia: Robert Surtees
Edição: John D. Dunning
Direção de Arte: George W. Davis, Addison Hehr
Figurino: Walter Plunkett
Maquiagem: William Tuttle
Efeitos Sonoros: Franklin Milton, Wally Wallace
Efeitos Especiais: A. Arnold Gillespie, Lee LeBlanc, Robert R. Hoag
Efeitos Visuais: Matthew Yuricich
Nota: 7.6
Filme Assistido em: 1962

Elenco

Glenn Ford Yancey 'Cimarron' Cravat
Maria Schell Sabra Cravat, nascida Venable
Anne Baxter Dixie Lee
Arthur O'Connell Tom Wyatt
Mercedes McCambridge Sra. Sarah Wyatt
Russ Tamblyn William Hardy / Cherokee Kid
Vic Morrow Wes Jennings
Robert Keith Sam Pegler
Charles McGraw Bob Yountis
Harry Morgan Jessie Rickey
David Opatoshu Sol Levy
Aline MacMahon Sra. Mavis Pegler
Lili Darvas Felicia Venable, mãe de Sabra
Ivan Triesault Lewis Venable, pai de Sabra
Edgar Buchanan Juiz Neal Hefner
Mary Wickes Sra. Neal Hefner
Royal Dano Ike Howes
L.Q. Jones Millis
Vladimir Sokoloff Jacob Krubeckoff
Mary Benoît Sra. Lancey
Janet Brandt Sra. Rhoda
William Remick Repórter
Eddie Little Sky Ben Pena Vermelha
Dawn Little Sky Arita Pena Vermelha
George Brenlin Hoss Barry, integrante da gangue de Cherokee Kid

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (George W. Davis, Addison Hehr, Henry Grace, Hugh Hunt, Otto Siegel)

Oscar de Melhores Efeitos Sonoros (Franklin Milton)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Ator em um Filme de Ação (Glenn Ford)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Abril de 1889 - Em Kansas City, os ricos pais de Sabra Cravat tentam dissuadi-la de participar da corrida por terras no território de Oklahoma, ao lado de seu novo marido, Yancey, mas ela se mostra inflexível. Durante a viagem, ela vai conhecendo cada vez mais o caráter do marido. Quando ele empresta uma de suas duas carroças cobertas para Tom e Sarah Wyatt, com sua enorme prole, ela se emociona com sua generosidade.

Ao chegar à Oklahoma e encontrar muitos amigos de Yancey, inclusive uma jovem e bela mulher da noite, Dixie Lee, Sabre descobre que ele é uma espécie de aventureiro. Ela tem sua primeira divergência com o marido quando ele defende firmemente uma família de índios, cuja carroça foi virada por um grupo de homens preconceituosos. Até mesmo quando um oficial da Cavalaria reconhece o direito de Ben e Arita Pena Vermelha de participarem da corrida por terras, Sarah questiona se ele deveria ter se arriscado apenas para ajudar alguns índios.

Ao meio-dia do dia 22, milhares de colonos, que esperam reivindicar 65 hectares de terra, iniciam a corrida descontroladamente em cavalos, carroças, bicicletas e diligências através da pradaria. Durante a mesma, onde vale tudo, Tom é empurrado para fora da diligência onde se achava, Sam Pegler, dono de um jornal idealista em Osage, é morto, e Ben é laçado para o chão por um fanático de nome Bob Yountis. Por outro lado, inconformada com o fato de Yancey ter se casado com outra mulher, Dixie vingativamente reivindica a terra que este desejava. Desolado, Yancey desiste de se tornar um rancheiro e abre o jornal que seria de Sam, o Wigwam Oklahoma, enquanto a viúva volta para casa. Jessie Rickey, um antigo colaborador de Sam passa a trabalhar com Yancey.

Algum tempo depois, Yountis e William Hardy, um jovem encrenqueiro mais conhecido como “Cherokee Kid”, aterrorizam um mascate judeu chamado Sol Levy. Yancey resgata Sol, mas Hardy, cujo pai tinha sido amigo dele, se recusa a ouvir seus conselhos. Poucos dias depois, à noite, Yountis lidera um grupo de pessoas que odeiam índios e, juntos, lincham Ben após destruírem sua casa. Avisado por Arita, Yancey vai ao local onde, ameaçado por Yountis, termina por matá-lo. Em seguida, ele traz Arita e seu bebê para sua casa. Ao chegar, descobre que Sabra deu à luz um menino, a quem dão o nome de Cimarron.

Vários anos se passam e Cherokee Kid, agora um temido fora-da-lei, reúne seus companheiros para roubarem o Banco. Encurralados, entretanto, Cherokee Kid e Wes Jennings se refugiam na escola da cidade. Preocupado com as crianças que se encontram em aula, Yancey procura negociar com eles, chegando a providenciar dois cavalos para que os dois deixem o local. Jennings decide sair com uma criança em seus braços, mas Kid tenta impedi-lo, sendo alvejado e morto. Na confusão que se forma, Yancey invade e mata Jennings.

Repórteres de todas as partes, inclusive de Nova York, chegam à cidade para registrarem a cerimônia de entrega de uma grande recompensa à Yancey, por ter acabado com a gangue de Cherokee Kid. Entretanto, quando Sabra chega em casa com os três cheques que lhe serão formalmente entregues durante a cerimônia, Yancey os rasga por não admitir receber dinheiro por ter matado um homem. Sabra reage fortemente contra ele, a quem acusa de ser um pai que não se preocupa com o futuro do filho.

Quando Yancey vai à fazenda de Dixie entregar-lhe uns documentos que prometera, esta confessa que ainda o ama, mas ele gentilmente a rejeita. Enquanto isso, Ruby, a pequena filha de Arita, não é aceita na escola por ser filha de índios. Yancey recorre ao Conselho Administrativo da escola, mas seu pedido é negado por unanimidade.

Logo depois, ele toma conhecimento de uma nova corrida por terras, desta vez infinitamente maior do que a primeira, envolvendo uma área de cerca de 2,5 milhões de hectares. A notícia desagrada profundamente Sabra, o que provoca uma séria discussão entre o casal. Ao final, os dois concordam que ele irá sozinho apenas como um observador, após o que estará voltando para casa.

O tempo passa e nada de Yansey voltar. Três anos depois, Sabra recebe uma encomenda que lhe foi enviada do Alasca pelo marido: uma enorme pele de urso. Dois outros anos se passam e, desconfiada de que Dixie saiba algo sobre o paradeiro de Yansey, Sabra decide procurá-la em seu Clube Noturno. Perguntada sobre o assunto, Dixie lhe diz que soube, através de um amigo, Matt, que Yansey se encontra em Cuba, onde se alistou na 1ª Cavalaria. Diz, ainda, que Sabra não deve se preocupar por ser ela a única mulher que Yansey ama.

Naquele mesmo ano, Yancey retorna prometendo reparar sua longa ausência. Sabra e o filho, Cim, o aceitam e os anos se passam. Um dia, ele reporta que foi encontrado petróleo na reserva indígena. Tom, que se tornou rico pelo petróleo localizado em suas terras, ri e diz a Yancey que é ele e não os índios quem detém os direitos sobre o petróleo. Revoltado, Yancey escreve em seu jornal que Tom enganou os índios, notícia que se espalha por todo o País.

Sabra, por sua vez, teme que Cim se envolva com Ruby, que ela considera imprópria para seu filho, mas quando Yancey lhe fala sobre a possibilidade dele ser indicado para governador do território, ela fica radiante. Os dois viajam para Washington. Lá, enquanto ela se prepara para uma festa de réveillon, Yancey vai a uma reunião onde se encontra com Tom e seus poderosos amigos e toma conhecimento de que sua nomeação só depende de sua disposição de cooperar com eles. Não concordando em ceder a políticos corruptos, Yancey não aceita o cargo, fato que se torna a gota d’água que faltava para o rompimento de seu casamento.

De volta à Oklahoma, Sabra procura Sol, agora um comerciante de sucesso, a quem pede uma alta quantia a título de empréstimo, com a qual ela constrói um edifício de vários andares e transforma o jornal numa grande empresa. Quando Cim lhe informa que se casou com Ruby e que se acha a caminho do Oregon, ela amargamente reclama que ele está jogando sua vida fora.

Dez anos depois, em 1914, Sabra senta-se para escrever um editorial para a edição do vigésimo quinto aniversário do jornal. Por outro lado, Sol e Tom querem que ela seja modelo para a construção de uma escultura que represente o espírito pioneiro daquele povo. Ela, entretanto, não aceita o convite ao alegar que Yancey é que foi o verdadeiro pioneiro.

Em uma festa-surpresa de aniversário, Sabra reúne-se com seu filho e sua família. Na ocasião, ela presta homenagem ao seu marido, alegando que ainda espera pelo seu retorno, mas naquele dia, a 1ª Guerra Mundial é declarada. Em dezembro do mesmo ano, ela relê uma carta que recebeu de Yancey, na qual ele novamente se desculpa por ser uma decepção para ela. Em cima da mesa, acha-se um telegrama aberto informando-lhe que seu marido foi morto em ação.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado num romance homônimo de Edna Ferber, “Cimarron” é um ótimo faroeste/drama do cinema norte-americano. Realizado pelo cineasta Anthony Mann em 1960, sua trama gira em torno de um homem e uma mulher que decidem participar da corrida por terras no território de Oklahoma, em abril de 1889, e que acabam se separando por verem as coisas de forma diferente. Entre outros, a história toca em temas como o racismo, o anti-semitismo e o direito indígena à terra.

O roteirista Arnold Schulman realiza um trabalho razoável, o mesmo ocorrendo com a direção de Anthony Mann. Por outro lado, a trilha sonora de Franz Waxman é perfeita para o faroeste. Com uma boa fotografia, assinada por Robert Surtees, “Cimarron” é uma produção em CinemaScope, filmada em Metrocolor.

No elenco, a grande estrela é Maria Schell, maravilhosa. Merecem ainda ser citados os ótimos trabalhos apresentados por Glenn Ford, Anne Baxter e Mercedes McCambridge.

CAA