Filmes por gênero

DE REPENTE, NUM DOMINGO (1983)

Vivement dimanche!
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Finalmente, domingo! (Portugal)
Finalmente domenica! (Itália)
Vivamente el domingo (Espanha)
Confidencialmente tuya (Argentina)
Auf Liebe und Tod (Alemanha)
Confidentially yours (Estados Unidos)
Äntligen söndag! (Suécia)
I al fortrolighed (Dinamarca)
Скорей бы воскресенье (Rússia)
Pais: França
Gênero: Comédia, Suspense, Crime
Direção: François Truffaut
Roteiro: François Truffaut, Suzanne Schiffman, Jean Aurel
Produção: François Truffaut, Armand Barbault
Design Produção: Hilton McConnico
Música Original: Georges Delerue
Fotografia: Néstor Almendros
Edição: Martine Barraqué
Figurino: Michèle Cerf
Guarda-Roupa: Christiane Marmande
Maquiagem: Thi-Loan Nguyen
Efeitos Sonoros: Pierre Gamet, Jacques Maumont
Efeitos Visuais: Frédéric Moreau
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 1984

Elenco

Fanny Ardant Barbara Becker
Jean-Louis Trintignant Julien Vercel
Jean-Pierre Kalfon Padre Massoulier
Philippe Laudenbach Dr. Clément
Philippe Morier-Geno Comissário Santelli
Xavier Saint-Macary Bertrand Fabre
Jean-Louis Richard Louison
Caroline Sihol Marie-Christine Vercel
Anik Belaubre Paule Delbecq
Georges Koulouris Detetive Lablache
Pascale Pellegrin Candidata à Secretária
Roland Thénot Jambreau, assistente do Comissário
Nicole Félix Prostituta com cicatriz no rosto
Alain Gambin Diretor do Teatro
Pierre Gare Inspetor Poivert
Jean-Pierre Kohut-Svelko Rowdy Slav
Jacques Vidal O Rei
Isabel Benet Secretária do Dr. Clément
Josiane Couëdel Secretária do Dr. Clément
Hilton McConnico Cliente da prostituta
Thi-Loan Nguyen Chinesa
Eva Truffaut Secretária

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira (François Truffaut, Armand Barbault)

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Direção (François Truffaut)

César de Melhor Atriz (Fanny Ardant)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em Marseille, quando Jack Massoulier é morto com um tiro na cabeça, durante uma caçada, Julien Vercel, diretor de uma agência imobiliária, é considerado o principal suspeito do homicídio porque estava caçando naquele dia, na mesma área, conhecia a vítima e deixou suas impressões digitais no carro da mesma. Por outro lado, através de telefonemas anônimos, Vercel toma conhecimento de que sua mulher, Marie-Christine, era amante de Massoulier. Quando esta chega de Nice, onde tem um Salão de Beleza, Vercel a questiona sobre o assunto, ocasião em que ela confirma que era amante do morto e que não pretende se divorciar.

Por solicitação do Comissário Santelli, Vercel vai à Polícia, onde é preso por 48 horas para averiguações. Por telefone, entretanto, ele se comunica com seu advogado, Dr. Clément, que consegue libertá-lo. Diante da situação em que se encontra, agora agravada com o assassinato de Marie-Christine em sua própria casa, Vercel decide fugir a fim de tentar descobrir os últimos passos de sua mulher em Nice, procurando inclusive saber se ela tinha ligações com outros homens. Antes de viajar, ele se reúne em sua agência imobiliária com sua fiel secretária, Barbara Becker, a fim de estabelecerem algumas ações a serem tomadas. Bastante cansado, ele adormece na agência e Barbara decide ir em seu lugar, à Nice, para ver o que descobre.

Viajando no carro de Vercel, ela o deixa estacionado junto às instalações da polícia localizadas no Aeroporto de Nice. Em seguida, de taxi, vai até o endereço do que seria o Salão de Beleza, mas lá encontra “O Anjo Vermelho”, um estabelecimento ligado à prostituição, comandado por um tal de Louison. Considerado pelo taxista um local extremamente perigoso, ela decide seguir diretamente para o Hotel Garibaldi, onde consegue se hospedar no mesmo apartamento em que Marie-Christine esteve até a véspera de sua morte.

À noite, Barbara acorda com um ladrão entrando em seu apartamento para mexer em seus pertences. Ela acende as luzes do cômodo e, ao vê-la, o ladrão inicia sua fuga, mas ela consegue ficar com um pedaço de seu terno rasgado, onde encontra um cartão da Agência de Detetives Lablache. Na manhã seguinte, ela procura o Dr. Lablache, que lhe pede desculpas pelo ocorrido, e lhe diz que sua Agência foi contratada há três dias para seguir os passos da Sra. Marie-Christine.

Enquanto isso, o Comissário Santelli não tem dúvidas de que Vercel é também responsável pelo assassinato de sua esposa. Na tentativa de localizá-lo e prendê-lo, ele recebe um telefonema da polícia de Nice informando-lhe que o carro de Vercel foi localizado estacionado no Aeroporto da cidade, dando a entender que ele já se encontra bem longe da França.

Barbara retorna de ônibus à Marseille, onde é recebida por Vercel com um tapa na cara. Ela o ameaça com um revólver enquanto lhe diz que descobriu que há três dias ele contratou a Agência Lablache de Nice, o que mostra que ele já suspeitava de Marie-Christine. Depois de dominá-la, Vercel lhe diz que a investigação deve ter sido contratada pelo assassino de sua mulher.

Analisando a situação, Barbara acredita que a solução do caso passa pelo “O Anjo Vermelho” e está disposta a seguir essa pista, mesmo sabendo dos riscos que terá de enfrentar. Com dificuldades, consegue chegar a Louison, que a coloca pra fora do local. Antes de sair, escondida em um toalete, Barbara assiste ao assassinato de Louison. Ela ainda consegue falar com ele, que lhe pede para avisar Paule Delbecq, uma mulher importante da organização que normalmente é vista no Caixa do Cine Eden, que serve de fachada para uma cadeia de cabarés.

Barbara foge finalmente do local e procura o Dr. Clément. No escritório do advogado, toma conhecimento que ele não se encontra no momento, ocasião em que ela diz à secretária que vai esperá-lo em seu gabinete. Uma vez lá, Barbara encosta-se casualmente numa estante de livros e esta gira, levando-a para o antigo Salão de Beleza de Marie-Christine. Ainda surpresa, ela encontra um cartão da Agência Lablache em um móvel e, sobre um espelho, uma foto de Marie-Christine nos braços do advogado.

Na Polícia, tais fatos não deixam dúvidas de que o Dr. Clément é o verdadeiro assassino que tanto procuram. Sentindo que o cerco está se fechando contra ele, o advogado entra numa cabine telefônica, que se acha grampeada pela polícia, de onde telefona para o Sr. Lablache oferecendo-lhe 30.000 francos para que não encontre o envelope que ele lhe enviara poucos dias antes. Pede ainda ao detetive que não rasgue uma fotografia de Marie-Christine, que ele a matou porque ela não mais o amava. Confessa ainda que matou Massoulier a pedido dela, e Paule Delbecq porque esta descobriu tudo. Finalmente, ao verificar que um grupo de policiais se aproxima da cabine telefônica onde se encontra, ele se suicida com um tiro na cabeça.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado no livro "The Long Saturday Night" do escritor Americano Charles Williams, “De Repente, Num Domingo” é um ótimo filme do cineasta francês François Truffaut, embora não chegue aos níveis de suas grandes obras, tais como “A Noite Americana”, “Jules e Jim”, “Os Incompreendidos”, “Beijos Roubados” e “A Noiva Estava de Preto”. O filme marca ainda a despedida desse grande cineasta, já que o mesmo viria a morrer, em outubro de 1984, vítima de um tumor no cérebro.

A história gira em torno do diretor de uma agência imobiliária, considerado o principal suspeito de ter assassinado sua mulher infiel e o amante desta, e, principalmente, do esforço realizado por sua dedicada secretária, na luta para provar a inocência do patrão, a quem ela silenciosamente ama.

Além da direção, Truffaut participa da elaboração do roteiro e da produção do filme, que nos brinda com uma surpresa em seu final. Com ele, o outro grande nome a brilhar em “De Repente, Num Domingo” é o de Fanny Ardant, maravilhosa no papel da incansável secretária Barbara Becker. Jean-Louis Trintignant, no papel do suspeito dos assassinatos, realiza um bom trabalho.

CAA