Filmes por gênero

PAVOR NOS BASTIDORES (1950)

Stage Fright
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Pânico nos bastidores (Portugal)
Le grand alibi (França, Bélgica)
Paura in palcoscenico (Itália)
Pánico en la escena (Espanha)
Desesperación (Argentina, México)
Die rote Lola (Alemanha, Austria)
Rampfeber (Suécia)
Misdaad achter het voetlicht (Holanda)
Страх сцены (União Soviética)
Pais: Reino Unido
Gênero: Suspense
Direção: Alfred Hitchcock
Roteiro: Whitfield Cook
Produção: Alfred Hitchcock
Música Original: Leighton Lucas
Direção Musical: Louis Levy
Fotografia: Wilkie Cooper
Edição: Edward Jarvis
Direção de Arte: Terence Verity
Figurino: Milo Anderson, Christian Dior
Guarda-Roupa: Alice McLaren
Maquiagem: Colin Garde
Efeitos Sonoros: Harold King
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1952

Elenco

Jane Wyman Eve Gill
Marlene Dietrich Charlotte Inwood
Michael Wilding Detetive Inspetor Wilfred Smith
Richard Todd Jonathan Cooper
Alastair Sim Comodoro Gill
Sybil Thorndike Sra. Gill
Kay Walsh Nellie Goode
André Morell Inspetor Byard
Ballard Berkeley Sargento Mellish
Cyril Chamberlain Detetive Sargento Loomis
John Harvey Inspetor Loomis
Miles Malleson Sr. Fortesque
Hector MacGregor Freddie Williams
Joyce Grenfell Lovely Ducks
Patricia Hitchcock Chubby Bannister
Alfred Hitchcock Homem na rua
Gordon Bell Motorista
Gerald Case Policial
Robert Cawdron Policial
Basil Cunard Sr. Tippett
Josephine Douglas Valerie
Sydney Moncton Gerente de Palco

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

 Em Londres, Eve Gill é uma jovem estudante de teatro, apaixonada por Jonathan Cooper, muito embora este nem desconfie de tal paixão.  Por outro lado, ele é amante da grande diva do teatro, Charlotte Inwood.

Certo dia, ele a procura e lhe pede que o ajude a fugir da polícia.  Apaixonada, Eve não pensa duas vezes e o leva para a casa de praia de seu pai.  No caminho, ele lhe conta que estava em seu apartamento quando Charlotte o procurou dizendo que, após uma discussão com o marido, acredita tê-lo matado com uma pancada na cabeça.  Como ela se achava com o vestido manchado de sangue, pediu-lhe que fosse até sua casa apanhar um outro vestido para que ela pudesse ir ao teatro onde está se apresentando.  Continuando, ele lhe diz que não podia deixar de ajudar a amiga, mas que, ao se preparar para deixar a casa dela com um vestido limpo, foi reconhecido por Nellie Goode, a camareira de Charlotte;  e que, depois que a atriz saiu para o teatro, foi procurado por dois inspetores da polícia, ocasião em que, apavorado, fugiu e foi perseguido pelos policiais.

Ao chegarem ao litoral, Eve conta ao pai a história de Jonathan e ele resolve atender ao apelo da filha.  Pouco depois, o comodoro Gill, pai de Eve, conta pra filha que viu a mancha de sangue no vestido que Jonathan carrega e que a mesma não foi fruto de uma briga  e sim ali colocada, talvez com a intenção deliberada de fazer com que Jonathan fosse à casa de Charlotte e apanhado no local do crime.  Quando Eve fala a Jonathan sobre essa possibilidade, este a acusa de querer jogá-lo contra Charlotte e queima o vestido.

Na manhã seguinte, Eve sai cedo e passa defronte à casa da atriz, onde uma multidão aguarda a saída dos policiais chefiados pelo Det. Insp. Wilfred Smith.  Quando este deixa a casa, vai até um pub vizinho, sendo seguido por Eve.  Uma vez lá, ela pede um conhaque e se mostra extremamente nervosa, chamando a atenção de Smith que vai até sua mesa.  Os dois conversam e, ao final, ele se oferece para deixá-la em sua casa.  Aceitando a oferta, ela aproveita a ocasião para convidá-lo para um chá no dia seguinte.

À noite, Eve procura Nellie, alegando trabalhar para um jornal, a quem oferece uma boa quantia em dinheiro para que esta escreva um bilhete para Charlotte, alegando que se acha adoentada e que, por alguns dias, será substituida por sua prima, Doris Tinsdale.  Assim, Eve se apresenta à Charlotte como sendo Doris, a suposta prima de Nellie.  A intenção da jovem é conseguir provas de que a atriz é a assassina e que Jonathan é inocente.

Ao voltar para casa, encontra Smith conversando com seus pais pois, como combinado, o inspetor não esqueceu do chá para o qual fora convidado.  Sentindo-se atraído por Eve, ao sair, Smith lhe dá seu telefone e lhe diz que estará esperando uma ligação sua na manhã seguinte.  Em conversa com o pai, a jovem diz que vai convidar Smith para a festa a ser realizada em benefício do Orfanato dos Atores.  Como Charlotte vai estar presente, sua esperança é a de conseguir algo que convença o inspetor de que a atriz deva ser considerada suspeita do assassinato.

Após convidá-lo, os dois vão juntos para a festa.  No caminho, o inspetor a beija e ela sente que está apaixonada por ele.  Uma vez lá e com a ajuda do pai, Eve faz com que uma boneca, com vestido manchado de sangue, chegue à Charlotte enquanto esta se apresenta num palco.  A reação da atriz é de extrema perturbação.  Na ocasião, Smith, que assiste a tudo, descobre que Eve está-se passando pela camareira da atriz.

O inspetor vai à casa dos Gill, onde Eve e o pai lhe contam tudo o que pensam e estão fazendo para esclarecer o caso.  Embora não concorde com suas atitudes amadorísticas, ele aceita bem o plano proposto pelo comodoro.  Antes de sair, Smith tem certeza que Jonathan acha-se escondido ali.

O plano do Sr. Gill consiste na polícia instalar um microfone na área do camarim de Charlotte e auto-falantes na platéia.  Assim, Eve, alegando estar de posse do vestido manchado de sangue, fará com que a atriz tente suborná-la e, até mesmo, conte tudo o que se passou quando do assassinato do marido.

Antes de seguir para o teatro, Smith arma um esquema para que Jonathan saia da casa dos Gill e seja preso na rua.  No teatro, tudo sai como planejado, ficando claro que Charlotte induziu Jonathan a matar o marido e, em seguida, fez de tudo para incriminá-lo.  Preso, ele é levado ao teatro, onde consegue se livrar dos policiais que o vigiam e se esconder num dos porões do local, levando Eve consigo.  Uma vez lá, ele ainda tenta matá-la pois, sem haver qualquer motivo para o homicídio, acredita que será julgado por insanidade e não como um criminoso.  Sentindo-se ameaçada e conhecendo bem as dependências do teatro, a jovem manobra para que ele caia nas mãos da polícia.

imagem

Comentários

Produzido e dirigido pelo cineasta Alfred Hitchcock, "Pavor nos Bastidores" é mais um ótimo filme de mistério e suspense, muito embora seja bastante inferior a outras realizações suas como, por exemplo, "Rebecca, a Mulher Inesquecível", de 1940, "Janela Indiscreta", de 1954, "Quando Fala o Coração", de 1945, e "Psicose", de 1960.

Embora o roteiro apresente pequenas falhas, a história é interessante, com diálogos inteligentes.  A direção de Hitchcock é consistentemente boa, com o uso adequado de closes, câmera lenta e das reviravoltas que constituem uma de suas marcas.  A fotografia em preto-e-branco de Wilkie Cooper é um outro ponto que merece menção.

Com exceção da americana Jane Wyman e da alemã Marlene Dietrich, o elenco é essencialmente constituído de atores ingleses e irlandeses.  De um modo geral, todos apresentam ótimas atuações, destacando-se as de Jane Wyman, Alastair Sim, Sybil Thorndike e Michael Wilding.  Como de costume, Hitchcock aparece rapidamente na rua, ao cruzar com a personagem vivida por Jane Wyman  (ver foto à esquerda).

 CAA