Filmes por gênero

VOLVER (2006)

Volver
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Voltar (Portugal)
Pais: Espanha
Gênero: Comédia Dramática
Direção: Pedro Almodóvar
Roteiro: Pedro Almodóvar
Produção: Esther García
Design Produção: Salvador Parra
Música Original: Alberto Iglesias
Fotografia: José Luís Alcaine
Edição: José Salcedo
Figurino: Sabine Daigeler
Guarda-Roupa: Ana Cuerda
Maquiagem: Ana Lozano, Mariló Osuna, Massimo Gattabrusi e outros
Efeitos Sonoros: Miguel Rejas, José Antonio Bermúdez, Ruth Márquez
Efeitos Visuais: Eduardo Díaz
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 2008

Elenco

Penélope Cruz Raimunda
Carmen Maura Irene
Lola Dueñas Soledad 'Sole'
Blanca Portillo Agustina
Yohana Cobo Paula
Chus Lampreave Tia Paula
Antonio de la Torre Paco
Carlos Blanco Emilio
María Isabel Díaz Regina
Neus Sanz Inés
Leandro Rivera Auxiliar de Produção
Yolanda Ramos Apresentadora de TV
Carlos García Cambero Carlos
Pepa Aniorte Vizinha
Elvira Cuadrupani Vizinha
María Alfonsa Rosso Vizinha
Fany de Castro Vizinha
Magdalena Brotto Vizinha
Isabel Ayúcar Vizinha
Concha Galán Vizinha
Natalia Roig Vizinha

Prêmios

Academia do Cinema Europeu

Prêmio de Melhor Direção (Pedro Almodóvar)

Prêmio de Melhor Atriz (Penélope Cruz)

Prêmio de Melhor Fotografia

Prêmio de Melhor Compositor (Alberto Iglesias)

Prêmio do Público de Melhor Filme

Associação dos Críticos de Cinema da Argentina

Condor de Prata de Melhor Filme Estrangeiro em Língua não Espanhola

Círculo de Críticos de Cinema de Londres, Inglaterra

Prêmio Filme em Língua Estrangeira do Ano

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio de Melhor Atriz (Conjunto das atrizes)

Prêmio de Melhor Roteiro (Pedro Almodóvar)

Festival Internacional de San Sebastián, Espanha

Prêmio FIPRESCI (Pedro Almodóvar)

Prêmios Goya - Academia Espanhola, Espanha

Goya de Melhor Filme

Goya de Melhor Direção (Pedro Almodóvar)

Goya de Melhor Atriz (Penélope Cruz)

Goya de Melhor Atriz Coadjuvante (Carmen Maura)

Goya de Melhor Trilha Sonora Original

Prêmios Leão Tcheco, Praga, República Tcheca

Leão Tcheco de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Sindicato Francês dos Críticos de Cinema, França

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Penélope Cruz)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Prêmio de Melhor Atriz (Penélope Cruz)

Academia do Cinema Europeu

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Roteiro

Círculo de Críticos de Cinema de Londres, Inglaterra

Prêmio Filme do Ano

Prêmio Diretor do Ano (Pedro Almodóvar)

Prêmio Atriz do Ano (Penélope Cruz)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Pedro Almodóvar)

Festival Robert de Copenhague, Dinamarca

Robert de Melhor Filme Não Americano

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Penélope Cruz)

Grande Prêmio Brasileiro de Cinema, Brasil

Prêmio de Melhor Longa-Metragem Estrangeiro

Prêmios Bodil - Copenhague, Dinamarca

Bodil de Melhor Filme Não Americano

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Filme Estrangeiro

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Filme da União Européia

Prêmios Goya - Academia Espanhola, Espanha

Goya de Melhor Roteiro Original

Goya de Melhor Atriz Coadjuvante (Lola Dueñas e Blanca Portillo)

Goya de Melhor Fotografia

Goya de Melhor Figurino

Goya de Melhor Som

Goya de Melhor Direção de Produção

Goya de Melhor Maquiagem

Goya de Melhor Direção Artística

Sinopse

Raimunda é uma mulher jovem, trabalhadora, forte e amorosa que vive com seu marido e a filha adolescente, Paula, em Madrid. Depois que Irene, sua mãe, morre, ela visita seu túmulo localizado em um povoado cerca de 100 km ao sul da capital, o que faz ao lado de sua filha, Paula, e de sua irmã, Soledad. Antes de voltarem à Madrid, elas passam pela casa da tia Paula, uma senhora idosa que vive sozinha e, em seguida, procuram a amiga Agustina. Esta, cuja mãe saiu de casa há três anos e meio, sem dar notícias, garante-lhes que diariamente passa pela casa da tia Paula para ver se ela está precisando de alguma coisa.

De volta à Madrid, Raimunda encontra o marido, Paco, embriagado, dizendo que perdera o emprego. No dia seguinte, como de costume, ela vai trabalhar no aeroporto e, à noitinha, ao voltar para casa, encontra a filha apavorada aguardando-a na parada do ônibus. Insistindo para saber o que aconteceu, Paula finalmente diz que se encontrava na cozinha quando seu pai tentou estuprá-la. Depois de conseguir afastá-lo por duas vezes, ela o ameaçou com uma faca, apenas para assustá-lo, mas fazendo pouco caso ele se jogou contra ela, sendo atingido mortalmente. Raimunda diz, então, à filha, que para todos os efeitos foi ela quem matou o marido e que a filha não viu nada, pois se encontrava na rua.

Soledad telefona-lhe para avisar que a tia Paula acaba de falecer e que o sepultamento se dará no dia seguinte. Embora preocupada, Raimunda pede à irmã que viaje sozinha, pois ela não tem a mínima condição de deixar Madrid naquele momento. Em seguida, depois de fazer uma limpeza no local do crime, Raimunda enrola o cadáver em cobertores e o arrasta, com ajuda da filha, até um restaurante vizinho, cujo proprietário deixou as chaves com ela ao viajar para Barcelona. Na oportunidade, ela confessa para a filha que Paco não era seu pai biológico. Ao se preparar para deixar o local, depois de trancar o cadáver em um freezer horizontal, Raimunda é procurada por um rapaz que lhe pede para abrir o restaurante, a fim de servir refeições a cerca de trinta pessoas que estão rodando um filme nas vizinhanças. Sem pensar duas vezes, ela aceita o desafio.

Por outro lado, ao chegar ao povoado, Soledad é recebida por um grande número de amigos que a aguardavam para a cerimônia do funeral da tia. Como esperado, Agustina já havia tomado todas as providências que se faziam necessárias. Num determinado momento, Soledad vê sua mãe descendo a escada da casa, enquanto lhe diz que precisa falar com ela. Apavorada, ela sai correndo para junto dos amigos. Terminada a cerimônia, Sole volta para Madrid e, ao estacionar o carro em sua casa, ouve sua mãe pedindo-lhe aos gritos que abra o porta-malas, pois se encontra presa.

Embora não entenda o que está se passando, Soledad abre o porta-malas e se depara com a mãe. As duas se abraçam. Ao carregar uma maleta, Irene diz à filha que, antes que a vizinhança chegasse para o funeral de Paula, ela teve o cuidado de guardar todos os objetos de valor naquela maleta. Em seguida, diz à Soledad que precisa descansar, pois no dia seguinte, pretende ir ao salão de beleza da filha para cortar e tingir o cabelo. Diz ainda que deseja comprar uns óculos escuros a fim de poder sair pela cidade.

Enquanto o sucesso do restaurante começa a deixar Raimunda animada, na casa de Soledad mãe e filha conversam sobre suas vidas. Sole lembra que já fazem dois anos que se separou, e a mãe diz que levou chifres do marido até o dia da morte dele. No dia seguinte, após cuidar do cabelo da mãe, Sole lhe ensina a técnica de lavar cabelos, pois a intenção é de que Irene passe a ajudá-la em seu Salão. Como sua clientela sabe que ela é órfã, Sole sugere que a mãe se faça passar por uma senhora russa com poucos conhecimentos da língua espanhola. Mais tarde, Raimunda e Paula batem à porta do apartamento. Apavorada, Irene se esconde debaixo de uma cama. Depois de ir ao banheiro, Raimunda descobre a caixa de jóias de sua tia Paula e, após discutir com a irmã, sai decepcionada por acreditar que Sole a roubou.

No dia em que as filmagens terminam, o restaurante prepara uma festa de despedida à noite. Por mera coincidência, Soledad e a mãe vão até lá, mas Irene prefere não sair do carro, ficando a observar tudo de longe. No dia seguinte, Raimunda recebe um telefonema de Agustina, pedindo-lhe para que a amiga vá até o Hospital Central de Madrid, onde ela se acha internada com câncer. Antes de seguir para o hospital, Raimunda deixa a filha na casa da irmã. Ao chegar para a visita à Agustina, a encontra preocupada por não querer morrer sem saber o que houve com a mãe dela. Raimunda lhe diz que não vê como ajudá-la, mas a amiga lhe pede para que pergunte à Irene, sua mãe, pois como todo o povoado sabe, ela não só apareceu como também cuidou da tia Paula até a morte.

Raimunda, com a ajuda de sua amiga Regina, leva o freezer com o corpo de Paco para a beira de um rio a 180 km de Madrid. Lá, cavam um buraco e enterram o freezer. Na manhã seguinte, Agustina procura Raimunda no restaurante para saber se ela conseguiu alguma informação sobre a mãe dela. Esta lhe responde que achava que ela não estivesse falando sério, uma vez que ambas sabem que sua mãe morreu. Agustina, então, explica que sua mãe tinha um caso com o pai dela, de modo que a grande questão é saber qual das duas morreu no incêndio.

Logo em seguida, Raimunda vai com a filha até a casa de Soledad a fim de cortar seu cabelo e conversar com a irmã sobre a casa da tia Paula. Ao chegarem lá, enquanto a mãe fica no Salão, Paula vai para o quarto assistir televisão e conversar com a avó. De repente, Agustina aparece na televisão dando uma entrevista sobre o desaparecimento de sua mãe e o incêndio que matou várias pessoas, em troca de uma ida à Houston para tratamento de seu câncer. Raimunda e Soledad correm até o quarto para assistirem à entrevista, enquanto Irene se esconde debaixo da cama. No entanto, ao se sentir pressionada pela entrevistadora a falar sobre o possível relacionamento da mãe com um homem casado, ela abandona o programa. Raimunda pergunta, então, à irmã o que ela sabe sobre as colocações de Agustina e sobre boatos de que a mãe delas tem aparecido a algumas pessoas. Embora relute em falar sobre o assunto, a insistência de Raimunda faz com que Sole abra o jogo e leve a irmã até o quarto onde se encontra a mãe.

Sentindo-se injustiçada, a primeira reação de Raimunda é a de pegar a filha e ir embora. No caminho, entretanto, esta lhe convence a voltar e encarar os fatos. Assim, de volta, enquanto dão uma caminhada juntas, Irene conta para a filha que havia deixado o marido porque não conseguia mais conviver com os chifres. Continuando, diz que no dia do incêndio, Paula lhe contou tudo: que o marido havia abusado dela, que ela, Raimunda, havia engravidado e dado à luz Paulinha, que era ao mesmo tempo filha e irmã. Assim, ao saber de tudo, foi até a casinha onde encontrou o marido dormindo com a mãe de Agustina. Revoltada, ateou fogo e, em pouco tempo, as chamas devoraram tudo. Em seguida, andou perdida pelo campo por vários dias, escondida como um animal. Pensou, então, em se entregar, mas ao passar pela casa de Paula, a encontrou muito doente e resolveu ficar para cuidar dela, o que fez até sua morte. Mãe e filha então se reconciliam.

Dias depois, todas tomam a decisão de voltar para o povoado. Uma vez instaladas, recebem a visita de Agustina que decidira morrer em casa do que no leito de um hospital. Irene resolve, então, passar a cuidar dela desde que sua volta não seja revelada à população local.

imagem imagem imagem

Comentários

Ganhador, merecidamente, de inúmeros prêmios internacionais, “Volver” é, sem dúvida, mais um brilhante filme deste mais aclamado cineasta espanhol dos últimos tempos, Pedro Almodóvar. Além de dirigir com maestria, Almodóvar é também o responsável pelo roteiro dessa história forte e envolvente.

A trilha sonora, assinada por Albert Iglesias, é primorosa, com destaque para a música-título de Carlos Gardel e Alfredo Le Pera. A fotografia de José Luís Alcaine é um outro quesito que merece ser destacado.

O elenco, como um todo, dá um espetáculo de interpretação, mas não podemos de reconhecer que o filme pertence à Penélope Cruz.

CAA