Filmes por gênero

A ESTUDANTE (1988)

L'étudiante
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Il tempo delle mele III (Itália)
Die studentin (Alemanha)
Studentka (Polônia)
Studenten (Noruega)
A párizsi diáklány (Hungria)
Opiskelijatyttö (Finlândia)
Pais: França, Itália
Gênero: Comédia, Romance
Direção: Claude Pinoteau
Roteiro: Danièle Thompson, Claude Pinoteau
Produção: Alain Poiré
Design Produção: Jacques Dugied
Música Original: Vladimir Cosma
Fotografia: Yves Rodallec
Edição: Marie-Josèphe Yoyotte
Figurino: Catherine Leterrier
Maquiagem: Michel Deruelle
Efeitos Sonoros: Bernard Bats, Alain Lachassagne, François Groult, Gina Pignier
Nota: 7.2
Filme Assistido em: 1989

Elenco

Sophie Marceau Valentine Ezquerra
Vincent Lindon Edouard, Ned para os amigos
Élisabeth Vitali Céline
Jean-Claude Leguay Charly
Elena Pompéi Patricia
Roberto Attias Philippe
Brigitte Chamarande Claire
Christian Pereira Serge
Nathalie Mann Alexandra
Anne Macina Laura
Janine Souchon Mulher com cão
Marc-André Brunet Victor
Guillaume Corea Sr. Fortune
Gilles Gaston-Dreyfus Pierre
Benoît Gourley Frédéric
Marie-Christine Barrault Ela própria
Jacques Chancel Ele próprio
Elie Chouraqui Ele próprio
Vladimir Cosma Orquestrador

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Durante uma temporada dos esportes de inverno, Édouard se encontra com Valentine em um teleférico. Embora se trate de um encontro fugaz, para ele é um caso de amor à primeira vista. Ao final de suas férias, ele tem a oportunidade de reencontrá-la  na Gare de Lyon. Não querendo perder a chance, ele a convida para jantarem juntos alguns dias mais tarde, convite por ela aceito.

Durante o jantar, cada um fala de sua vida. Com exceção da juventude, o que é revelado mostra que eles não têm absolutamente nada em comum. Por um lado, Édouard, Ned para os amigos, toca em uma banda de rock e compõe algumas músicas, vive a noite. Já Valentine, é uma intelectual, vive o dia. Ela ganha a vida dando aulas e, no momento, prepara-se para fazer um Concurso para a Sorbonne, onde pretende ensinar Letras Clássicas.

Assim, enquanto Valentine acredita na necessidade de se ter um compromisso social ou político, e o cargo de professora para ela é um, Édouard nunca votou e, no fundo, só se preocupa consigo. Depois de um breve casamento com Laura, arruinado por suas ausências e infidelidade, ele só consegue viver o aqui e agora.

No entanto, embora leve uma vida regrada e sem tempo para investir plenamente em uma relação sentimental, Valentine termina por se apaixonar por Édouard. O amor entre os dois é sincero e profundo, embora a paixão os leve a um ciúme incomum: ela não suporta que ele reveja sua ex-mulher nem quaisquer outros relacionamentos anteriores, o mesmo ocorrendo com ele que critica um distante caso que ela tivera com um professor.

Às vésperas de Valentine se submeter ao Concurso para a Sorbonne, surge uma grande crise entre os dois amantes. Enquanto ela deseja ardentemente ser bem sucedida em suas provas, ele quer que ela desista de tudo e viva apenas para ele. De coração partido, a jovem rompe a relação que os une e se dirige à Universidade.

Inconformado e numa tentativa de reconquistá-la, Édouard irrompe no anfiteatro da Sorbonne onde, diante do júri que a avalia oralmente, Valentine exalta, em lágrimas, a concepção de amor expressa por Molière em “Le Misanthrope”: “Se tu me amas, aceite-me como eu sou e eu te aceitarei como tu és”.

Terminada a prova os dois se abraçam, emocionados, no pátio da Universidade.

imagem

Comentários

Realizada pelo cineasta Claude Pinoteau, “A Estudante” é uma interessante comédia romântica do cinema francês do final dos anos 1980. Sua trama gira em torno da história de amor entre dois jovens que, à exceção da juventude, nada têm em comum.

Na direção, Pinoteau realiza um bom trabalho, principalmente na primeira meia-hora, onde se destacam as cenas passadas no teleférico e no restaurante. Na parte final, o maior destaque vai para a cena em que a personagem vivida por Sophie Marceau, durante uma prova oral na Sorbonne, transforma um texto de Molière numa verdadeira declaração de amor.

A trilha sonora de Vladimir Cosma é outro quesito positivo do filme, tendo seu ponto alto na canção “You call it love” interpretada por Karoline Kruger. No elenco, os dois principais atores se apresentam muito bem, principalmente a bela Sophie Marceau no papel-título.

CAA