Filmes por gênero

FILHOS BASTARDOS (1996)

Enfants de salaud
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Bastard brood (Estados Unidos)
Kinder eines Scheusals (Alemanha)
Pais: França, Bélgica, Suíça
Gênero: Comédia, Drama
Direção: Tonie Marshall
Roteiro: Tonie Marshall, Jacky Cukie
Produção: Michel Propper
Design Produção: Marie-Pierre Bourboulon
Música Original: Vincent Malone
Fotografia: Dominique Chapuis
Edição: Jacques Comets
Guarda-Roupa: Chantal Glasman
Efeitos Sonoros: Gérard Lamps
Nota: 7.6
Filme Assistido em: 1997

Elenco

Anémone Sylvette
Nathalie Baye Sophie
Molly Ringwald Susan
François Cluzet Sandro
Micheline Presle Mãe de Sophie
Jean Yanne Julius
Vincent Elbaz Napo
Luis Marquès Antonio
Patrick Bauchau Pierre-Yves
Mapi Galán Mulher no Aeroporto
Jean-François Jacob Guarda do Palácio de Justiça
Gérald Marti Legista
Serge Kribus O advogado
Henri Wajnberg O Presidente do Tribunal
Catherine Grosjean Testemunha
Romain Deroo Stéphano
Sylvie Audcoeur Marion
Jean-Michel Fête Policial
Thierry Lefevre Médico do Hospital
Ingrid Skov A dinamarquesa

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Sylvette, Sophie e Susan, a feminista americana de Chicago, não se conheciam. Elas se descobrem meias-irmãs, nascidas de mães diferentes, mas do mesmo pai, Julius Mandenne, quando este é julgado por assassinato.

Durante o julgamento, elas conhecem Sandro, outro meio-irmão, e notam que, como elas, seu nome também começa por “S”. Como, na ocasião, ele não lhes dá a menor atenção, elas se sentem decepcionadas e abandonadas pelo irmão. Sophie convida, então, suas irmãs para jantarem em sua casa e conhecerem seu marido, Pierre-Yves. Dessa forma, elas têm a oportunidade de se conhecerem melhor.

Sandro descobre que, aos quarenta anos, Sylvette participa todo mês de sessões de strip-tease. Por outro lado, ele hospeda Susan quando esta, marcada por sua filiação e pelo escândalo que provoca após conversar com o pai na prisão, pede às autoridades que a prendam na qualidade de filha de um assassino.

Enquanto isso, sexualmente insatisfeita com o marido, Sophie se pergunta sobre como ele se conduziria na cama ao lado de outra mulher. Assim, propõe que Sylvette seduza Pierre-Yves, comprometendo-se a substituí-la, nesse período, nas suas sessões de strip-tease.  

Sylvette faz uma pequena apresentação, para Sandro e Susan, que não se revela satisfatória. Esta, então, aproveitando-se de suas qualidades como atriz, faz em seguida sua apresentação que deixa Sandro encantado. Por outro lado, contrariando sua intenção inicial, Sophie retorna para casa onde surpreende Sylvette junto a Antonio, um belo argentino.

Intuitivamente certa de que seu pai é dono de uma fortuna, Sylvette não hesita em reivindicá-la. Mandenne lhe dá as coordenadas bancárias e a previne do perigo, embora garantindo que não se trata de dinheiro roubado.

Depois de uma noite de festa improvisada, onde Sandro cede a seus impulsos para com Susan, e onde Sophie se entrega aos desejos de Léon, amigo de Sandro, Sylvette chega com uma mala contendo 20 milhões de dólares para a partilha. Com uma arma em punho, Antonio reclama a mala, mas é abatido por Susan. Uma carta encontrada com ele revela que ele também é filho de Mandenne, provavelmente o único por quem o pai tem realmente uma afeição. Trancado em seu sistema, Mandenne não sobreviverá à ideia de que Antonio possa estar morto.

imagem

Comentários

Realizado pela cineasta Tonie Marshall, que também participou do roteiro, “Filhos Bastardos” é um razoavelmente bom filme francês de meados dos anos 1990. A cineasta, em vários de seus filmes, tem abordado temas dramáticos. Aqui, por exemplo, ela aborda o abandono. A trama fala de diversos filhos, abandonados pelo pai, que só vêm a se conhecer quando do julgamento do pai, preso por assassinato. Embora se trate de um tema sério, o abandono, a história é contada em tom de comédia, de uma farsa amoral repleta de reviravoltas.

Na direção, Tonie Marshall realiza um trabalho mediano. O elenco, por outro lado, conta com grandes atores como Micheline Presle, mãe de Tonie na vida real, Anémone, Nathalie Baye, Jean Yanne, entre outros.

CAA