Filmes por gênero

A GLÓRIA DE UM COVARDE (1951)

The red badge of courage
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Sob a bandeira da coragem (Portugal)
La charge victorieuse (França, Bélgica))
Medalla roja al valor (Espanha)
Alma de valiente (Chile, México, Argentina)
La prova del fuoco (Itália)
Die rote Tapferkeitsmedaille (Alemanha)
Ung soldat (Suécia)
De hoogste onderscheiding (Holanda)
Szkarlatne godlo odwagi (Polônia)
Алый знак доблести (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Guerra Civil
Direção: John Huston
Roteiro: John Huston
Produção: Gottfried Reinhardt
Música Original: Bronislau Kaper
Fotografia: Harold Rosson
Edição: Ben Lewis
Direção de Arte: Cedric Gibbons, Hans Peters
Maquiagem: William Tuttle
Efeitos Sonoros: Douglas Shearer
Efeitos Especiais: Warren Newcombe
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1953

Elenco

Audie Murphy Henry Fleming, o jovem
Bill Mauldin Tom Wilson, o soldado barulhento
Douglas Dick O tenente
Royal Dano O homem esfarrapado
John Dierkes Jim Conklin, o soldado alto
Arthur Hunnicutt Bill Porter
Tim Durant O general
Andy Devine O soldado alegre
Robert Easton Thompson
Dixon Porter Tenente da União
Whit Bissell Oficial ferido
Glenn Strange Coronel
Smith Ballew Capitão
Frank McGraw Capitão
Dan White Sargento
John Huston Veterano grisalho
David Clarke O cabo
Emmett Lynn Jake
Dick Curtis Veterano
Robert Cherry Soldado que canta
George Offerman Jr. Soldado da União
Albert Band Soldado da União
Benny Burt Soldado da União
Lyle Clark Soldado da União
Bert Davidson Soldado da União
Bob Davis Soldado confederado
Lynn Farr Soldado confederado
Robert Fisher Soldado confederado
Bill Hale Soldado confederado
Edwin Breen Porta-estandarte confederado
Gloria Eaton Mulher na Fazenda

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme (Estados Unidos)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na primavera de 1862, soldados voluntários do 304º Regimento do Exército da União se mostram inquietos com o treinamento e ansiosos em relação à sua primeira batalha. Enquanto seus companheiros se vangloriam, o jovem Henry Fleming se mostra preocupado em relação à sua coragem. Ele discute sua preocupação com seus colegas de barraca, o soldado alto, Jim Conklin,  e o soldado barulhento, Tom Wilson, mas não encontra nenhum consolo. De plantão, naquela noite, Henry ouve a voz de um soldado confederado do outro lado do rio. A voz avisa-lhe para ficar fora da luz da lua e tomar cuidado para não ter um "pequeno emblema vermelho" fixado no peito.

No dia seguinte, Tom espalha um boato de que ouviu que o regimento estará se deslocando para participar de uma batalha. Henry se sente isolado dos outros quando marcham em direção ao front. Quando os homens tomam posições em uma trincheira de um campo aberto, Tom procura Henry e lhe pede para entregar algumas cartas a seus pais, se essa for sua primeira e última batalha. Na primeira onda do ataque, alguns dos soldados da União são feridos ou mortos antes da retirada dos Confederados. Durante um breve cessar-fogo, os soldados discutem seus medos e a experiência de ver um homem morto.

Henry, agora, sente que passou no teste de coragem e se mostra como alguém movido por altos ideais. Quando os soldados Confederados iniciam uma nova carga, a luta é mais feroz, fazendo com que muitos soldados da União fujam, incluindo Henry. Alguns minutos mais tarde, na floresta, ele ouve oficiais de cavalaria da União proclamarem vitória. Agora, sentindo que traiu seus companheiros, Henry olha para os feridos e deseja que ele, também, tivesse um emblema vermelho de coragem. Quando o grupo retoma a caminhada, Jim Conklin, que se acha gravemente ferido e confuso, implora a Henry que o mova para fora da estrada se ele vier a cair. Quando ele tropeça, Henry e o Homem Esfarrapado o seguram pelo braço. No entanto, ele consegue se libertar e corre até um morro onde cai morto.

Pouco tempo depois, Henry se encontra correndo no meio de alguns soldados quando sofre uma pancada na cabeça provocada pela coronha de uma espingarda. O Soldado Alegre o encontra e o ajuda a voltar para seu regimento. No acampamento, Tom, que se mostra feliz ao ver Henry, acredita que ele foi ferido. Henry diz que sua cabeça foi ferida por uma bala e, em seguida, pergunta se o Tenente falou alguma coisa a seu respeito. Tom comenta que muitos soldados foram separados de suas unidades durante a batalha e passaram a noite a vagar meio perdidos.

Na manhã seguinte, enquanto os homens caminham em direção ao campo de batalha, Henry se gaba de sua coragem demonstrada no dia anterior. Quando a batalha começa, ele de repente salta de sua trincheira e avança contra o inimigo. O Tenente o chama de volta e, em seguida, o cumprimenta como o mais valente de todos. Durante uma pausa, Tom e Henry ouvem os oficiais comentarem que o 304º Regimento será enviado para atacar o inimigo. Quando Henry e Tom comunicam as notícias, os soldados se mostram exultantes. Os homens iniciam lentamente sua marcha, mas o ritmo em seguida é acelerado. Quando o porta-estandarte é morto, Henry pega a bandeira e a empunha. Mais adiante, ao ver a bandeira confederada, Henry persegue seu porta-estandarte e, quando ele cai, ele empunha a bandeira confederada também.

Após o sucesso da empreitada, os soldados da União falam com os seus inimigos derrotados, muitos dos quais gostariam de ter morrido na batalha. Mais tarde, Thompson, um dos soldados da unidade de Henry, comenta que o Coronel ficou muito impressionado com a bravura do homem carregando a bandeira. Quando seus camaradas o elogiam, Henry, ainda envergonhado com sua covardia inicial, se afasta discretamente do grupo. Quando Tom se junta a ele, Henry confessa ter fugido da batalha do dia anterior, e Tom revela que ele, também, tinha "fugido", mas o Tenente o pegou e o obrigou a ficar. Agora aliviados, Henry e Tom juntam-se aos outros. Embora sejam informados que a vitória será creditada a um general que não o deles, os homens negam a importância da informação e falam sobre a volta para casa a tempo de participarem do plantio da primavera.

imagem

Comentários

Escrito e dirigido pelo cineasta John Huston, “A Glória de um Covarde” é um ótimo filme sobre a Guerra Civil americana produzido pela Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) em 1951. Sua trama, baseada num livro de Stephen Crane, é marcada por um ótimo ritmo e, provavelmente, é a melhor que trata desse período.

Na direção, Huston realiza um excelente trabalho, tendo o filme sido indicado ao prêmio de melhor filme pela Academia Britânica de Cinema e Televisão. Na área técnica, merecem ainda ser mencionadas a bela fotografia em preto e branco, de Harold Rosson, e a ótima trilha sonora a cargo do compositor polonês Bronislau Kaper.

No elenco, embora não tenha sido indicado a qualquer premiação, Audie Murphy é o maior destaque, com uma bela atuação.

CAA