Filmes por gênero

AS GRANDES MANOBRAS (1955)

Les grandes manoeuvres
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: The Grand Maneuver (Estados Unidos)
Summer manoeuvres (Reino Unido)
Grandi manovre (Itália)
Las maniobras del amor (Espanha)
Das grosse Manöver (Alemanha)
Kärleksmanöver (Suécia)
Den store manøvre (Dinamarca)
Wielkie manewry (Polônia)
Большие маневры (União Soviética)
Pais: França, Itália
Gênero: Comédia Dramática, Romance
Direção: René Clair
Roteiro: René Clair
Produção: René Clair , André Daven
Design Produção: Léon Barsacq
Música Original: Georges Van Parys
Direção Musical: Georges Van Parys
Fotografia: Robert Lefebvre
Edição: Louisette Hautecoeur, Denise Natot
Figurino: Rosine Delamare
Guarda-Roupa: Georgette Fillon
Efeitos Sonoros: Antoine Petitjean
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 1958

Elenco

Michèle Morgan Marie-Louise Rivière
Gérard Philipe Tenente Armand de la Verne
Jean Desailly Victor Duverger
Pierre Dux O coronel
Jacques Fabbri Ordenança de Armand
Brigitte Bardot Lucie
Jacques François Rodolphe
Magali Noël Thérèse, a cantora
Michel Piccoli Um oficial
Yves Robert Tenente Félix Leroy
Lise Delamare Juliette Duverger
Jacqueline Maillan Jeanne Duverger, irmã de Victor
Simone Valère Gisèle Monnet
Catherine Anouilh Alice
Madeleine Barbulée Senhora com chapéu amarelo
Gabrielle Fontan Mélanie, empregada dos Duverger
Judith Magre Emilienne
Arlette Thomas Amélie, empregada de Marie-Louise
Raymond Cordy O fotógrafo
Olivier Hussenot O prefeito
Jacques Jouanneau Ordenança de Félix
Jacques Morel Sr. Monnet
Claude Rich Noivo de Alice
France Asselin Sophie
Colette Castel Yvonne
Jacqueline Marbaux Madame Mathilde

Prêmios

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Produção Estrangeira (Angelo Rizzoli)

Sindicato Francês dos Críticos de Cinema, França

Prêmio de Melhor Filme (René Clair)

Prêmios Louis Delluc, França

Prêmio Louis Delluc (René Clair)

Indicações

Associação Paulista de Críticos de Arte

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em uma pequena cidade francesa, pouco antes da Primeira Guerra Mundial, o tenente Armand de la Verne, do 33º Batalhão dos Dragões, é tido como um verdadeiro Dom Juan por suas famosas conquistas amorosas. Invejosos de seu sucesso junto às mulheres, os amigos fazem apostas quando ele se compromete a seduzir alguma bela jovem escolhida aleatoriamente.

Quando Marie-Louise Rivière, uma bela e jovem mulher chega de Paris para abrir uma chapelaria, ela é a escolhida para ser o novo alvo das conquistas de Armand. Marie-Louise é divorciada e pretende se casar com Victor Duverger, um dos homens mais destacados da sociedade local.

Ao sentir-se cortejada pelo tenente Armand, Marie-Louise reage com ironia, fazendo com que o famoso Dom Juan, que não esperava tal tipo de reação, se desmonte e se sinta verdadeiramente apaixonado por ela. Por outro lado, ao longo de um baile, ele toma consciência de que a indiferença demonstrada pela bela mulher era na realidade falsa.

Por causa dela, Armand e Duverger se enfrentam, mas quando o tenente é enviado por seu coronel em uma missão, ela decide esposar Duverger. No entanto, ao tomar conhecimento de que Armand feriu-se ao se envolver em um duelo, ela esquece seus compromissos e prudência e vai ao seu encontro.

Na véspera do Batalhão dos Dragões partir para participar das grandes manobras, uma carta anônima revela à Marie-Louise a existência das apostas onde ela seria o prêmio destinado ao vencedor.

No dia seguinte, sua janela permanece fechada quando o Batalhão desfila pelas ruas da cidade.

imagem

Comentários

Embora não chegue aos níveis de “A Nós a Liberdade” e “Entre a Mulher e o Diabo”, “As Grandes Manobras” é, sem dúvida alguma, mais um belo trabalho do consagrado cineasta francês René Clair, tanto técnica quanto artisticamente falando.

Com um roteiro brilhantemente escrito, a trama passa pouco a pouco da comédia para um drama com seus personagens cativantes, uma direção segura, cenários e figurinos próprios para o início do século XX.

No elenco, Gérard Philipe confirma seu talento como comediante e Michèle Morgan nos confirma, mais uma vez, ser uma das atrizes mais carismáticas de seu tempo. Em papéis secundários, a bela e jovem Brigitte Bardot se sai muito bem no papel de Lucie, assim como o faz Yves Robert, como o tenente Félix Leroy.

Finalmente, para encerrar, não poderia deixar de citar a bela trilha sonora de responsabilidade de Georges Van Parys.

CAA