Filmes por gênero

HELENA DE TROIA (1956)

Helen of Troy
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Hélène de Troie (França, Bélgica)
Elena di Troia (Itália)
Helena de Troya (Espanha, Argentina)
Die schöne Helena (Austria, Alemanha)
Sköna Helena av Troja (Suécia)
Helena Trojanska (Polônia)
Den skønne Helena af Troja (Dinamarca)
Елена Троянская (União Soviética)
Pais: Itália, Estados Unidos
Gênero: Ação, Aventura, Drama, Histórico
Direção: Robert Wise
Roteiro: John Twist, Hugh Gray
Música Original: Max Steiner
Fotografia: Harry Stradling Sr.
Edição: Thomas Reilly
Direção de Arte: Edward Carrere
Figurino: Roger K. Furse
Maquiagem: Bill Phillips
Efeitos Sonoros: Charles Lang
Efeitos Especiais: Louis Lichtenfield
Nota: 7.4
Filme Assistido em: 1957

Elenco

Rossana Podestà Helena de Tróia
Jacques Sernas Páris
Cedric Hardwicke Rei Príamo
Stanley Baker Aquiles
Niall MacGinnis Rei Menelau
Nora Swinburne Hecuba
Robert Douglas Rei Agamenon
Torin Thatcher Ulysses
Harry Andrews Heitor
Janette Scott Cassandra
Ronald Lewis Enéas
Brigitte Bardot Andraste
Eduardo Ciannelli Andros
Marc Lawrence Diomedes
Maxwell Reed Ájax
Robert Brown Polidoro
Barbara Cavan Cora
Terence Longdon Pátroclo
Patricia Marmont Andrômaca
Guido Notari Nestor
Tonio Selwart Alfeu
George Zoritch Dançarino
Esmond Knight Alto Sacerdote

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Face a vários saques sofridos de gregos, liderados por Esparta, no passado, os troianos construíram grandes muralhas em torno de sua cidade, deixando a nova Tróia basicamente impenetrável para eventuais inimigos.

Nesse contexto, o príncipe Páris deseja ir à Esparta a fim de tentar um acordo de paz com o rei espartano, Menelau. Apesar de existirem posições contrárias às de Páris, como a da sacerdotisa Cassandra, o rei Príamo concorda que ele viaje.

No início, a viagem transcorre normalmente, mas ao se aproximar de Esparta, o navio de Páris é atingido por uma violenta tempestade e ele cai no mar, indo parar em uma praia. Lá, vê uma bela mulher, que o deixa tão fascinado por sua beleza que crê estar diante da deusa Afrodite, mas ela diz ser uma escrava.

Paralelamente, os soberanos das nações gregas acham-se reunidos, tentando conseguir um motivo para atacar Tróia. Agamenon, rei de Micenas, sugere "agressão defensiva". No meio desse encontro, onde se busca um motivo ético para atacar Tróia, chega Páris no palácio de Menelau.

Ele havia sabido desse encontro através da "deusa", e quer aproveitar a oportunidade para lhes oferecer a paz troiana. Agamenon e Menelau ficam inquietos, pois lhes tiraria o argumento para atacar Tróia.

Agamenon questiona se Páris diz ser o que é e fica acertado que, se derrotar numa luta o príncipe Ájax, que é praticamente imbatível, seus termos de paz serão ouvidos. Durante a luta aparece a "escrava", que na verdade é Helena, esposa de Menelau. Este ouve sua mulher chamar o desconhecido pelo nome e nota sua alegria quando Páris vence a luta.

Menelau diz que Páris descansará primeiro e que no outro dia conversarão. Páris fica então sabendo que a escrava é, na realidade, a rainha de Esparta. Helena afirma que sente antipatia pelos troianos, mas não convence o marido que, mais tarde, vai aos seus aposentos inquiri-la.

Quando Menelau se retira, Helena tem certeza que ele planeja fazer algo contra Príamo. Assim, chama sua serva particular Andraste, a quem pede que vá aos aposentos de Páris para avisá-lo do perigo que corre. Ajudado por um escravo, que mata alguns soldados, Páris chega à costa, onde se acha um navio fenício arranjado pela rainha.

Para sua surpresa, Páris se encontra com Helena que fora se despedir dele. Ela se acha acompanhada de Andraste, a quem dá liberdade e ordena que vá embora. Quando Helena e Páris se despedem, tentando aceitar a situação apesar de estarem totalmente apaixonados, chega uma patrulha, que os obriga a pularem na água e fugirem.

Juntos, navegam para Tróia. A situação, entretanto, torna-se pior para os troianos na medida em que as divergências que haviam entre os gregos transformam-se numa sólida união, na qual todos trabalham em um único plano para conseguirem entrar nas muralhas da cidade, saqueá-la e trazerem Helena de volta à Esparta.

imagem

Comentários

Rodado na Itália sob a direção do grande cineasta americano, Robert Wise, “Helena de Tróia” é um bom entretenimento, principalmente para aqueles que amam filmes épicos de ação. Sua trama gira em torno da viagem que o príncipe troiano, Páris, faz à Esparta, numa tentativa de conseguir um Tratado de Paz com o rei Menelau, bem como, da guerra de Tróia.

Embora parta de um roteiro com algumas falhas, Wise consegue realizar um bom trabalho, no que é ajudado pela bela fotografia de Harry Stradling Sr. e de algumas ótimas atuações, onde se destacam as apresentadas por Stanley Baker e Niall MacGinnis, respectivamente nos papéis de Aquiles e Menelau. A bela e morena atriz italiana, Rossana Podestà, com cabelos louros, está bem no papel de Helena. Em seus 22 anos, Brigitte Bardot tem um pequeno papel como uma das servas da rainha.

As cenas de ação são muito bem coreografadas, com ênfase para as seqüências que mostram a tomada de Tróia.

CAA