Filmes por gênero

O LADRÃO DO REI (1955)

The king's thief
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Le voleur du Roi (França)
Il ladro del re (Itália)
El ladrón del rey (Espanha)
Des Königs dieb (Alemanha, Austria)
Kungens tjuv (Suécia)
A király tolvaja (Hungria)
Kuninkaan varas (Finlândia)
Kongens tyveknægt (Dinamarca)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Aventura
Direção: Robert Z. Leonard
Roteiro: Christopher Knopf
Produção: Edwin H. Knopf
Música Original: Miklós Rózsa
Fotografia: Robert H. Planck
Edição: John McSweeney Jr.
Direção de Arte: Cedric Gibbons, Malcolm Brown
Figurino: Walter Plunkett
Maquiagem: William Tuttle, Sydney Guilaroff
Efeitos Especiais: Warren Newcombe
Nota: 6.7
Filme Assistido em: 1956

Elenco

Ann Blyth Lady Mary
Edmund Purdom Michael Dermott
David Niven James - Duque de Brampton
George Sanders Charles II
Roger Moore Jack
John Dehner Capitão Herrick
Sean McClory Sheldon
Ashley Cowan Skene
Tudor Owen Simon
Melville Cooper Henry Wynch
Alan Mowbray Sir Gilbert Talbot
Rhys Williams Turnkey
Charles Davis O boticário
Queenie Leonard Esposa do boticário
Lord Layton Jacob Hall
Joan Elan Charity Fell
Ian Wolfe Fell
Lillian Kemble-Cooper Sra. Fell
Isobel Elsom Sra. Bennett
Milton Parsons Adam Urich
Paul Cavanagh Sir Edward Scott
John Monaghan Shaddy
Peter Hansen Isaac Newton
Trude Wyler Celestine

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na Inglaterra do século XVII, James, Duque de Brampton, exorta o rei Charles II a assinar uma sentença de morte contra um ex-aliado, agora acusado de traição. Quando o Duque parte, um caderno cai de seu casaco e ele nervosamente o recupera antes que o rei consiga perceber o ocorrido. Enquanto isso, na Normandia, Sir Edward Scott entra em contato com Lady Mary, que há dez anos se acha no exílio, e a informa que seu pai foi enforcado por traição. Na ocasião, Sir Edward lê uma carta do falecido pai de Mary, falando de conselheiros traiçoeiros do rei e de rumores de que metade dos bens confiscados para a Coroa foi parar no bolso do próprio Brampton. Enfurecida, Lady Mary se mostra decidida a retornar para a Inglaterra a fim de vingar a morte de seu pai.

Certa noite, o treinador de Brampton é assaltado por homens mascarados, que tomam seu caderno juntamente com seus pertences. Mais tarde, no esconderijo dos assaltantes, em uma taverna, Henry Wynch se recusa a comprar as joias e seu líder, Michael Dermott, deduz a identidade de sua vítima. Em seguida, Michael inspeciona o caderno de Brampton e descobre que o mesmo contém os nomes de vários nobres, juntamente com uma contabilidade completa de sua riqueza e uma data.

Mais tarde, Mary vai a um Clube de Jogos em Londres, e senta sozinha na mesa de Brampton. Depois que ela perde todo o seu dinheiro, Michael se aproxima e coloca as joias roubadas sobre a mesa, oferecendo-se para quitar suas dívidas. Discretamente, ele menciona o caderno, prometendo entrar em contato com o Duque mais tarde. Em seguida, ele a acompanha até o local onde ela se acha hospedada, quando lhe diz que ele e seus homens lutaram para devolver o trono ao rei, mas nunca foram pagos por seu empenho. Na ocasião, ela lhe fala sobre seu pai e, quando ele está prestes a beijá-la, Brampton e seus homens aparecem.

O Duque diz que Michael foi ouvido proferindo comentários de traição e sugere que ele pode salvar sua vida, devolvendo o caderno. Em seguida, ele envia Michael com seus homens para recuperar o caderno. Mais tarde, os ladrões percebem que os dois primeiros nomes que se acham no caderno do Duque são dos homens recentemente enforcados por traição e especulam que as outras pessoas que se acham na lista podem estar dispostas a pagar para obter informações sobre suas execuções agendadas.

Os homens de Duque aparecem de repente e Michael é ferido durante a fuga com seu amigo, Jack. Eles se refugiam na casa de uma família Quaker, que prontamente cuida dos ferimentos de Michael. Na manhã seguinte, Jack retorna com Lady Mary, e Michael lhe mostra o caderno. Só então, Brampton aparece com seus homens e, depois de derrotar Michael em uma luta de esgrima, prende-o juntamente com Jack e recupera o caderno. Dois outros companheiros de Michael, Sheldon e Skene, continuam foragidos, no entanto, e Brampton dá ordens para que Lady Mary passe a noite na cela de Michael, a fim de descobrir o paradeiro deles, ameaçando deportá-la para as colônias se ela falhar.

Na cela, Lady Mary dá a Michael uma faca e o ajuda a fugir, ocasião em que ele lhe diz o nome de seu esconderijo. Na carruagem de Brampton, ela finge estar doente e pede para ser levada a um boticário, genro de seu leal servo Simon. Este está esperando por ela e, com a ajuda de sua família, promove sua fuga. Enquanto isso, Michael usa a faca para remover os grilhões dele e de Jack, e juntos, os dois conseguem cavar um túnel e escapar da prisão. Simon está esperando por eles na taverna e os leva para seus aposentos, onde Michael se mostra feliz ao rever Lady Mary.
 
Por outro lado, o Capitão Herrick, assessor de Brampton, que foi feito prisioneiro durante a fuga de Lady Mary, revela tudo sobre o esquema do Duque, que deverá culminar com a derrubada do rei Charles II. Ele chegou a pensar em avisar o rei, mas percebeu que uma audiência com ele só poderia ser agendada através de Brampton. Enquanto isso, Michael elabora um plano para roubar as joias da Coroa e obter acesso ao rei. Assim, passando-se por primo de Brampton e sua esposa, ele e Lady Mary vão à Torre de Londres e conseguem uma visita guiada às salas das joias. Uma vez lá, enquanto o curador, Sir Gilbert Talbot, mostra à Lady Mary o Observatório, Michael rouba as joias e domina o guarda, Jacob Hall.

A fuga de Michael e Lady Mary, no entanto, é interrompida com a chegada do Rei em companhia de Brampton. Ajoelhando-se diante do monarca, Michael e Lady Mary revelam os planos do Duque, que reage ao apontar uma espada contra Michael. Os dois se envolvem numa feroz luta de espadas e, ao derrotá-lo, Michael exige o caderno e o entrega ao Rei. Mais tarde, depois que Brampton é enforcado, o Rei convoca Michael e cada um de seus homens, aos quais é oferecida uma generosa renda anual para trabalharem para seu reinado. No final, o Rei observa com carinho quando Michael e Lady Mary se beijam.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Robert Z. Leonard, a partir de um roteiro escrito por Christopher Knopf, “O Ladrão do Rei” é um filme norte-americano produzido pela Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) em 1956. Sua trama, baseada numa estória de Robert Hardy Andrews, envolve uma conspiração para derrubar o rei Charles II da Inglaterra.

Partindo de um roteiro que deixa a desejar, a direção de Leonard se mostra apenas razoável. Embora filmado em CinemaScope, na área técnica destacam-se apenas o figurino de Walter Plunkett e a trilha sonora assinada pelo grande Miklós Rózsa.

No elenco, Edmund Purdom e Roger Moore compartilham a melhor cena do filme, ao fugirem da prisão na Torre de Londres. Com atuações bastante convincentes, encontram-se David Niven, George Sanders e Ann Blyth.

CAA