Filmes por gênero

MUSEU DE CERA (1953)

House of wax
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Máscara de Cera (Portugal)
L'homme au masque de cire (França, Bélgica)
La maschera di cera (Itália)
Los crímenes del museo de cera (Espanha)
Terror en el museo de cera (Argentina, Venezuela)
Das kabinett des Professor Bondi (Austria, Alemanha)
Gabinet figur woskowych (Polônia)
De man met de wassen beelden (Holanda)
Музей восковых фигур (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Terror, Crime
Direção: André De Toth
Roteiro: Crane Wilbur
Produção: Bryan Foy
Música Original: David Buttolph
Fotografia: Bert Glennon, J. Peverell Marley
Edição: Rudi Fehr
Direção de Arte: Stanley Fleischer
Figurino: Howard Shoup
Maquiagem: George Bau
Efeitos Sonoros: Charles Lang
Efeitos Visuais: Julian Gunzburg
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1954

Elenco

Vincent Price Prof. Henry Jarrod
Frank Lovejoy Detetive Tenente Tom Brennan
Phyllis Kirk Sue Allen
Carolyn Jones Cathy Gray
Dabbs Greer Sargento Jim Shane
Paul Picerni Scott Andrews
Roy Roberts Matthew Burke
Angela Clarke Sra. Andrews
Paul Cavanagh Sidney Wallace
Charles Bronson Igor
Nedrick Young Leon Averill
Frank Ferguson Examinador médico
Grandon Rhodes Cirurgião
Mary Lou Holloway Millie
Richard Lightner Detetive
Jack Mower Detetive
Philip Tonge Bruce Allison
Jack Wise Ascensorista
Eddie Parks Atendente no Necrotério
Riza Royce Sra. Flanagan
Grace Lee Whitney Dançarina de Can-Can
Larri Thomas Dançarina de Can-Can

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na década de 1890, na cidade de Nova York, Matthew Burke, coproprietário de um museu de cera, precisa de dinheiro e se mostra impaciente com seu parceiro, o excêntrico escultor de cera refinada, Prof. Henry Jarrod, que insiste em evitar o sensacionalismo lucrativo do museu. Assim, para conseguir o dinheiro do seguro, Burke ateia fogo no museu. Jarrod, horrorizado ao ver suas figuras de cera representando pessoas históricas famosas, que ele considera "amigos", se derreterem, luta contra Burke e tenta apagar as chamas, até que emanações de gás se unem com o fogo e o prédio explode. Mais tarde, Burke recebe todo o dinheiro do seguro, enquanto Jarrod é considerado morto, mas Burke é assassinado e deixado pendurado no poço do elevador.

Por outro lado, em uma pensão, uma promíscua loura, Cathy Gray, que estava saindo com Burke, é encontrada morta em seu quarto por sua amiga Sue Allen. Por sua vez, Sue é perseguida pelas ruas por um homem de preto, até que ela se refugia na casa de amigos de sua família, a Sra. Andrews e seu filho Scott. No dia seguinte, quando os Andrews e Sue vão à polícia, o Tenente Tom Brennan menciona que o corpo de Cathy, bem como vários outros, desapareceram do necrotério. Enquanto isso, Sidney Wallace, um rico empresário, é contatado por um cadeirante Jarrod, que sobreviveu ao fogo, mas que sofreu perdas permanentes de suas mãos e pernas. Como não pode mais esculpir, ele contratou assistentes, o surdo-mudo Igor e o talentoso escultor Leon Averill, para ajudá-lo a recriar suas figuras de cera, usando um novo procedimento que ele concebeu. Como ele já não pode criar beleza, ele planeja criar um museu de horror e espera que o mesmo venha a ser rentável. Após conhecer o laboratório de Jarrod, onde figuras de gesso são mergulhadas em um tonel de cera a ferver, Wallace compromete-se a financiar o museu.

Scott, que cresceu afeiçoado à Sue, a leva para conhecer o novo Museu de Cera no dia de sua inauguração. Durante a visita, os dois passam pelas diversas salas do museu, como a da câmera dos horrores, a de torturas, a da guilhotina, dentre outras. Ao passarem diante da figura de Joana d’Arc, Sue fica chocada com sua semelhança com Cathy que, exceto por seu cabelo escuro, é exata, até mesmo no que tange às suas orelhas furadas.

Quando Wallace apresenta Scott e Sue à Jarrod, o escultor observa que ela se assemelha muito com sua criação favorita, Marie Antoinette, que foi destruída pelo fogo, e oferece a Scott, que também é um escultor, trabalho no museu. A preocupação de Sue em relação à semelhança entre Joana d’Arc e Cathy faz com que Scott a leve até a polícia, onde o tenente Brennan promete continuar com suas investigações. Assim, ao voltarem ao museu, Brennan e seus homens notam a impressionante semelhança entre a figura em cera de John Wilkes Booth e um oficial assassinado recentemente, cujo corpo desapareceu misteriosamente.

O tenente Brennan e o sargento Jim Shane entrevistam Wallace sobre Jarrod e seus assistentes, ocasião em que o sargento se lembra de um prisioneiro em Sing Sing que pintou uma recriação da "Última Ceia" em sua cela, e que recentemente conseguiu liberdade condicional. Eles pegam Leon para interrogatório e, ao encontrarem uma inscrição em um relógio, eles descobrem que o mesmo pertencia ao homem desaparecido. Por outro lado, ao entardecer, Sue volta ao museu para se encontrar com Scott e, ao se aproximar mais uma vez da figura de Joana d’Arc, ela bate inadvertidamente em sua peruca castanha e descobre que, por baixo, o cabelo é louro, não lhe restando dúvidas de que se trata do corpo de Cathy.

Jarrod, cuja dependência de uma cadeira de rodas era fingida, se esgueira por trás dela e, após confirmar sua suspeita, persegue-a por todo o museu. Enquanto isso, na delegacia de polícia, Leon confessa que Jarrod usa cadáveres reais mergulhados em cera para suas exposições e que o corpo do oficial desaparecido foi utilizado para criar a figura de John Wilkes Booth. Continuando com sua confissão, Leon afirma que Cathy foi morta por sua semelhança com a visão de Jarrod de Joana d’Arc, e que o assassinato de Burke foi uma vingança por ele ter ateado fogo no museu original. Finalmente, quando Leon informa que Jarrod quer Sue para ser sua Marie Antoinette, os policiais correm para o museu.

Scott, que está esperando do lado de fora por Sue, entra e se depara com Igor, que tenta decapitá-lo com a guilhotina. A polícia chega a tempo para salvá-lo e, em seguida, ao abrirem a porta do laboratório, encontram Jarrod se preparando para mergulhar Sue, que se acha drogada e nua, em um tonel de cera. Após desligar o interruptor de controle, o tenente Brennan a cobre com sua jaqueta. Jarrod tenta fugir da polícia, mas cai em um reservatório e morre. Mais tarde, na delegacia, Scott e Sue agradecem ao tenente Brennan por sua ajuda, ocasião em que ela faz um agradecimento adicional pelo uso de sua jaqueta.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta André De Toth, a partir de um roteiro escrito por Crane Wilbur, “Museu de Cera” é um ótimo filme de terror produzido pela Warner Brothers em 1953. Sua trama, baseada numa história de Charles Belden, consegue prender a atenção do espectador do início ao fim, apesar de, em alguns momentos, seu ritmo se mostrar um pouco lento.

Na direção, De Toth realiza um bom trabalho, marcado por ótimos enquadramentos e uma boa dose de tensão. No elenco, Vincent Price brilha no papel do Prof. Henry Jarrod. Com atuações bastante convincentes, destacam-se Frank Lovejoy, Phyllis Kirk e Carolyn Jones.

Enfim, “Museu de Cera” é imperdível para os fãs de Vincent Price e amantes dos filmes de terror.

CAA