Filmes por gênero

DAVI E BETSABÁ (1951)

David and Bathsheba
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: David e Betsabé (Portugal)
David et Bethsabée (França, Bélgica)
Davide e Betsabea (Itália)
David y Betsabé (Espanha)
David und Bathseba (Austria, Alemanha)
David och Batseba (Suécia)
Daavid ja Batseba (Finlândia)
Dawid i Betszeba (Polônia)
David og Batseba (Dinamarca)
Давид и Бадшиба (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Histórico
Direção: Henry King
Roteiro: Philip Dunne
Produção: Darryl F. Zanuck
Música Original: Alfred Newman
Coreografia: Jack Cole
Fotografia: Leon Shamroy
Edição: Barbara McLean
Direção de Arte: Lyle R. Wheeler, George W. Davis
Figurino: Edward Stevenson
Guarda-Roupa: Charles Le Maire
Maquiagem: Ben Nye
Efeitos Sonoros: Roger Heman Sr., E. Clayton Ward
Efeitos Especiais: Fred Sersen
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 1953

Elenco

Gregory Peck Rei Davi
Susan Hayward Betsabá
Raymond Massey Profeta Natã
Kieron Moore Urias, marido de Betsabá
Dennis Hoey Joabe
James Robertson Justice Abisaí, irmão de Joabe
Francis X. Bushman Rei Saul
Jayne Meadows Mical, filha do Rei Saul
Gilbert Barnett Absalão, filho do Rei Daví
Allan Stone Amnon, filho do Rei Daví
John Sutton Ira
Holmes Herbert Jessé
Paul Newlan Samuel
Walter Talun Golias
Richard Mickelson 1º filho de Jessé
Leo B. Pessin Davi, quando garoto
Paula Morgan Mulher adúltera
John Burton Sacerdote
George Zucco Embaixador egípcio

Prêmios

Prêmios Bambi, Alemanha

Prêmio Bambi de Melhor Ator Internacional (Gregory Peck)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor História e Roteiro (Philip Dunne)

Oscar de Melhor Fotografia a Cores (Leon Shamroy)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Lyle R. Wheeler, George Davis, Thomas Little, Paul S. Fox )

Oscar de Melhor Figurino a cores (Charles Le Maire, Edward Stevenson)

Oscar de Melhor Trilha Sonora de uma Comédia ou Drama (Alfred Newman)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Henry King)

Prêmios Picturegoer, Reino Unido

Prêmio Medalha de Ouro de Melhor Ator (Gregory Peck)

Prêmio Medalha de Ouro de Melhor Atriz (Susan Hayward)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No século XI A.C., o líder militar israelita Joabe, que se acha com seu exército acampado nas proximidades da cidade de Rabá, reduto dos seus inimigos amonitas, ao tomar conhecimento de que Daví, o rei de Israel, havia se juntado a Urias, numa patrulha noturna, fica furioso e envia uma centena de homens para encontrá-lo. Depois de uma breve batalha contra os amonitas, o ferido Daví retorna em segurança ao acampamento, acompanhado por Urias, que venera o rei. Embora desejasse reviver a época em que era um simples capitão, Daví retorna à Jerusalém e retoma suas atribuições como rei de Israel.

Após sua chegada, Natã, um profeta muito respeitado, assegura a Daví que Deus aprova seu plano para trazer a Arca da Aliança para Jerusalém. Por outro lado, o rei se mostra preocupado com as brigas de seus filhos, Absalão e Amnon e com sua irritante esposa, Mical, filha do rei Saul, que ele admite ter se casado com fins políticos, e não por amor.

Certo dia, de sua varanda, ele vê uma mulher adorável, banhando-se no pátio de sua casa. Ao tomar conhecimento de que se trata de Betsabá, a mulher de Urias, ele não consegue resistir e lhe envia um convite para jantar no palácio. Durante o jantar, Betsabá revela que tem um casamento sem amor, já que o marido só se interessa por assuntos ligados às suas batalhas. Daví tenta seduzi-la, ocasião em que ela confessa ter propositadamente tomado banho naquela parte de sua casa por saber que ali ele poderia vê-la. Os dois terminam se apaixonando profundamente e a passar bastante tempo juntos, quando ela o questiona sobre seus dias como um jovem pastor. Ele descreve sua juventude, sua devoção por Deus e seu serviço para o rei Saul.

Certo dia, quando Daví e Betsabá estão retornando para a cidade, eles veem uma mulher acusada de adultério sendo apedrejada até a morte, o que os deixa preocupados. Na cidade, ele cumprimenta Natã, que acaba de chegar com a Arca da Aliança. Ao retornar ao palácio, Daví toma conhecimento de que Betsabá se encontra grávida. Preocupado que ela venha a ser acusada de adultério, ele faz com que Betsabá passe uma noite com o marido, o que legitimaria a criança ao nascer. No entanto, não desejando gozar de um direito negado aos outros soldados, Urias dorme sozinho, o que faz com que Daví arme um esquema que o leve à morte no campo de batalha.

Mical, que sabe da gravidez de Betsabá, ouve quando Daví dá a ordem fatídica, que resulta na morte de Urias. Após o necessário mês de luto, Daví e Betsabá se casam apesar de seu relacionamento ser do conhecimento da população, que os culpa pela terrível seca que se abateu sobre Israel. Por outro lado, o filho do casal morre após o nascimento, o que faz Natã interpretar como sendo uma prova adicional do desagrado de Deus. Assim, o profeta leva uma multidão enfurecida até o palácio, onde clamam para que Betsabá enfrente a justiça.

Daví se recusa a entregar sua amada e, lembrando-se do Deus misericordioso de sua juventude, vai rezar no Tabernáculo onde se encontra a Arca da Aliança. Uma vez lá, imerso em suas orações, ao colocar suas mãos sobre a Arca, ele se lembra de como matou Golias e provou a colocação do profeta Samuel de que tinha sido ungido por Deus. Com um verdadeiro arrependimento em seu coração, Davi termina seu devaneio e fica surpreso ao ver que a chuva começou a cair. Por outro lado, acreditando que ele fez as pazes com Deus, o povo volta a louvá-lo e, ao retornar ao palácio, ele e Betsabá se abraçam e, com alegria, admiram a chuva que continua a cair.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Henry King, a partir de um roteiro escrito por Philip Dunne, “Daví e Betsabá” é um ótimo filme bíblico produzido pela Twentieth Century Fox Film Corporation em 1951. Sua trama, baseada numa passagem do Antigo Testamento, conta a história do relacionamento amoroso entre o Rei Daví e Betsabá, a esposa de Urias, um militar do exército de Daví.

Na direção, King, demonstrando mais uma vez seu completo domínio da câmera, nos brinda com mais um belo trabalho. Na área técnica, merecem ainda ser destacadas a excelente fotografia assinada por Leon Shamroy, o belíssimo figurino a cargo de Edward Stevenson, e a inesquecível trilha sonora de Alfred Newman.

No elenco, Gregory Peck brilha no papel do Rei Daví, seguido pelas ótimas atuações de Susan Hayward e Raymond Massey.

CAA