Filmes por gênero

O HOMEM DO TERNO CINZENTO (1956)

The man in the gray flannel suit
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: O homem de fato cinzento (Portugal)
L'homme au complet gris (França)
L'uomo dal vestito grigio (Itália)
El hombre del traje gris (Espanha, México)
Der mann im grauen flanell (Alemanha)
Mannen i den grå kostymen (Suécia)
Manden i gråt (Dinamarca)
Harmaapukuinen mies (Finlândia)
Человек в сером фланелевом костюме (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Guerra
Direção: Nunnally Johnson
Roteiro: Nunnally Johnson
Produção: Darryl F. Zanuck
Música Original: Bernard Herrmann
Fotografia: Charles G. Clarke
Edição: Dorothy Spencer
Direção de Arte: Lyle R. Wheeler, Jack Martin Smith
Guarda-Roupa: Charles Le Maire
Maquiagem: Ben Nye
Efeitos Sonoros: Alfred Bruzlin, Harry M. Leonard
Efeitos Visuais: Ray Kellogg
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1958

Elenco

Gregory Peck Tom Rath
Jennifer Jones Betsy Rath
Fredric March Ralph Hopkins
Marisa Pavan Maria Montagne
Lee J. Cobb Juiz Bernstein
Ann Harding Helen Hopkins
Keenan Wynn Sgt. Caesar Gardella
Gene Lockhart Bill Hawthorne
Gigi Perreau Susan Hopkins
Portland Mason Janey Rath
Arthur O'Connell Gordon Walker
Henry Daniell Bill Ogden
Connie Gilchrist Sra. Manter
Joseph Sweeney Edward M. Schultz
Sandy Descher Barbara Rath
Mickey Maga Pete Rath
Dorothy Adams Empregada da Sra. Hopkins
Alexander Campbell Walter Johnson
Ruth Clifford Florence
Kenneth Tobey Ten. Hank Mahoney
Jack Mather Sgt. da Polícia, Haggerty
Roy Glenn Sgt. Matthews
Jerry Hall Freddie
Nan Martin Polly Lawrence
Geraldine Wall Miriam

Prêmios

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio OCIC - Menção Especial (Nunnally Johnson)

Indicações

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Nunnally Johnson)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Nunnally Johnson)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Encontrando dificuldades para sustentar sua família com seu salário anual de US$ 7.000, Tom Rath espera que a propriedade de sua avó venha a render uma boa soma. Quando ele descobre que os fundos de sua avó se esgotaram e, por conseguinte, que sua herança consiste apenas de uma casa, sua ambiciosa esposa, Betsy, o pressiona a procurar um emprego que lhe proporcione um maior salário. Ela o acusa de ter perdido a coragem desde que retornou da 2ª guerra mundial. Na manhã seguinte, ao tomar o trem para ir ao trabalho, ele pede informações ao seu amigo, Bill Hawthorne, sobre a possibilidade de conseguir um emprego como relações públicas da rede de televisão UBC.

Um homem vestindo um casaco de pelúcia faz com que Tom relembre um episódio ocorrido durante a guerra, quando, na Itália, impulsionado pelo brutal frio do inverno, ele assassinou um jovem soldado alemão por seu casaco. Em seguida, ao descobrir que sua Companhia iria ser enviada para o Pacífico, ele entrou em uma profunda depressão, ocasião em que seu companheiro, o sargento Caesar Gardella, o apresentou à Maria Montagne, uma jovem italiana. Na véspera de deixar a Itália, ele lhe prometeu nunca esquecê-la, apesar de ser um homem casado. Na ocasião, ela respondeu que estava grávida de um bebê pelo qual tanto pedira a Deus.

Voltando ao presente, dias depois ele é convocado para uma entrevista de emprego na UBC. Durante a entrevista, lhe é pedido para que escreva sua autobiografia em uma hora, terminando-a com a expressão “a coisa mais importante a meu respeito”. Pouco antes de terminar o trabalho que lhe fora pedido, seus pensamentos voltam-se mais uma vez para o período em que esteve na guerra, desta vez relembrando um episódio no qual, ao lançar uma granada, a mesma atingiu seu melhor amigo, o tenente Hank Mahoney. Tal fato faz com que ele se recuse a divulgar qualquer informação a seu respeito. Naquela noite, ao voltar para casa, ele fala para Betsy sobre sua entrevista, e ela começa a sonhar com sua nova casa e suas férias longas.

Dias depois, Tom recebe uma proposta de emprego da UBC, para lançar uma campanha de saúde mental, a atual obsessão do presidente Ralph Hopkins. Após se reunir com Tom, Hopkins vai à casa de sua ex-esposa, Helen, para discutir a rebeldia de sua filha de dezoito anos, Susan, que vem frequentando discotecas com um escritor casado e caçador de fortunas. Confrontando seu marido, que tem sido um pai ausente, Helen pede-lhe para intervir na vida da filha. Na UBC, Tom é indicado para trabalhar com Bill Ogden, um político de escritório implacável. Naquela noite, quando Tom retorna do trabalho, Betsy anuncia que já vendeu sua casa modesta, obrigando-os a se mudarem para a mansão da avó de Tom.

Quando eles se preparam para se mudarem, Tom é informado por Edward Schultz, um temperamental criado de sua avó, que a velha tinha prometido a casa para ele. Depois de ameaçá-lo com uma ação judicial, Tom telefona para o Juiz Bernstein, responsável pelo inventário de sua avó, pedindo-lhe para que medeie a situação. Mais tarde, Susan, a pedido de seu pai, visita Hopkins em seu apartamento e o acusa de arruinar suas vidas. Quando ele sugere que ela venha morar com ele e se oferece para arranjar um emprego para ela, ela com raiva grita que ele é incapaz de amar alguém.

No dia seguinte, no escritório, Ogden ridiculariza os esforços de Tom e o destitui da campanha. Quando Tom mostra a versão de Betsy Ogden do discurso, ela o considera bobo e chato e desafia seu marido, a ater-se às suas convicções, mas Tom responde que as políticas do escritório exigem que se diga aos seus superiores o que eles querem ouvir. No dia seguinte, Tom e Edward encontram-se no escritório de Bernstein, onde o juiz examina uma carta supostamente escrita pela avó de Tom, legando a Edward sua casa. Quando o juiz questiona a integridade de Edward e o acusa de forjar a carta, ele se mostra indignado. Mais tarde, Tom encontra-se com Hopkins no apartamento para discutir seu discurso.

Inicialmente, Tom concorda com as opiniões do seu empregador, mas depois que Hopkins é obrigado a sair, após receber um telefonema notificando-o da fuga de Susan, ele toma coragem para criticá-lo. Hopkins, abalado com a notícia do casamento de sua filha rebelde, confessa a Tom que ele lembra seu amado filho, Bobby, que morreu como um soldado na guerra, após recusar um posto de oficial. Agora, lamentando que dedicou sua vida aos negócios, Hopkins insta Tom a não deixar que nada o afaste de sua família. Na manhã seguinte, Tom é abordado por Caesar, agora um ascensorista, que deseja se encontrar com ele após o trabalho.

Como combinado, terminado o expediente, os dois se encontram e, enquanto tomam uns drinques, Caesar comenta que se casou com uma prima de Maria, e que Maria e seu filho precisam desesperadamente de dinheiro. Apanhado de surpresa, o primeiro impulso de Tom é esconder de Betsy a existência do menino. Em casa, naquela noite, depois de dizer à Betsy que ele criticou o discurso de Ogden, Tom revela que tem um filho ilegítimo em Roma. Embora ele afirme que as atrocidades e a desesperança da guerra o levaram aos braços de Maria, Betsy só sente a dor de sua traição e, furiosa, foge no carro da família. Na manhã seguinte, a polícia notifica Tom de que a encontraram estacionada no meio de uma estrada, onde o veículo ficou sem gasolina. Ao se preparar para buscar Betsy, Hopkins lhe telefona para pedir-lhe que o acompanhe até a Califórnia, no lugar de Ogden.

Quando Tom declina do convite, Hopkins entende suas razões e, depois de desligar o telefone, sente-se sozinho. Depois que se encontra com Betsy, os dois visitam o juiz, ocasião em que Tom explica que deseja enviar, mensalmente, US $100 para um filho ilegítimo que ele tem na Itália. Comovido, o Juiz Bernstein oferece seus serviços gratuitamente, enquanto Tom e Betsy compartilham um longo abraço amoroso.

imagem

Comentários

Escrito e dirigido pelo cineasta Nunnally Johnson, “O Homem do Terno Cinzento” é um ótimo filme norte-americano produzido pela Twentieth Century Fox Film Corporation em 1956. Sua trama, baseada num romance de Sloan Wilson, conta a história de um homem profundamente marcado por sua experiência, na 2ª Guerra Mundial, que é encorajado por sua esposa a mudar de emprego para melhorar seu padrão de vida.

Na direção, Nunnally realiza um excelente trabalho, que lhe valeu uma premiação no Festival de Cannes, além de outras duas indicações como o melhor diretor do ano. Na área técnica, merecem ainda destaques a bela fotografia em Cinemascope, a cargo de Charles G. Clarke, bem como a trilha sonora assinada por Bernard Herrmann.

No elenco, destacam-se as atuações de Gregory Peck e Fredric March, seguidas pelas de Lee J. Cobb, Marisa Pavan e Jennifer Jones.

CAA