Filmes por gênero

UM DE NÓS MORRERÁ (1958)

The left handed gun
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Vício de matar (Portugal)
Le gaucher (França)
Furia selvaggia (Itália)
El zurdo (Espanha)
El temerario (Colômbia)
Einer muß dran glauben (Alemanha)
Billy the Kid (Suécia, Dinamarca)
Револвер в лявата ръка (Bulgária)
Пистолет в левой руке (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Faroeste, Biográfico
Direção: Arthur Penn
Roteiro: Leslie Stevens
Produção: Fred Coe
Música Original: Alexander Courage
Fotografia: J. Peverell Marley
Edição: Folmar Blangsted
Direção de Arte: Art Loel
Figurino: Marjorie Best
Maquiagem: Gordon Bau
Efeitos Sonoros: Earl Crain Sr.
Nota: 7.9
Filme Assistido em: 1960

Elenco

Paul Newman Billy The Kid
Lita Milan Celsa
John Dehner Pat Garrett
Hurd Hatfield Moultrie
James Congdon Charlie Boudre
James Best Tom Folliard
Colin Keith-Johnston Tunstall
John Dierkes McSween
Robert Anderson Hill
Wally Brown Policial Moon
Ainslie Pryor Joe Grant
Martin Garralaga Saval
Denver Pyle Ollinger
Paul Smith Smith
Nestor Paiva Pete Maxwell
Jo Summers Noiva
Robert Foulk Xerife Brady
Anne Barton Sra. Hill
Eve McVeagh Sra. McSween
Dan Sheridan Bucky
Mary Lou Clifford Cigana
Oreste Seragnoli Padre
Stephen Coit Alexander Ganz, o fotógrafo
Cecil Combs Auxiliar do Xerife
Jorge Treviño Ramírez

Prêmios

Union de la Critique de Cinéma, Bélgica

Grand Prix de l'UCC

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No final da década de 1870, quando o jovem taciturno, William Bonney, atravessa o condado de Lincoln, no Novo México, ele encontra um grupo de vaqueiros trabalhando para o fazendeiro britânico,Tunstall. Um homem gentil que não gosta de armas, Tunstall oferece a Billy um emprego e um cavalo. Embora Billy use seu cinto de arma baixo, como os pistoleiros, e um vaqueiro mais velho o tenha reconhecido como o menino que matou um homem que insultou sua mãe, Tunstall gosta dele e os dois se tornam amigos. Quando Tunstall pretende ir sozinho à Lincoln para resolver problemas ligados ao seu gado, Billy se oferece para acompanhá-lo, mas ele o dispensa.

Momentos depois, Tunstall é morto por homens que trabalham para o fazendeiro rival Morton e o xerife Brady. Billy, desconsolado, permanece acordado, durante toda a noite, ao lado do caixão de Tunstall, até que McSween, um dos amigos mais próximos do morto, assegura-lhe que o amigo não gostaria que tomasse qualquer atitude de vingança. Depois que Tunstall é enterrado, Billy mostra quatro balas para Tom Folliard e Charlie Boudre, dois jovens vaqueiros que também trabalharam para Tunstall, dizendo que elas são para Morton, Brady e os assassinos reais, Hill e o policial Moon. Embora Tom e Charlie se mostrem relutantes em arriscar suas vidas por seu empregador, Billy ressalta que, além de ser um bom homem, Tunstall encontrava-se desarmado quando foi morto.

Mais tarde, quando Billy e Tom enfrentam Morton e Brady na rua, Billy rapidamente mata os dois. Em seguida, ele corre para a casa de McSween, mas fica assustado quando ele o chama de assassino. Enquanto isso, os habitantes da cidade perseguem Billy e incendeiam a casa de McSween. Este morre e, ao apagarem as chamas, todos acreditam que Billy também foi vítima das chamas. No entanto, ele conseguiu escapar e foi se juntar a Tom. Embora febril, Billy insiste em ir até Madeiro para ver um velho amigo, o fabricante de armas Saval.

Uma vez em Madeiro, Billy se reúne com outro amigo, Pat Garrett, e com Charlie, quando este chega ao local. Certo dia, um pequeno grupo de soldados americanos entra na cidade para distribuir folhetos afirmando que o novo governador territorial, Lew Wallace, emitiu uma ordem de anistia geral para todos os envolvidos na Guerra do Condado de Lincoln. A informação é mais tarde confirmada por Joe Grant, um amigo de Pat, que foi nomeado para monitorar a anistia. Tom e Charlie se mostram entusiasmados, porque querem voltar para casa, mas Billy ainda planeja matar Moon and Hill.

Apesar de Tom tentar falar com Billy sobre mais matanças, ele se mostra inflexível. Depois que os três amigos retornam à Lincoln, Moon tenta convencer Billy de que ele fez apenas o que Brady ordenou. No entanto, enquanto Billy avalia suas colocações, Charlie dispara impulsivamente contra Moon, matando-o. Tom se mostra furioso por Charlie ter quebrado a anistia, mas o acompanha, juntamente com Billy, a um esconderijo.

Com o assassinato de Moon, Hill implora a Pat para voltar para Lincoln e se tornar seu xerife, mas ele declina por estar prestes a se casar. No dia do casamento, Billy, Tom e Charlie viajam até Madeiro. Pat pede-lhes para que não causem problemas durante a cerimônia e Billy se mostra disposto a atendê-lo, embora veja Hill à distância. No entanto, quando Billy estava posando para uma foto, Hill grita que não é um assassino e que só pretendia prender Tunstall. Ele também diz que não atiraria em ninguém, a não ser que o outro sacasse sua arma. Billy permanece em silêncio, mas quando Hill tenta sacar sua arma, ele se defende, precipitando um combate corpo a corpo que resulta na morte de Hill e em Tom sendo ferido. Pat fica furioso porque Billy quebrou sua palavra e assustou sua esposa e seus amigos.

Quando Billy e Charlie deixam a cidade com Tom, Pat promete se tornar xerife e colocá-lo na prisão. Algum tempo depois, Tom, recuperado parcialmente, decide deixar seu esconderijo, embora tenha perdido sua casa. Billy oferece-lhe suprimentos e o ajuda a montar seu cavalo. Algum tempo depois, quando Pat está à frente de um grupo de civis armados, Ollinger, um membro do grupo, avista Tom e o mata.

Embora Pat tivesse avisado Ollinger para não atirar, um tiroteio tem início, no qual Charlie é morto e Billy finalmente se rende. Depois que ele é condenado à forca por seus crimes, diversas pessoas começam a chegar à Lincoln para assistir sua execução. Moultrie, um homem que acompanhou a vida de Billy, o visita para lhe mostrar diversas revistas publicadas no leste do País sobre suas façanhas. Dias antes de sua execução, no entanto, Billy escapa depois de assassinar um guarda e Ollinger.

Depois de sua fuga, Billy é ajudado por estranhos e logo chega à Madeiro. Lá, ele volta a encontrar Moultrie, que lhe mostra fotografias dos corpos de Charlie e Tom. Quando Billy o repreende, ele chora e lhe diz que ele não é o homem que admira. Momentos depois, Billy vê Pat e um auxiliar chegarem à cidade e decide pedir refúgio na casa de Saval. Enquanto isso, Moultrie encontra Pat e lhe informa que Billy se acha na cidade, embora assegure que não deseja qualquer tipo de recompensa.

Embora Billy esteja doente, Celsa, a jovem esposa de Saval, exige que ele deixe sua casa. Ao ver sua emoção, Saval percebe que ela e Billy tinham sido amantes no passado. Celsa, imediatamente, abraça seu marido, dizendo que só quer ficar ao seu lado. Em lágrimas, depois de lhe entregar sua arma e pedir ajuda, Billy chega à porta quando ouve Pat pedir que ele solte sua arma. Embora desarmado, ao mover sua mão esquerda, ele é morto por Pat. Ao se aproximar de seu corpo, o xerife observa que ele se achava desarmado.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Arthur Penn, a partir de um roteiro escrito por Leslie Stevens, “Um de nós morrerá” é um faroeste norte-americano produzido pelas empresas Warner Brothers e Haroll Productions em 1958. Trata-se, na verdade, da adaptação para o cinema de uma peça escrita por Gore Vidal para a televisão.

Partindo de um bom roteiro, Penn nos brinda com um belo trabalho de direção, marcado por muita ação, perseguições e tiroteios. Merecem ainda ser citadas a ótima fotografia em preto e branco, a cargo de J. Peverell Marley, e a bela trilha sonora assinada por Alexander Courage.

No elenco, Paul Newman brilha no papel de Billy The Kid, seguido pela ótima atuação de John Dehner. Merecem ainda reconhecimento, as boas atuações de James Congdon e James Best.

CAA