Filmes por gênero

O MUNDO EM SEUS BRAÇOS (1952)

The world in his arms
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Le monde lui appartient (França)
Capitaine téméraire (Bélgica)
Il mondo nelle mie braccia (Itália)
El mundo en sus manos (Espanha)
El mundo en sus brazos (Argentina)
Sturmfahrt nach Alaska (Alemanha, Austria)
Stormfågel (Suécia)
Du er min verden (Dinamarca)
Koko maailma oli hänen (Finlândia)
Мир в его руках (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Ação, Aventura
Direção: Raoul Walsh
Roteiro: Borden Chase
Produção: Aaron Rosenberg
Música Original: Frank Skinner
Coreografia: Harold Belfer
Fotografia: Russell Metty
Edição: Frank Gross
Direção de Arte: Alexander Golitzen, Bernard Herzbrun
Figurino: Bill Thomas
Maquiagem: Bud Westmore
Efeitos Sonoros: Leslie I. Carey, Corson Jowett
Efeitos Especiais: David S. Horsley
Nota: 8.0
Filme Assistido em: 1954

Elenco

Gregory Peck Capitão Jonathan Clark
Ann Blyth Condessa Marina Selanova
Anthony Quinn Portugee
John McIntire Deacon Greathouse
Carl Esmond Príncipe Semyon
Andrea King Mamie
Eugenie Leontovich Anna Selanova
Rhys Williams Eben Cleggett
Bryan Forbes William Cleggett
Bill Radovich Ogeechuk
Sig Ruman General Ivan Vorashilov
Gregory Gaye Coronel Paul Shushaldin
Hans Conried Eustace
Henry Kulky Peter
Leo Mostovoy Nicholas
Eve Whitney Lilly
Syl Lamont José
Milicent Patrick Lena
George Scanlan Marinheiro
Dick Rich Marinheiro
Paul Newlan Marinheiro
Gregg Martell Marinheiro
Frank Chase Marinheiro
Gregg Barton Marinheiro

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 1850, na cidade de San Francisco, o Capt. Jonathan Clark, juntamente com seu 1º Imediato, Deacon Greathouse, e seu piloto inuit, Ogeechuk, facilmente resgata sua tripulação, que havia sido raptada por seu competidor, Portugee, um inescrupuloso comerciante de peles de focas. Na realidade, os verdadeiros rivais de Jonathan são os russos que escravizaram os nativos inuits do Alasca e os obrigaram a matar indiscriminadamente as focas para tirar-lhes as peles. Jonathan traz suas peles de alta qualidade para o comerciante local, Eben Cleggett, que concorda em ajudá-lo a encontrar um financiamento capaz de permiti-lo comprar o Alasca dos russos, salvando assim a população inuit e evitando a extinção das focas.

Em seguida, ele e seus homens vão para o mais luxuoso hotel da cidade, que abriga também a condessa russa, Marina Selanova, a qual está fugindo de um casamento forçado com o cruel Príncipe Semyon. O representante dela, Coronel Paul Shushaldin, havia contratado Portugee para levá-la até a cidade de Sitka, onde mora o tio dela, General Ivan Vorashilov. Sem tripulação, no entanto, Portugee se vê obrigado a cancelar o contrato. Jonathan é então procurado para levá-la à tal cidade, mas também não aceita a proposta, por desprezar os russos que desejam enforcá-lo por ‘roubar’ suas peles.

Desesperada, Marina se infiltra numa festa que Jonathan está dando para seus homens e o fascina com sua beleza. Ela finge ser a companheira de viagem da condessa e ele a convida para conhecer a cidade. Entretanto, quando ela revela que quer viajar em seu navio, ele inicialmente se sente ofendido, mas termina concordando com seu pedido. No dia seguinte, quando já se acham apaixonados, o príncipe Semyon chega para buscá-la, ocasião em que ela lhe revela que já está para se casar. Jonathan faz planos para um casamento luxuoso, mas é informado pelo maître do hotel que Marina é realmente a condessa e que partiu cedo para Sitka com o príncipe. Sua situação fica ainda mais abalada ao descobrir que usou todo o seu crédito e que ainda deve 15.000 dólares ao hotel. Imprudentemente, ele desafia Portugee para uma corrida até a Ilha Pribilof, tendo como prêmio o navio do perdedor.

Antes do início da corrida, Cleggett chega com os 10 milhões de dólares conseguidos para a compra do Alasca, mas Jonathan os despreza. Durante a corrida, cai um mau tempo e, apesar do barco de Portugee ser mais rápido, a experiência e habilidade de Jonathan prevalecem. Enquanto isso, em Sitka, Marina tenta repetidamente escapar do príncipe, que a prende e ameaça enforcar Jonathan e seu tio, que está deixando de lucrar com o comércio de focas.

Na ilha, Deacon explica ao jovem marinheiro William Cleggett como Jonathan mata apenas as focas que não estão em condições de reprodução. Portugee chega quando eles terminam de coletar suas peles, e Jonathan o convida para subir a bordo. É quando a canhoneira do príncipe surge no horizonte, e Portugee, ao perceber que estão prestes a ser atacados, tenta tomar o barco e fugir com as peles. As duas tripulações entram em luta, facilitando o trabalho do príncipe que leva todos para Sitka como seus prisioneiros. Lá, Marina visita Jonathan no calabouço e o convence de que foi forçada a sair de San Francisco. Deacon entrega-lhe a nota para a compra do Alasca, que ela leva até o príncipe, mas este a ignora. Logo depois, quando o príncipe ordena que Jonathan seja açoitado na frente de Marina, ela se joga na frente do chicote e, finalmente, concorda em se casar em troca da liberdade de Jonathan.

Este zarpa em seu navio, mas dá meia-volta tão logo o barco fica fora de vista, retornando furtivamente à ilha pouco antes do início da cerimônia de casamento de Marina. Enquanto seus homens atacam guardas do príncipe, ele foge com a noiva. Terminada a luta, Jonathan faz com que Marina siga com seus homens para seu navio, enquanto ele sobe a bordo da canhoneira e a deixa em chamas pouco antes dela explodir. A nado, ele segue para seu navio e abraça a feliz Marina. Deacon explica a William que, embora seja verdade que Jonathan tenha condições para comprar o Alasca, no momento ele não se acha interessado por ter “o mundo em seus braços”.

imagem

Comentários

Adaptado do livro de Rex Beach, “O Mundo em seus Braços” é um bom filme de aventura, embora sem maiores pretensões. Roteirizado por Borden Chase e dirigido pelo famoso cineasta Raoul Walsh, sua trama se passa no Alasca, pouco antes desse território ser vendido aos Estados Unidos.

Walsh apresenta um trabalho bastante convencional, projetado principalmente para promover o caráter de lazer do filme. As cenas de ação, principalmente aquelas passadas no mar, com ventos fortes, são marcadas por um ótimo ritmo. A bela fotografia de Russell Metty é outro quesito técnico que merece ser citado.

No elenco, o melhor desempenho é o apresentado por Anthony Quinn, seguido pelo de John McIntire. Por outro lado, Gregory Peck não convence como um aventureiro pirata. Sua falta de carisma para o papel é evidente.

CAA