Filmes por gênero

PRIMAVERA EM PARIS (1957)

Printemps à Paris
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Springtime in Paris (USA, UK)
Frühling in Paris (Alemanha)
Pais: França
Gênero: Comédia Romântica
Direção: Jean-Claude Roy
Roteiro: Jean-Claude Roy, Gloria Phillips
Produção: Gloria Phillips, Alphonse Gimeno
Design Produção: Henri Schmitt
Música Original: Francis López, Charles Trenet
Fotografia: Pierre Dolley
Edição: Jacques Mavel
Maquiagem: Reine Thomas
Nota: 6.1
Filme Assistido em: 1958

Elenco

Christine Carère Gisèle
Philippe Nicaud Pierre
Sacha Briquet Batedor de carteiras
Sophie Mallet Empregada
Charles Trenet ---
Dominique Boschero ---
Bill Coleman ---
Marie-Blanche Vergnes ---
Jean Tissier ---
Mona Goya ---

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Gisèle, uma jovem provinciana, decide aproveitar suas férias para conhecer a famosa “Cidade Luz”.  Ao chegar à Paris e passar por uma das alamedas do Bois de Boulogne, tem um dos pneus de sua bicicleta furado por um prego.  Sem saber o que fazer, ela é entretanto socorrida pelo jovem Pierre, que passa pelo local em seu confortável conversível.  Ele coloca a bicicleta sobre o banco traseiro do carro e os dois deixam o local através da Avenue Foch.


No caminho, ela lhe fala do imenso desejo que sempre teve de conhecer a cidade, oportunidade em que Pierre se propõe a ser seu guia turístico.  Depois de passarem pelo Arco do Triunfo, percorrerem a Champs-Élysées e contornarem o obelisco da Praça de La Concorde, Pierre entra na Rue Royale, ocasião em que extasiada, Gisèle lhe pergunta: “Como se chama aquele belo edifício à nossa frente?”.  Ele lhe responde: “C’est La Madeleine!”

Quando Pierre volta a lhe falar sobre seu desejo de ser seu guia em Paris, desconfiada, Gisèle recusa e consegue fugir.  Sentindo-se atraído por ela, o jovem consegue encontrá-la e a leva para jantar em Saint-Germain-des-Prés. Em seguida, ela se recusa a sair com ele e parte para conhecer sozinha “Paris à Noite”, ocasião em que entra no “Moulin Rouge”, no “Naturistes” e em outras casas noturnas.

Pierre não desiste dela e termina por descobrir o hotel em que ela se encontra hospedada.  Assim, no dia seguinte, ele a procura e a convida para um passeio pelos arredores de Paris.  Eles jantam num albergue e em seguida, uma alegada pane no conversível, os obriga a passarem a noite no local. A hospedaria só tem um quarto, mas Gisèle, uma jovem inteligente que não se deixa levar facilmente, consegue trancar Pierre no toalete, onde ele passa a noite.

No final, tudo acabará com um noivado o mais honesto do mundo.

 

imagem imagem imagem

Comentários

É uma razoável comédia romântica do cinema francês.  Realizada pelo cineasta Jean-Claude Roy, sua trama gira em torno de uma jovem de vinte e poucos anos que chega à Paris para conhecer a cidade e termina apaixonada por um parisiense que insiste em ser seu guia durante sua estada na “Cidade Luz”.

Não se trata de um filme tecnicamente bem feito, digno de prêmios, mas que agrada a quem está a fim de assistir a um divertimento leve, despretensioso e, principalmente, àqueles que já conhecem a capital francesa e desejam rever seus pontos turísticos, seus Cafés, etc.

Os dois atores principais, Christine Carère e Philippe Nicaud, casaram-se logo depois do lançamento do filme, em 1957, e viveram juntos até a morte dela em dezembro de 2008.  Philippe morreu quatro meses depois, em abril de 2009.

                                                                                                                                                                                                             CAA