Filmes por gênero

A ESTRANHA PASSAGEIRA (1942)

Now, Voyager
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Une femme cherche son destin (França)
Perdutamente tua (Itália)
La extraña pasajera (Espanha, Argentina)
Lágrimas de antaño (México)
Reise aus der vergangenheit (Alemanha)
Under nya stjärnor (Suécia)
Under nye stjerner (Dinamarca)
Trzy kamelie (Polônia)
Вперед, путешественник (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Melodrama
Direção: Irving Rapper
Roteiro: Casey Robinson
Produção: Hal B. Wallis
Música Original: Max Steiner
Direção Musical: Leo F. Forbstein
Fotografia: Sol Polito
Edição: Warren Low
Direção de Arte: Robert M. Haas
Figurino: Orry-Kelly
Maquiagem: Perc Westmore
Efeitos Sonoros: Robert B. Lee
Efeitos Especiais: Willard Van Enger
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1949

Elenco

Bette Davis Charlotte Vale
Paul Henreid Jerry Durrance
Claude Rains Dr. Jaquith
Gladys Cooper Sra. Henry Windle Vale
Bonita Granville June Vale
John Loder Elliot Livingston
Ilka Chase Lisa Vale
Lee Patrick 'Deb' McIntyre
Franklin Pangborn Sr. Thompson
Katharine Alexander Srta. Trask
James Rennie Frank McIntyre
Mary Wickes Enfermeira Dora Pickford
Tod Andrews Dr. Dan Regan
Charles Drake Leslie Trotter
Mary Field Passageira
Frank Puglia Giuseppe
Ian Wolfe Lloyd
Charlotte Wynters Grace Weston
Bess Flowers Mulher no Concerto
Janis Wilson Tina Durrance

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Trilha Sonora de uma Comédia ou Drama (Max Steiner)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Bette Davis)

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Gladys Cooper)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Charlotte Vale vive com sua dominadora mãe, uma aristocrática viúva, na mansão da família em Boston. Ela tem quatro irmãos mais velhos e é sempre descrita pela Sra. Vale como o patinho feio da família.

Receando que Charlotte se encontre à beira de um ataque de nervos, sua cunhada Lisa convida o Dr. Jaquith, famoso psiquiatra, para examiná-la na mansão. As conversas e observações do médico o convencem de que a jovem necessita realmente de ajuda. Assim, por recomendação do Dr. Jaquith, Charlotte aceita passar uma temporada nas montanhas, no sanatório onde ele trabalha.

Longe da cruel e dominadora mãe, a jovem recupera-se rapidamente, embora ainda não se sinta pronta para voltar a morar na mansão, de modo que aceita uma sugestão de Lisa para participar de um longo cruzeiro pela América do Sul. Para o Dr. Jaquith, tal cruzeiro será um ótimo meio de melhor avaliar sua recuperação.

Uma vez a bordo, uma nova Charlotte é apresentada a Jerry Durrance, que também viaja sozinho. Numa das escalas, os dois fazem um “sight-seeing” juntos, durante o qual Jerry pede à Charlotte que o ajude a escolher presentes para suas duas filhas. A jovem fica tocada quando ele lhe agradece com um pequeno vidro de perfume. Charlotte lhe fala sobre sua família e sobre a crise nervosa pela qual acabara de passar e, posteriormente, através de seus amigos Deb e Frank McIntyre, toma conhecimento de que Jerry é infeliz no casamento, mas que jamais abandonará a família. Embora sua mulher seja fria, egoísta e hipocondríaca, ele ama suas filhas, principalmente a menor, Tina, perturbada emocionalmente.

Quando o navio chega ao Rio de Janeiro, os dois se sentem desamparados no Morro do Pão de Açúcar e passam uma noite juntos. Ao perderem o navio, decidem ficar por mais cinco dias na cidade antes de voarem para Buenos Aires, onde se juntam novamente ao cruzeiro. Embora apaixonados, prometem não voltarem a se ver após o regresso à Boston.

Quando Charlotte entra na mansão da família, todos ficam perplexos com sua transformação. Sua mãe, no entanto, mostra-se determinada a impor novamente seu controle sobre ela.

Decidida a manter sua independência, Charlotte sente-se fortalecida ao receber um buquê de camélias. Embora não acompanhadas de um cartão, ela tem certeza que as flores foram enviadas por Jerry porque ele as endereçou à Camille, seu apelido.

Algum tempo depois, já envolvida com um viúvo, Elliot Livingstone, Charlotte encontra-se com Jerry numa festa, agora trabalhando como arquiteto, profissão a que renunciara anos antes para atender aos caprichos da mulher. Sua filha Tina, segundo ele, encontra-se agora sob os cuidados do Dr. Jaquith. Na ocasião, Charlotte pede a Jerry que não se culpe pelo “affair” que tiveram, pois ela se sente muito feliz por saber que ele a amou.

Tal encontro faz com que ela perceba que não ama Elliot e decide romper o compromisso que assumira com ele, para desgosto de sua mãe. Esta, furiosa, sofre um ataque cardíaco e morre durante um bate-boca com Charlotte. Desesperada, por se sentir culpada, Charlotte decide procurar o Dr. Jaquith no sanatório. Lá, conhece Tina, com a qual logo se identifica e, com a anuência do psiquiatra, decide assumi-la. As duas, juntas, recuperam-se rapidamente e Charlotte decide levar a garota para morar consigo.

Pouco tempo depois, Jerry e o Dr. Jaquith visitam a mansão dos Vale, oportunidade em que Jerry fica maravilhado com as mudanças ocorridas em sua filha. Na ocasião, Charlotte o adverte de que só tem condições de ficar com Tina se os dois terminarem definitivamente com o envolvimento que ainda os une.

Jerry sente-se responsável por ela ter rompido o noivado com Elliot, mas Charlotte lhe assegura que Tina é o melhor presente que ele pode lhe dar, além de ser uma forma de mantê-la perto dele. Jerry pergunta-lhe, então, se ela se sente feliz, no que Charlotte responde: “Bem, Jerry, não peça a lua. Já temos as estrelas”.

imagem

Comentários

Feliz adaptação para o cinema do bestseller de Olive Higgins-Prouty, “A Estranha Passageira” é um dos melhores filmes protagonizados por Bette Davis. Realizado pelo cineasta Irving Rapper, sua trama gira em torno de uma jovem mulher de trinta e poucos anos que, após um tratamento psiquiátrico num sanatório, encontra o amor durante um cruzeiro pela América do Sul.

Rapper nos brinda com uma direção segura, no que é ajudado por um roteiro bem construído, sem altos e baixos, sem se valer do uso de clichês. Os diálogos são de primeira linha. Por outro lado, a magnífica trilha sonora, assinada por Max Steiner, recebeu merecidamente o Oscar da Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood.

No elenco, Bette Davis e Gladys Cooper brilham com magistrais interpretações que lhes valeram respectivamente suas indicações aos Oscars de Melhor Atriz e de Melhor Atriz Coadjuvante. Merece ser ainda destacada a excelente atuação de Claude Rains no papel do psiquiatra.

CAA