Filmes por gênero

BARRY LYNDON (1975)

Barry Lyndon
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Beri Lindon (Sérvia)
Pais: Reino Unido
Gênero: Drama, Histórico, Aventura
Direção: Stanley Kubrick
Roteiro: Stanley Kubrick
Produção: Stanley Kubrick
Design Produção: Ken Adam
Coreografia: Geraldine Stephenson
Fotografia: John Alcott
Edição: Tony Lawson
Direção de Arte: Roy Walker
Figurino: Milena Canonero, Ulla-Britt Söderlund
Guarda-Roupa: Ron Beck, Gloria Barnes, Colin Wilson e outros
Maquiagem: Alan Boyle, Ann Brodie, Barbara Daly e outros
Efeitos Sonoros: Robin Gregory, Rodney Holland, George Akers
Nota: 8.9
Filme Assistido em: 2008

Elenco

Ryan O'Neal Barry Lyndon / Redmond Barry
Marisa Berenson Lady Lyndon
Hardy Krüger Capitão Potzdorf
Leon Vitali Lord Bullingdon
Gay Hamilton Nora Brady
Patrick Magee Cavaleiro Balibari
Marie Kean Mãe de Barry
Godfrey Quigley Capitão Grogan
Leonard Rossiter Capitão Quin
Arthur O'Sullivan Capitão Feeny
David Morley Bryan Patrick Lyndon
Murray Melvin Reverendo Samuel Runt
Philip Stone Sr. Graham
André Morell Lord Wendover
Frank Middlemass Sir Charles Lyndon
Roger Booth Rei George III
Geoffrey Chater Dr. Broughton
Jonathan Cecil Ten. Jonathan Fakenham
Steven Berkoff Lord Ludd
Ferdy Mayne Coronel Bulow
Peter Cellier Sir Richard
Billy Boyle Seamus Feeny
Diana Körner Jovem alemã
Wolf Kahler Príncipe de Tübingen

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Trilha Sonora

Oscar de Melhor Fotografia

Oscar de Melhor Direção de Arte

Oscar de Melhor Figurino

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Direção (Stanley Kubrick)

Prêmio de Melhor Fotografia

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Filme da União Européia

Associação de Críticos de Cinema de Los Angeles, EUA

Prêmio de Melhor Fotografia

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme

Oscar de Melhor Direção (Stanley Kubrick)

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Direção de Arte

Prêmio de Melhor Figurino

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Filme Estrangeiro (Stanley Kubrick)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Direção (Stanley Kubrick)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 1750, na Irlanda, o pai de Redmond Barry é morto em um duelo. A viúva devota sua vida a seu único filho. Adolescente, Barry se apaixona por uma prima mais velha, Nora Brady. Embora tenha sido ela quem o seduziu, pouco tempo depois ela o deixa por um capitão inglês de nome John Quin. Nora e sua família planejam deixar o nível de pobreza em que vivem, através de um casamento vantajoso, mas Barry se recusa a aceitar a situação e mata Quin em um duelo.

Em seguida, ele foge para Dublin, mas perde sua pequena fortuna ao ser roubado por um ladrão de estrada. Ele junta-se, então, ao exército britânico onde se encontra com o capitão Grogan, um amigo da família que lhe diz que, na realidade, ele não havia matado o capitão Quin. Segundo Grogan, sua pistola não estava carregada e o falso duelo fora planejado pela família de Nora para que ele fugisse, facilitando assim o casamento da jovem com Quin.

O regimento de Barry é enviado para a Alemanha a fim de lutar na Guerra dos Sete Anos, onde o capitão Grogan é ferido mortalmente na batalha de Minden. Barry decide, então, desertar e em seu caminho para a neutra Holanda, encontra-se com um oficial do exército prussiano, o capitão Potzdorf, que o convence a se alistar no exército prussiano, lembrando-lhe que se ele voltar para a Inglaterra será morto por ter desertado. Basicamente sem alternativa, ele se alista e, algum tempo depois, recebe uma comenda especial de Frederick, o Grande, por ter salvo a vida de Potzdorf em uma batalha.

Ao final da guerra, em 1763, Barry consegue um emprego no Ministério da Polícia Prussiana, através de um tio do capitão Potzdorf, onde se torna auxiliar do Cavaleiro Balibari, um jogador profissional. Quando os prussianos suspeitam que Balibari seja um espião, pedem a Barry para investigá-lo. No entanto, este passa para o lado do Cavaleiro, os dois fogem da Prússia e, juntos, passam a levar uma vida de jogatina pelas Cortes europeias.

Almejando subir ainda mais, Barry realiza tudo o que podia desejar casando-se com a rica, nobre e bela viúva Lady Lyndon. Um sinal da disposição de Barry para humilhar-se em troca de recompensas mundanas é ter passado a usar, após casado, o título de nobreza do primeiro marido de sua esposa. Lord Bullingdon, filho do primeiro casamento de Lady Lyndon, um garoto de 10 anos, não aprova o novo casamento da mãe. Esta, por outro lado, dá a Barry um filho, a quem dão o nome de Bryan Patrick, embora o casamento deles dê sinais de uma certa infelicidade.

Alguns anos depois, a mãe de Barry vem morar na mansão dos Lyndon, ocasião em que alerta o filho de que, no caso dele vir a ficar viúvo, a herança da família irá para Lord Bullingdon. Ela o aconselha ainda a tentar conseguir um título de nobreza para se proteger. A fim de conseguir tal objetivo, Barry cultiva a amizade do influente Lord Wendover e passa a gastar uma fortuna no empenho de se tornar uma pessoa respeitada da alta sociedade. Todo esse esforço, no entanto, é perdido quando, durante uma festa de aniversário de Lord Bullingdon, este afirma para todos os convidados que odeia seu padrasto e que, por essa razão, está saindo da mansão da família para não voltar enquanto a mãe continuar casada com ele.

Com a saída de Lord Bullingdon, Barry se volta todo para seu filho, Bryan, revelando-se um pai compassivo e amoroso. Por outro lado, não conseguindo negar-lhe nada, por insistência de Bryan, ele lhe presenteia com um cavalo adulto quando da comemoração de seu nono aniversário. No entanto, ao desobedecer as ordens do pai, o pequeno Bryan é lançado no chão pelo cavalo, vindo a morrer alguns dias mais tarde.

O angustiado Barry se volta para o álcool, enquanto Lady Lyndon procura consolo na religião, assistida pelo Reverendo Samuel Runt, que tinha sido tutor de seus dois filhos.

O Reverendo e o contador da família, Sr. Graham, procuram Lord Bullingdon, a quem relatam tudo o que está ocorrendo na mansão. Este retorna imediatamente à Inglaterra, onde encontra Barry a embebedar-se numa taverna, chorando a morte do filho, ao invés de  estar ao lado Lady Lyndon.

Bullingdon exige satisfação e o desafia para um duelo. O embate, com pistolas, é realizado numa capela abandonada. Cara ou coroa dá a Lord Bullingdon o direito ao primeiro tiro, o qual é desperdiçado por causa de falha na arma. Relutante em disparar contra o jovem, Barry atira para o chão, mas seu adversário não concorda com o fim do duelo e, numa segunda rodada, atinge sua perna esquerda. Numa pousada próxima, Barry é assistido por um cirurgião, o qual lhe informa que sua perna precisa ser amputada abaixo do joelho, caso ele deseje sobreviver.

Enquanto Barry se recupera, Lord Bullingdon assume o controle da propriedade. Ele pede ao Sr. Graham para procurar Barry na pousada, a fim de lhe propor o seguinte: Ele, Bullingdon, concederá a Barry uma anuidade de 500 guinéus, desde que este deixe a Inglaterra para sempre e acabe com seu casamento com Lady Lyndon. Face às suas dívidas e com receio de ser preso, Barry, sentindo-se derrotado, aceita a proposta.

Inicialmente, ele e sua mãe vão para a Irlanda e, em seguida, para a Europa onde retoma sua antiga profissão de jogador, embora sem obter o sucesso anterior. Na cena final, Lady Lyndon assina um dos cheques de 500 guinéus.

imagem imagem imagem imagem imagem imagem

Comentários

Realizado a partir de um romance de William Makepeace Thackeray, “Barry Lyndon” é mais uma admirável obra do grande cineasta Stanley Kubrick. Sua trama gira em torno de um alpinista social insensível que nasceu e viveu na Europa do século XVIII, no período imediatamente anterior ao da Revolução Francesa. Aliás, na cena final, o espectador pode ver Lady Lyndon assinar um cheque para Barry, com data de 1789.

O trabalho de Kubrick é admirável, tanto como roteirista quanto como diretor. Adicionalmente, o filme é muito bem conduzido por seus respectivos responsáveis, nas demais áreas técnicas: trilha sonora, fotografia, edição, figurino, maquiagem, coreografia.

No elenco, Ryan O’Neal e Marisa Berenson são os destaques com suas ótimas atuações.

Enfim, “Barry Lyndon” é um filme imperdível.

CAA