Filmes por gênero

A PRINCESA DO NILO (1954)

Princess of the Nile
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: La princesse du Nil (França)
Princesse du Nil (Bélgica)
La principessa del Nilo (Itália)
La princesa del Nilo (Venezuela)
Prinzessin vom Nil (Alemanha, Austria)
Striden om ökenstaden (Suécia)
Nilens prinsesse (Dinamarca)
Prinţesa Nilului (Romênia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Aventura, Fantasia, Romance
Direção: Harmon Jones
Roteiro: Gerald Drayson Adams
Produção: Robert L. Jacks
Música Original: Lionel Newman
Direção Musical: Lionel Newman
Fotografia: Lloyd Ahern
Edição: George A. Gittens
Direção de Arte: Addison Hehr
Figurino: Travilla
Maquiagem: Karl Herlinger
Efeitos Sonoros: W.D. Flick
Nota: 7.6
Filme Assistido em: 1955

Elenco

Debra Paget Princesa Shalimar / Taura
Jeffrey Hunter Principe Haidi
Michael Rennie Rama Khan
Edgar Barrier Shaman, o conselheiro misterioso
Dayton Lummis Príncipe Shamin, pai de Shalimar
Robert Roark Capitão Hussein
Michael Ansara Capitão Kral
Wally Cassell Goghi
Billy Curtis Tut
Lester Sharpe Babu
Charles Wagenheim Amigo de Babu
Dona Drake Mirva
Jack Elam Basra
Lee Van Cleef Hakar
Lisa Daniels Serviçal
Phyllis Winger Serviçal
Merry Anders Serviçal
Honey Bruce Friedman Serviçal
Suzanne Alexander Serviçal
Genice Grayson Serviçal
Jeanne Vaughn Serviçal
Cheryll Clarke Serviçal
Kitty London Serviçal
Bobette Bentley Serviçal

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No Egito, em 1249 DC, a princesa Shalimar irrita-se com as restrições impostas por Shaman, um conselheiro misterioso que, após ganhar a confiança de seu pai, o príncipe Selim, o mantém drogado e se revela um violento tirano. Na esperança de levantar o ânimo de seu povo oprimido, Shalimar foge toda noite do palácio e nada através de um aqueduto secreto até chegar à Taverna Tambourine, onde trabalha disfarçada como a dançarina Taura.

Certo dia, o príncipe Haidi, filho do califa de Bagdad, que está viajando com seu amigo, o Capitão Hussein, chega à cidade ao mesmo tempo que o mercenário Rama Khan e seus soldados. Este, aliado do conselheiro Shaman, espera saquear a cidade.

Durante uma briga, Goghi, um ladrão amigo de Taura, acerta o Capitão Hussein em seu cavalo, com uma pedra e, enquanto Haidi procura o agressor, o Capitão Kral, braço direito de Rama Khan, o aconselha a matar Hussein e a colocar a culpa no povo da cidade, tendo assim uma desculpa para conquistá-la. Enquanto Rama Khan esfaqueia Hussein, Shalimar ataca o príncipe Haidi com seu punhal, para impedi-lo de prender Goghi, atingindo-o levemente e, em seguida, nada de volta ao palácio. Horas depois, vestida com seu traje real e com um penteado diferente, a jovem princesa fica animada ao tomar conhecimento da verdadeira identidade de Haidi, esperando que ele possa convocar o exército do califa e libertar seu pai.

Ao vê-la, Shaman a proíbe de sair de seu quarto, mas Shalimar entra na sala do trono, onde seu pai confessa ao príncipe Haidi seu temor de ser assassinado pelo seu próprio povo. Este jura que não deixará a cidade antes de encontrar o assassino do Capitão Hussein e, quando os homens de Rama Khan chegam com Goghi, Haidi proíbe que o prisioneiro seja torturado e o mantém como seu escravo pessoal. Em seguida, a sós, ele lhe pergunta quem era a jovem da Taverna que o feriu, acreditando que ela poderá levá-lo ao assassino de Hussein. Na Taverna, após sua dança, Shalimar, que viu Rama Khan esfaquear Hussein, diz a Haidi que testemunhou o assassinato do capitão e lhe pede para ajudar seu povo. O príncipe confronta Rama Khan, com quem se envolve numa luta de espadas, mas é derrubado pelo Capitão Kral, caindo no aqueduto. Shalimar consegue salvá-lo e levá-lo para o Palácio, onde sua verdadeira identidade é revelada, para espanto dele e de Goghi. Haidi confessa seu amor por ela, mas eles são interrompidos quando a jovem é chamada a comparecer à sala do trono, por ordem de Shaman. Uma vez lá, Rama Khan, que não sabe que ela é Taura, afirma que Haidi foi atacado por seu povo e que acredita que ele pretende usar o exército de seu pai para destruir a cidade, oferecendo-se para matá-lo, caso ela concorde em se casar com ele. Indignada, ela diz a Rama Khan que prefere se suicidar a se tornar sua esposa e, em seguida, volta para seus aposentos.

Ao chegar lá, Shalimar diz a Haidi que ele precisa deixar a cidade para escapar da fúria de Rama Khan, embora o príncipe afirme que vai à Bagdad, de onde retornará à frente de um exército. No entanto, quando ele e Goghi passam pela Taverna, ele decide ficar na cidade onde, com a ajuda de Goghi e de um grupo de ladrões fiéis à Taura, ataca os soldados de Rama Khan, matando vários deles. Enquanto isso, no palácio, Babu, o proprietário da Taverna, é capturado e torturado por Rama Khan. Em seguida, usando a mesma droga que dera a Selim, Shaman induz Babu a revelar que Taura e Shalimar são a mesma pessoa, e que ela se desloca do palácio para a Taverna através do aqueduto secreto. No intuito de fazer com que a princesa revele sua dupla identidade, Rama Khan lhe diz que se os ladrões pararem com seus ataques, ele não tomará qualquer represália. No entanto, quando Shalimar nada até a taverna para contar as novidades a seus amigos, ela é capturada pelos soldados de Rama Khan antes de ser resgatada por Haidi.

Embora Shalimar se mostre chateada por ele não ter ido à Bagdad, conforme havia dito, ele lhe assegura que nunca deixará a cidade sem ela. Depois que Shalimar, Haidi e seus homens nadam de volta ao palácio, Rama Khan vai aos aposentos dela para pegá-la com os cabelos molhados e, assim, provar sua dupla identidade. No entanto, ao chegar lá, Shalimar se encontra no banho e seu plano é frustrado. Por outro lado, as criadas da princesa escondem os ladrões e, em seguida, ajudam a atrair alguns dos homens de Rama Khan aos seus aposentos, onde os ladrões os esperam.

Enquanto isso, o mercenário diz à Shalimar que sabe seu segredo e afirma que dez pessoas de seu povo serão mortas para cada soldado seu que for abatido. Desesperada para evitar o massacre, a princesa relutantemente promete ir embora com Rama Khan na manhã seguinte e se casar com ele. Em seguida, ela retorna aos seus aposentos e informa Haidi sobre o acordo que havia feito. Os jovens amantes ficam juntos até o amanhecer, quando Shalimar é forçada a se unir à Rama Khan em seu desfile pela cidade. No entanto, Haidi e seus homens resgatam a princesa e iniciam uma prolongada batalha contra Rama Khan e seus homens. No final, Haidi derrota Rama Khan, enquanto o ladrão Tut mata Shaman quando este tenta prender Shalimar como sua refém. Com a paz restaurada, Shalimar concorda em acompanhar seu amado até Bagdad, enquanto Goghi e Tut assistem a sua partida com ares de aprovação.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Harmon Jones, a partir de um roteiro escrito por Gerald Drayson Adams, “A Princesa do Nilo” é um interessante filme produzido pela Panoramic Productions em 1954. Sua trama, marcada por várias cenas de ação, conta a história de uma princesa egípcia que desperta seu povo para salvar o país das ambições de um poderoso e mercenário balduino.

Na direção, Jones realiza um bom trabalho. A fotografia a cores, assinada por Lloyd Ahern, é outro quesito que merece ser destacado. No elenco, Debra Paget chama a atenção por sua beleza exótica, principalmente quando se apresenta como dançarina. Merecem ainda ser destacadas as presenças de Jeffrey Hunter e Michael Rennie, com ótimas atuações.

Enfim, “A Princesa do Nilo” é um filme que recomendo para os amantes do gênero.

CAA