Filmes por gênero

O SONHO QUE EU VIVI (1957)

Bernardine
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: El sueño que yo viví (Chile)
La donna del sogno (Itália)
Pidä huolta heilastani (Finlândia)
Bernardine - flicka med melodi (Suécia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia, Musical
Direção: Henry Levin
Roteiro: Theodore Reeves
Produção: Samuel G. Engel
Música Original: Lionel Newman
Coreografia: Bill Foster
Fotografia: Paul Vogel
Edição: David Bretherton
Direção de Arte: Lyle R. Wheeler, Albert Hogsett
Figurino: Charles Le Maire, Mary Wills
Guarda-Roupa: Sam Benson, Josephine Brown, Wesley Trist
Maquiagem: Ben Nye
Efeitos Sonoros: Eugene Grossman, Arthur Piantadosi
Efeitos Visuais: L.B. Abbott
Nota: 7.3
Filme Assistido em: 1958

Elenco

Pat Boone Arthur 'Beau' Beaumont
Terry Moore Jean Cantrick
Janet Gaynor Sra. Ruth Wilson
Dean Jagger J. Fullerton Weldy
Dick Sargent Sanford Wilson
James Drury Ten. Langley Beaumont
Ronnie Burns Griner
Walter Abel Sr. Beaumont
Natalie Schafer Sra. Madge Beaumont
Isabel Jewell Sra. McDuff
Jack Costanzo Ele próprio, líder da orquestra
Edit Angold Hilda, empregada dos Beaumonts
Val Benedict Morgan Friedelhauser
Carole Ann Campbell Christine
Lavina Caparella Selma
Edmund Cobb Sargento da Polícia
Russ Conway Sr. Mason
Frank Dunning Juiz
Tom Pittman George Olsen
Nancy Dian Ratts Barbara
Jerry Sheldon Sr. Hathaway
Sean Meany Policial
Norman Sturgis Garçom
Ernestine Wade Cleo, empregada dos Wilson
Hooper Dunbar Vernon Kinswood

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No colégio Wingate, o estudioso e socialmente inepto Vernon Kinswood, é provocado pelos colegas mais velhos Arthur Beaumont e Sanford Wilson. Depois das aulas, eles correm em seus calhambeques até um ponto de encontro chamado "Clube Shamrock", uma organização dedicada aos interessados em barcos de velocidade, e à busca de um sonho mítico chamado Bernardine de Sneaky Falls, Illinois. Quando Sanford Wilson, um desajeitado e pretenso Casanova, declara que pretende ir ao “Clube Black Cat” para ver o rei do bongô, Jack Costanzo, os jovens telefonam para a operadora da empresa telefônica à procura do imaginário número de Bernardine. Quando uma jovem atende à sua ligação, Sanford decide ir até lá, onde encontra a operadora Jean Cantrick, que simplesmente sorri enquanto os operadores experientes expõem o ardil dos jovens ao explicarem que Bernardine não existe.

Determinado, Sanford convida Jean para acompanhá-lo naquela noite, insistindo até que ela aceita seu convite. Triunfante, ele telefona para Arthur para dizer-lhe que encontrou Bernardine, sugerindo que ele confira sua informação à noite no “Clube Black Cat”. Depois que Arthur confirma que Jean Cantrick é de fato Bernardine, Sanford a convida para assistir a uma corrida de barcos, onde ele estará competindo. Sua felicidade, no entanto, é interrompida quando sua mãe recebe uma carta do colégio, notificando que talvez ele não venha a colar grau, a não ser que passe em todos os exames finais.

Quando a Sra. Wilson considera a possibilidade de se casar com seu pretendente, J. Fullerton Weldy, como uma forma de impor uma maior disciplina ao seu filho, Sanford promete se dedicar mais aos estudos nas próximas duas semanas. Preocupado, ele comenta com Arthur que precisa viver uma aventura com Jean antes de se dedicar aos livros, ocasião em que este promete deixá-lo dirigir o Thunderbird vermelho de seu irmão mais velho, Langley Beaumont, um tenente da força aérea a serviço no Alasca. No entanto, quando Sanford está prestes a sair com Jean no Thunderbird, para levá-la a uma luxuosa boate, Langley chega do Alasca e reclama seu carro.

Abandonando seu sonho de levá-la à boate, ele decide usar seu velho calhambeque para levá-la a um piquenique. No entanto, quando ele desajeitadamente derrama coca no vestido de Jean, eles discutem e ela o abandona. Logo depois, Langley a encontra e lhe oferece uma carona. Mais tarde, naquela noite, Sanford lhe telefona para pedir-lhe desculpas. Como ela o perdoa prontamente, ele assume que a atração é mútua. Por outro lado, preocupado com seus estudos e sem imaginar que Langley esteja de olho na jovem, Sanford pede a Arthur que convença seu irmão a sair com a jovem nas próximas duas semanas.

Enquanto isso, a Sra. Wilson pede a Vernon que ajude seu filho em sua preparação para os exames finais do colégio, mas certa noite, farto de estudar, Sanford aproveita um cochilo de Vernon para ir até o clube. Ao chegar lá, Griner, um de seus membros, comenta que viu Langley namorando Jean em seu Thunderbird. Sanford decide, então, vender seu barco para comprar um carro novo, enquanto Arthur induz Vernon a comprá-lo. Quando as provas começam, Arthur e seus amigos escoltam Sanford até o colégio. Embora seja aprovado, sua alegria se transforma em sentimentos de traição quando sua mãe se recusa a terminar seu relacionamento com Weldy.

Arthur se mostra contente quando Langley se prepara para retornar ao Alasca, mas sua alegria acaba quando ele anuncia seus planos para se casar com Jean, antes de partir. Depois que a notícia chega a Sanford, ele decide se alistar nas forças armadas. Ao comunicar sua decisão à sua mãe, ela lamenta por não ter conseguido entender seu filho, que de repente se tornou um adulto. Na época do Natal, Sanford retorna à sua casa para passar as festas com a família, recusando-se a rever seus velhos amigos. No entanto, ao entrar em seu quarto, ele encontra Arthur, que o aguardava para lhe fazer uma surpresa. Logo depois, os velhos amigos se juntam para interpretarem a canção “Bernardine” e, no final, Sanford sorri e abraça Arthur.

imagem

Comentários

Realizada pelo cineasta Henry Levin, a partir de um roteiro escrito por Theodore Reeves, “O Sonho Que Eu Vivi” é uma comédia musical norte-americana produzida pela Twentieth Century Fox Film Corporation em 1957. Sua trama, baseada numa peça de Mary Chase, conta a história de um estudante, que é um patético fracasso com as mulheres, e suas tentativas para cortejar uma bela telefonista.

A direção de Levin se mostra apenas razoável, pecando principalmente pelo ritmo por ele imposto à narrativa. Por outro lado, a fotografia em CinemaScope de Paul Vogel é de boa qualidade, assim como a trilha sonora a cargo de Lionel Newman, onde se destacam as canções “Bernardine”, “Love Letters in the Sand” e “Technique”, interpretadas por Pat Boone, “Blue Moon”, interpretada por Jack Costanzo e sua Orquestra, além de “The More I See You”, “Jack's Blues” e “Samba de Rio”.

No elenco, destacam-se as atuações de Pat Boone, Dick Sargent e Terry Moore.

CAA