Filmes por gênero

UM ROSTO NA MULTIDÃO (1957)

A face in the crowd
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Un homme dans la foule (França)
Un volto nella folla (Itália)
Un rostro en la multitud (Espanha, México)
Das gesicht in der menge (Alemanha, Austria)
Ett ansikte i mängden (Suécia)
Et ansigt i mængden (Dinamarca)
Kasvot väkijoukossa (Finlândia)
Лицо в толпе (Rússia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama
Direção: Elia Kazan
Roteiro: Budd Schulberg
Produção: Elia Kazan
Música Original: Tom Glazer
Direção Musical: Ed White
Fotografia: Gayne Rescher, Harry Stradling Sr.
Edição: Gene Milford
Direção de Arte: Paul Sylbert, Richard Sylbert
Figurino: Anna Hill Johnstone
Guarda-Roupa: Flo Transfield
Maquiagem: Robert Jiras
Efeitos Sonoros: Ernest Zatorsky, Don Olson
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1959

Elenco

Andy Griffith Larry 'Lonesome' Rhodes
Patricia Neal Marcia Jeffries
Anthony Franciosa Joey DePalma
Walter Matthau Mel Miller
Lee Remick Betty Lou Fleckum
Percy Waram Gen. Haynesworth
Paul McGrath Macey
Rod Brasfield Beanie
Marshall Neilan Senador Worthington Fuller
Alexander Kirkland Jim Collier
Charles Irving Sr. Luffler
Howard Smith J.B. Jeffries
Kay Medford Sra. Rhodes
Big Jeff Bess Xerife Big Jeff Bess
Henry Sharp Abe Steiner
Lois Chandler Secretaria
Rip Torn Barry Mills
Burl Ives Ele próprio
Sam Levenson Ele próprio
Betty Furness Ela própria
Virginia Graham Ela própria
Fred Stewart Dr. Wiley
Lois Nettleton Enfermeira do Sr. Mason
Logan Ramsey Diretor da TV
Eva Vaughan Sra. Cooley

Indicações

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Elia Kazan)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Nos anos 1950, Marcia Jeffries, repórter de uma estação de rádio do Arkansas, vai a um presídio para transmitir seu programa “Um rosto na multidão”. Lá, o xerife Big Jeff Bess promete antecipar a libertação de Larry Rhodes, um encrenqueiro e ex-presidiário, caso ele concorde em participar do show. Marcia reconhece a vitalidade e o carisma inatos do vagabundo, apelidando-o de “Lonesome”.
   
Quando ela retorna à estação de rádio, J.B. Jeffries, o proprietário e seu tio, decide contratar Lonesome para seu show matinal. Pouco tempo depois, no entanto, ao descobrirem que ele deixou a cidade, como carona, eles vão ao seu encontro e o convencem a aceitar sua proposta de trabalho. Assim, no dia seguinte, ao estreiar no show matinal, seu humor popular e sua energia cativam seus ouvintes, ao mesmo tempo em que anunciantes telefonam para patrocinar o seu show.

Certa noite, em um bar, Lonesome fala para Marcia sobre sua família e sobre os motivos que o levaram a fugir de casa. Por outro lado, ela evita seus avanços, mas se mostra enciumada ao ver outras mulheres por ele seduzidas. De qualquer forma, orgulhosa pelo sucesso que ele vem alcançando, ela se mostra encantada ao vê-lo manipular astutamente o proprietário de uma estação de televisão de Memphis, que deseja contratá-lo, negociando um alto salário para ambos.

Uma vez em Memphis, Lonesome toma uma aversão imediata aos roteiros escritos por Mel Miller, preferindo falar diretamente para a câmera, fascinando seus espectadores. Quando o fabricante de colchões, Sr. Luffler, assina como patrocinador, embora ele se mostre enfurecido por Lonesome se recusar a ler os anúncios, conforme estabelecido no roteiro, suas vendas logo disparam. Mesmo assim, o Sr. Luffler o ameaça de demiti-lo e, tarde da noite, ele bate à porta de Marcia para comunicar-lhe que está saindo da cidade. Incapaz de deixá-lo ir, Marcia o beija e o deixa ficar em seu quarto pela primeira vez. Na manhã seguinte, um grupo de jovens faz um piquete em frente ao local onde ele se encontra, levando o ambicioso Joey DePalma a telefonar para Nova York, alegando ser o agente de Lonesome e garantindo-lhe seu próprio show em rede nacional.

Ao chegarem à Nova York, a agência de publicidade os contrata para revitalizarem as vendas de um cliente especial, o produtor das Vitaminas Vitajex. Ignorando o conselho do responsável pelo produto, que deseja uma abordagem digna do conceituado produtor, Lonesome defende um posicionamento mais agressivo, anunciando as vitaminas como impulsionadoras da libido. Como resultado, as vendas disparam e o general Haynesworth, proprietário da Vitajex, convida Lonesome para sua propriedade. Lá, para desgosto de Marcia, o general explica que, em todas as grandes sociedades, as massas tiveram que ser guiadas com uma mão de ferro pelas elites dominantes e, por conseguinte, ele planeja promover Lonesome, juntamente com o senador Worthington Fuller, que ele espera ser o próximo Presidente da República.

Com o apoio de Hainesworth, Lonesome logo aparece na capa da revista Life e se torna uma celebridade nacional. Certa noite, ele convida Marcia para conhecer seu apartamento de cobertura, alegando ser solitário. Embora veja uma de suas amigas sair do apartamento, no momento em que chega ao local, Marcia aceita seu pedido de casamento. No dia seguinte, no entanto, uma mulher grosseira informa Marcia que é casada com Lonesome, exigindo-lhe uma remuneração mensal para ficar de boca calada.

Sentindo-se ferida, Marcia é tranquilizada por Lonesome, que ri da exigência da mulher, explicando-lhe que obteve um divórcio no México, o qual está sendo contestado por ela. De qualquer forma, ele promete resolver esse impasse em sua próxima viagem. Dias depois, quando ele viaja, Marcia revela à Mel, que também se mudou para Nova York, que planeja se casar com Lonesome e, apesar do seu desapontamento e apreensão, o amigo lhe deseja felicidade e decide retornar à Memphis.

Quando Lonesome retorna à Nova York, no entanto, ele cumprimenta a multidão com sua nova esposa, Betty Lou Fleckum, uma jovem de dezessete anos. Mais tarde, ele explica à Marcia que teve medo de se casar com ela, já que a achava muito crítica em relação ao seu comercialismo grosseiro e, em resposta, ela exige que ele consiga o mesmo em relação à sua parceria nos negócios. Nos meses que se seguem, a influência de Lonesome cresce, e em pouco tempo ele passa a dominar a área política, a ponto de insistir para que Fuller adote uma personalidade mais acessível e amigável.

Apesar da consternação do general Haynesworth, face à crescente megalomania de Lonesome, ele se vê forçado a financiar um novo show em que Lonesome vai pontificar sobre questões políticas. Lonesome logo promove Fuller em seu show, chamando-o de "Curly", e se deleita à medida que a popularidade do senador cresce. Certa noite, quando Marcia se encontra em seu habitual bar, Mel entra e revela que resolveu permanecer em Nova York. Em seguida, ao perceber que Marcia ainda ama Lonesome, ele lhe diz que não entende por que ela se permitiu ser explorada.

Quando Lonesome encontra Betty Lou com Joey, ele ameaça demiti-lo, mas Joey o informa que ele agora possui cinquenta e um por cento da empresa. Mais tarde, Lonesome chega à porta de Marcia, assumindo que ela vai recebê-lo na cama. Depois de anunciar que vai dar uma festa, durante a qual ele será nomeado Secretário dos EUA para a Moral Nacional, Marcia percebe que precisa pôr um fim em seu poder. Assim, no dia seguinte, o programa de televisão vira um caos quando Marcia não aparece. Sem saber como agir, Lonesome derrama seu charme para o público e, furioso, repreende sua equipe.

Enquanto os créditos estão sendo apresentados, Marcia chega e, soluçando, tropeça e liga o microfone de Lonesome, fazendo com que o público possa ouvi-lo, enquanto ele os chama de idiotas e tolos. Quando Lonesome chega ao lobby, seu público e os anunciantes haviam se retirado. Logo depois, quando Mel encontra Marcia, desanimada, ele insiste para que ela procure Lonesome e lhe conte o que realmente aconteceu, a fim de tirá-lo de sua vida para sempre.

Quando Lonesome lhe telefona, de sua festa, para lhe revelar que todos os convidados haviam cancelado suas presenças, Marcia, acompanhada de Mel, vai até lá, onde encontram uma antiga estrela numa varanda, ao som de aplausos pré-gravados. Ao vê-la, Lonesome se mostra esperançoso, prometendo-lhe recuperar seu público, mas ela o denuncia e sai correndo. Acompanhando Marcia, Mel diz a Lonesome que, apesar de sua enorme popularidade, seus fãs logo o esquecerão. Na rua, Marcia hesita quando ouve Lonesome gritando por ela, mas Mel reforça que, apesar de serem todos levados pelo fascínio de Lonesome, sua força reside no fato de que, agora, eles podem discernir a fantasia da realidade.


imagem

Comentários

Realizado pelo grande cineasta Elia Kazan, a partir de um roteiro escrito por Budd Schulberg, “Um Rosto na Multidão” é um excelente filme norte-americano produzido pela Newtown Productions em 1957. Sua trama, baseada na estória “The Arkansas Traveler”, do próprio Budd Schulberg, é muito bem construída, o que prende a atenção do expectador da primeira à última cena.

Na direção, Kazan realiza um ótimo trabalho, o que lhe valeu uma indicação ao prêmio de melhor direção do conceituado Grêmio dos Diretores da América. Na área técnica, merece ainda ser destacada a bela fotografia em preto e branco, assinada por Gayne Rescher e Harry Stradling Sr.

No elenco, Andy Griffith e Patricia Neal brilham nos papéis principais, seguidos pelas ótimas atuações de Walter Matthau e Anthony Franciosa. Por outro lado, tendo estreado como atriz de séries da televisão, em 1953, Lee Remick faz aqui seu début na telona.

CAA