Filmes por gênero

O INQUILINO (1976)

Le Locataire
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: The Tenant (USA)
L'inquilino del terzo piano (Itália)
El quimérico inquilino (Espanha)
El inquilino (Argentina, México, Peru)
Der Mieter (Alemanha)
Hyresgästen (Suécia)
Lokator (Polônia)
Den nye lejer (Dinamarca)
Pais: França
Gênero: Drama, Suspense
Direção: Roman Polanski
Roteiro: Roman Polanski, Gérard Brach
Produção: Andrew Braunsberg
Design Produção: Pierre Guffroy
Música Original: Philippe Sarde
Fotografia: Sven Nykvist
Edição: Françoise Bonnot
Direção de Arte: Claude Moesching, Albert Rajau
Figurino: Jacques Schmidt
Guarda-Roupa: Mimi Gayo
Maquiagem: Didier Lavergne
Efeitos Sonoros: Jean Nény, Jean-Pierre Ruh, Michèle Boëhm, Louis Gimel
Efeitos Visuais: Jean Fouchet
Nota: 9.0
Filme Assistido em: 2008

Elenco

Roman Polanski Trelkovsky
Isabelle Adjani Stella
Melvyn Douglas Monsieur Zy
Jo Van Fleet Madame Dioz
Dominique Poulange Simone Choule
Shelley Winters Zeladora do Prédio
Lila Kedrova Madame Gaderian
Eva Ionesco Filha de Madame Gaderian
Rufus Georges Badar
Bernard Fresson Scope
Michel Blanc Vizinho de Scope
Claude Piéplu Vizinho
Florence Blot Madame Zy
Jacques Monod Proprietário do Café
Jacky Cohen Amiga de Stella
Maïté Nahyr Lucille Pampin
Patrice Alexsandre Robert
Josiane Balasko Funcionária
Jean-Pierre Bagot Policial
Claude Dauphin Marido no acidente
Louba Guertchikoff Esposa no acidente
David Gabison Testemunha do acidente
Raoul Guylad Padre
Héléna Manson Enfermeira

Indicações

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Roman Polanski)

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Design de Produção (Pierre Guffroy)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

 Trelkovsky, um polonês que está vivendo em Paris, ao procurar um apartamento para alugar, interessa-se por um onde a antiga locatária, a jovem Simone Choule, tentou o suicídio ao se atirar do 3º andar. Depois de conversar com o proprietário, ele vai ao hospital onde a jovem se encontra em estado gravíssimo, recém saída do coma. Lá, ele conhece Stella, uma grande amiga de Simone que não entende por que a amiga tentou o suicídio.

Ao tomar conhecimento da morte de Simone, Trelkovsky finalmente aluga o tal apartamento. À noite, amigos do trabalho o visitam para um brinde pela nova moradia. Horas depois, um vizinho bate à porta para reclamar do barulho que o grupo está fazendo. Após desculpar-se, Trelkovsky pede aos amigos que se retirem em silêncio. Na manhã seguinte, ele se desculpa junto ao proprietário, a quem promete evitar todo e qualquer tipo de barulho que possa incomodar os moradores.

Trelkovsky descobre que seus vizinhos são, na maioria, velhos reclusos que o observam com um misto de desprezo e suspeita. Certa noite, Madame Gaderian, uma das moradoras, acompanhada de sua filha, uma garota deficiente, bate à sua porta para saber se ele teria sido a pessoa que a denunciara por prejudicar o silêncio do prédio. Quando ele nega qualquer participação sua nesse sentido, ela lhe pede desculpas e diz que só pode ter sido a velha que quer colocá-las na rua, referindo-se possivelmente à Madame Dioz ou à zeladora do prédio.

Certa vez, um tal de Georges Badar bate à porta de Trelkovsky à procura de Simone. Ele se apresenta como sendo um velho admirador da jovem que nunca tivera coragem de se declarar a ela, mas que finalmente decidira enfrentar seus medos. Ao tomar conhecimento que sua amada se suicidara, ele desaba em prantos.

Quando Trelkovsky descobre que seu apartamento foi invadido e roubado por bandidos, ele decide registrar a ocorrência na polícia, sendo impedido pelo proprietário que está preocupado com a eventual vinda de policiais ao local, trazendo má reputação para seu prédio.

Ao receber a visita de Madame Dioz com um pedido para que faça sua adesão a um abaixo assinado contra a Madame Gaderian, ele se nega a participar do mesmo. Madame Dioz se retira prometendo represálias. No dia seguinte, Trelkovsky recebe uma intimação para comparecer à polícia, onde é recebido pelo Inspetor que lhe fala sobre as inúmeras queixas recebidas contra ele.

Todos esses acontecimentos o levam a ficar perturbado, receoso que termine se suicidando como Simone. Passa, também, a sentir alucinações e, inexplicavelmente, a se vestir e a se pintar como mulher quando se encontra em seu apartamento. Visto na janela, assim vestido, é advertido pelo proprietário de que é proibido levar mulheres para seus aposentos.

Ao visitar Stella, diz que está morando no apartamento que foi de Simone e que acredita que os moradores do prédio a levaram ao suicídio. Mostra-se, ainda, preocupado por achar que está indo pelo mesmo caminho, face a uma verdadeira conspiração contra ele movida pelos tais moradores. “O que estão fazendo comigo”, diz ele, “é tão assustador que mal consigo contar. Estão tentando me transformar em Simone Choule”.

Stella o acolhe e, na manhã seguinte, antes de sair para o trabalho, lhe diz que deixou preparado o almoço e que, à noite, os dois poderão sair para um restaurante e se divertir. Entretanto, quando alguém toca a campainha, ele volta a se perturbar, pensando que todos, inclusive Stella, estão contra ele. Num ataque de fúria, destrói o apartamento da jovem, rouba um dinheiro que encontra e vai-se embora.

Na rua, é atropelado por um casal de idosos. No local, é atendido por um médico que afirma não ter havido nada grave. Transeuntes o acusam de ter sido o responsável pelo acidente. Ao casal de idosos, o médico reafirma que não foi nada grave e que apenas se trata de um caso ligeiro de delirium tremens.

Depois que o casal o deixa no prédio onde mora, Trelkovsky veste-se mais uma vez de mulher e salta de sua janela. Todos os moradores acorrem ao local onde ele caiu e, vendo que ele se acha vivo, providenciam a vinda de uma ambulância. Chamando a todos de assassinos e dizendo-lhes que ele não é Simone Choule, com dificuldade consegue se arrastar escada acima até seus aposentos no 3º andar.

A ambulância chega ao prédio e enquanto explicam o ocorrido, todos assistem estupefatos ao segundo e derradeiro pulo do inquilino para a morte.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado num livro de Roland Topor, “O Inquilino” é mais um belo trabalho do mestre Roman Polanski, embora não atinja o grau de excelência de filmes como “Chinatown” e “O Pianista”. Para mim, ele se acha mais ou menos no nível de “Repulsa ao Sexo e “O Bebê de Rosemary”, todos do citado cineasta.

Trata-se de um drama inteligente, com poucas tomadas exteriores e que, a partir de um certo momento, seu final torna-se previsível. O próprio personagem, ao visitar Stella, diz que estão querendo transformá-lo em Simone Choule.

Além da segura direção do mestre Polanski, que lhe valeu uma indicação à Palma de Ouro do Festival de Cannes, o filme conta ainda com a ótima fotografia do sueco Sven Nykvist, fotógrafo predileto de Ingmar Bergman, com sua câmera presente em filmes como “A Flauta Mágica”, “A Fonte da Donzela”, “Gritos e Sussurros”, “O Ovo da Serpente”, “Sonata de Outono” e tantos outros.

No elenco, além do próprio Polanski, basicamente presente em todas as cenas, é legal rever a querida Shelley Winters no papel da zeladora do prédio.

CAA