Filmes por gênero

A BATALHA DE MIDWAY (1976)

Midway
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: La bataille de Midway (França, Canadá francês)
La batalla de Midway (Espanha)
La battaglia di Midway (Itália)
Schlacht um Midway (Alemanha)
Battle of Midway (Reino Unido)
Pais: Estados Unidos
Gênero: 2ª Guerra Mundial, Histórico
Direção: Jack Smight
Roteiro: Donald S. Sanford
Produção: Walter Mirisch
Música Original: John Williams
Fotografia: Harry Stradling Jr.
Edição: Robert Swink, Frank J. Urioste
Direção de Arte: Walter H. Tyler
Efeitos Sonoros: Robert Martin, Leonard Peterson, Roger Sword e outros
Efeitos Especiais: Jack McMaster
Nota: 7.1
Filme Assistido em: 2008

Elenco

Henry Fonda Almirante Chester W. Nimitz
Toshirô Mifune Almirante Isoroku Yamamoto
Charlton Heston Capt. Matt Garth
Robert Webber Contra-Almirante Frank J. Fletcher
Glenn Ford Contra-Almirante Raymond A. Spruance
James Coburn Capt. Vinton Maddox
Robert Mitchum Almirante William F. Halsey
James Shigeta Vice-Almirante Chuichi Nagumo
Hal Holbrook Comandante Joseph Rochefort
Cliff Robertson Comandante Carl Jessop
Robert Wagner Tenente Comandante Ernest L. Blake
Ed Nelson Almirante Harry Pearson
Dale Ishimoto Vice-Almirante Moshiro Hosogaya
Conrad Yama Almirante Nobutake Kondo
Robert Ito Comandante Minoru Genda
Monte Markham Comandante Max Leslie
Christopher George Tenente Comandante C. Wade McClusky
Glenn Corbett Tenente Comandante John Waldron
Edward Albert Tenente Tom Garth
Pat Morita Contra-Almirante Ryunosuke Kusaka
John Fujioka Contra-Almirante Tamon Yamaguchi
Dabney Coleman Capt. Murray Arnold
Clyde Kusatsu Comandante Watanabe
Phillip R. Allen Tenente Comandante John S. Thach

Videoclipes

70 anos de cinema 70 anos de cinema

Sinopse

Em 18 de abril de 1942, partindo do porta-aviões USS Hornet, o Ten. Cel. James Doolittle comanda uma frota de 16 bombardeiros B-25 num vitorioso ataque ao Japão, conseguindo bombardear Tóquio, Yokohama, Kawasaki, Yokosuka e Kobe. Apesar de militarmente insignificante, a ousada ação torna-se um grande choque psicológico para os nipônicos.

Em Pearl Harbor, o enviado do Alm. Chester Nimitz, Capt. Matt Garth, conversa com o Com. Joe Rochefort sobre os próximos passos a serem seguidos. Enquanto Joe se mostra eufórico pelo feito de Doolittle, Garth receia que, por terem apenas 4 porta-aviões no Pacífico, o Alm. Yamamoto aproveite-se dessa situação para dar o troco. Na ocasião, Joe informa que criptógrafos da marinha encontraram em diversas mensagens trocadas entre os comandantes inimigos a referência a um ponto “AF”, que parecia ser o alvo do próximo ataque, pela constante repetição. Uma dessas mensagens permite que Pearl Harbor faça uma varredura sobre a área em que a mensagem foi emitida e a única faixa de terra encontrada foi a Ilha de Midway. Para checar essa descoberta, é lançada uma falsa mensagem comunicando que “o condensador de água da Ilha de Midway acha-se quebrado”. Horas depois, os serviços de escuta de todo o Pacífico decodificam uma comunicação japonesa para o Quartel-General em Tóquio que dizia: “AF está com problemas no condensador de água”. Assim, o pretenso ataque-surpresa à Midway é descoberto antes mesmo de começar.

Na Baía de Hiroshima, no navio de guerra Yamato, nau capitânia do Alm. Yamamoto, este fala que o plano de ataque à Midway, elaborado por estrategistas, está destinado ao fracasso por não considerar a prévia neutralização dos campos do inimigo e das baterias de praia. Na ocasião, é-lhe assegurado que o Vice-Alm. Chuichi Nagumo vai destruir as defesas americanas em Midway. Yamamoto ainda contra-argumenta dizendo que os bombardeiros americanos têm alcance de no mínimo 640km mais que o do porta-aviões de Nagumo, o que permite que seus navios sejam explodidos antes que ele possa lançar o ataque.

Num segundo encontro, Yamamoto apresenta a seguinte estratégia: As forças do Alm. Hosogaya atacam as Aleutas para que a atenção de Nimitz se desvie do objetivo principal, enquanto os aviões de Nagumo atacam Midway, destruindo os aviões americanos e as baterias de praia. Em seguida, o Alm. Kondo dá início à invasão da ilha. Nimitz será forçado a redirecionar sua frota, provavelmente sob o comando do Alm. Halsey, levando pelo menos 48h até Midway. Até lá, Kondo já terá dominado a ilha e estará à sua espera.

Em Pearl Harbor, o Alm. Nimitz recebe um enviado de Washington, o Capt. Maddox, que vem alertá-lo sobre a preocupação do governo quanto ao Ponto AF, que poderá ser uma armação de Yamamoto para desviar a atenção americana. Entretanto, acreditando na importância de Midway para os japoneses e no tão falado Ponto AF, já descoberto, Nimitz joga todas as suas fichas nessa alternativa e toma todas as providências para que sua frota se desloque imediatamente para a região do possível combate.

Os dois porta-aviões da força-tarefa do Alm. William Halsey são entregues ao comando do Contra-Alm. Raymond Spruance, já que Halsey acha-se internado em um hospital. Um terceiro porta-aviões, o USS Yorktown, achava-se em reparos com prazo de dois meses para voltar a operar. Entretanto, um grande esforço de operários civis e marinheiros, trabalhando 24 horas por dia, faz com que o mesmo deixe Pearl Harbor em três dias, em condições razoáveis de combate e com centenas de homens ainda trabalhando em seu interior, sob o comando do Alm. Fletcher.

Em 4 de junho, sob a liderança do Ten. Tomonaga, o Alm. Nagumo lança seu ataque inicial contra Midway, utilizando 108 aviões. Ao mesmo tempo, lança 6 aviões de reconhecimento além de caças Zero para patrulharem o espaço aéreo em torno da frota. O ataque é arrasador, resultando na destruição de 40 aviões americanos contra apenas 7 japoneses, além de causar pesados danos às instalações da ilha. Terminado esse primeiro ataque, Tomonaga informa da necessidade de um segundo ataque com o fim de destruir o campo de pouso da ilha e neutralizar as defesas antes que seja dado início ao desembarque planejado.

Quando aviões de patrulha e busca localizam os 4 porta-aviões japoneses, aviões de ataque são lançados por ordem de Fletcher e Spruance. Os dois primeiros grupos de torpedeiros de Spruance têm quase todos os seus aviões abatidos um a um. Imediatamente após esses ataques, aproximando-se à grande altura sem serem importunados pelos Zero, que perseguem os torpedeiros próximos ao mar, duas esquadrilhas de bombardeiros de mergulho caem sobre os porta-aviões inimigos, que no momento se encontram com seus conveses cheios de aviões sendo reabastecidos e armados para iniciarem o contra-ataque. Assim, às 10:22h daquele dia os bombardeiros do Enterprise atacam o Kaga enquanto ao sul os do USS Yorktown  caem sobre o Soryu e o Akagi, atingido várias vezes por mais bombardeiros do Enterprise quatro minutos depois. O ataque é devastador e, em seis minutos, três dos quatro porta-aviões da esquadra japonesa acham-se em chamas, colocados fora de ação e afundados em pouco tempo.

O Hiryu rapidamente coloca no ar seus aviões para contra-atacar a força-tarefa americana. O primeiro grupo de bombardeiros japoneses danifica seriamente o USS Yorktown com dois impactos diretos. Um segundo faz com que a belonave perca a velocidade e aderne, obrigando o Alm. Fletcher a abandonar o navio e transferir sua bandeira de nau capitânia para um cruzador.

Horas depois, um grupo de bombardeiros de mergulho ataca o Hiryu, quarto e último porta-aviões da força japonesa, afundando-o com seu comandante e parte da tripulação. A bordo da nau capitânia, Yamata, o Alm. Yamamoto não acredita no que está vendo. Decide bater em retirada e pedir desculpas à Sua Majestade, o Imperador do Japão.

imagem imagem imagem

Comentários

“A BATALHA DE MIDWAY” tem o grande mérito de retratar historicamente os acontecimentos que terminaram com a supremacia naval japonesa no Pacífico durante a 2ª Guerra Mundial. Entretanto, do ponto de vista cinematográfico, deixa muito a desejar, não chegando aos pés, por exemplo, de “O Mais Longo dos Dias”, filme que retrata os preparativos e as ações, propriamente ditas, relativos ao desembarque das forças aliadas nas praias da Normandia, em junho de 1944, marcando o início da derrocada alemã na 2ª Guerra Mundial.

O romance envolvendo o Tenente Tom Garth e uma jovem americana, filha de japoneses, é tão irrelevante que não me dei ao trabalho de citá-lo em minha sinopse. Em seu lugar, os realizadores poderiam, por exemplo,  ter mostrado os últimos momentos do USS Yorktown e de sua tripulação, antes do mesmo afundar.

Com um elenco estelar, grandes nomes como o de Robert Mitchum têm uma participação ridícula. No caso dele, por exemplo, ele aparece duas vezes na cama de um hospital com um tempo total de participação em torno de 2 minutos. Da primeira vez, ele confirma o nome do Contra-Alm. Raymond Spruance para substituí-lo na Operação Midway; em sua segunda participação, Spruance vai até ele para agradecer a indicação de seu nome. Um outro exemplo é o de James Coburn, no papel do Capt. Maddox, que vem alertar Nimitz  sobre a preocupação do governo quanto ao Ponto AF, com uma participação igualmente da ordem de 2 minutos.

Enfim, “A BATALHA DE MIDWAY” é um filme que merece ser visto apenas por seu grande valor histórico e diria até ser imperdível para os amantes dos filmes sobre a 2ª Guerra Mundial.

CAA