Filmes por gênero

SEIS DIAS, SEIS NOITES (1994)

À la folie
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Fino alla follia (Itália)
Seis dias, seis noches (Espanha)
Six days, six nights (USA, UK)
Zwischen Liebe und Haß (Alemanha)
Hat nap, hat éjszaka eszeveszetten (Hungria)
Do szalenstwa (Polônia)
Delicesine (Turquia)
Pais: França
Gênero: Drama, Mistério, Suspense
Direção: Diane Kurys
Roteiro: Diane Kurys, Antoine Lacomblez
Produção: Alexandre Arcady
Design Produção: Tony Egry
Música Original: Michael Nyman
Direção Musical: Michael Nyman
Fotografia: Fabio Conversi
Edição: Luc Barnier
Figurino: Mic Cheminal
Nota: 6.9
Filme Assistido em: 1995

Elenco

Anne Parillaud Alice
Béatrice Dalle Elsa
Patrick Aurignac Franck
Bernard Verley Sanders
Alain Chabat Thomas
Jean-Claude de Goros Raymond
Marie Guillard Betty
Greg Engler Garoto complicado
Robert Benitah .
Michael Massee .

Indicações

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Leão de Ouro (Diane Kurys)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Alice é uma jovem e promissora artista que vive em um pequeno apartamento em Paris. Ela se mostra um pouco assustada com seu sucesso nascente, principalmente, quando lhe é proposta por Sanders uma exposição sua em Nova York. Suas preocupações aumentam ainda mais quando seu amante, Franck, um boxeador, sem combinar antecipadamente com ela, decide se instalar em sua casa.

A situação fica ainda mais crítica quando sua irmã Elsa, que ela não via há dois anos, aparece sem aviso prévio à sua porta, depois de se separar do marido trapaceiro, Thomas, e de suas duas filhas. Um clima de tensão e manipulação começa a preocupar Franck. Elsa culpa Alice de ter mantido as cinzas de sua mãe em um armário embutido e, em um acesso de raiva, as joga fora pela janela.

Essa intrusão invasiva ameaça a tranqüilidade do jovem casal. Certo dia, Thomas bate à porta e implora que Elsa volte para casa. Ele confessa que terminou seu relacionamento com Betty, uma jovem comerciante de chá que, no passado, trabalhara em sua casa como baby-sitter de suas filhas.

Irritado com essa situação, Franck tenta fazer com que Thomas vá embora. Alice, por outro lado, deseja o mesmo à Elsa, mas não sabe como agir porque, como ela confessa a Franck, na realidade ela não é sua irmã e sim um antigo amor do passado. Continuando, ela comenta que Elsa é tomada por um acesso de crueldade toda vez que ela começa uma nova vida.

Entretanto, quando finalmente Elsa decide ir embora, Franck sai à sua procura e a encontra na estação ferroviária. Em lágrimas, ela desce do trem pouco antes de sua partida, e joga todo o seu charme para ele. Embora se sentindo assediado, Frank consegue deter os seus avanços. No entanto, antes de destruir todo o ateliê de Alice, Elsa sugere que Franck foi seu amante. Ao boxeador, afirma que a destruição do ateliê foi conseqüência de um ataque de loucura de Alice.

Perturbado, Franck impede Alice de partir e a tranca para protegê-la dela própria. Entretanto, por outro lado, ele e Elsa fazem amor praticamente debaixo de seus olhos.

O pesadelo chega ao fim quando Elsa vai embora e Alice refaz sua vida em Nova York, com um novo amante e uma atmosfera tranqüila, trabalhando sob a liderança de Sanders. Tudo caminha às mil maravilhas até o dia em que aparece, debaixo de sua porta, o desenho de um cão morto, exatamente como no dia em que Elsa reapareceu em Paris...

imagem

Comentários

Realizado pela cineasta Diane Kurys, “Seis Dias, Seis Noites” é um drama psicológico de meados dos anos 1990.

Embora tenha sido indicado ao Prêmio Leão de Ouro do Festival Internacional de Veneza, o filme peca por seguir um roteiro que, a meu ver, deixa a desejar. Em contrapartida, mesmo não tendo seus nomes indicados a qualquer prêmio, as atuações das atrizes Anne Parillaud e Béatrice Dalle são o que há de melhor nessa produção do cinema francês.

CAA