Filmes por gênero

MILAGRE NA RUA 34 (1947)

Miracle on 34th Street
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: De ilusão também se vive (Portugal)
Le miracle de la 34ème rue (França, Bélgica)
Il miracolo della 34ª strada (Itália)
The big heart (UK)
De ilusión también se vive (Argentina, Espanha, México)
Das wunder von Manhattan (Alemanha, Austria)
Det hände i New York (Suécia)
Het wonder van de 34e straat (Holanda)
Чyдо на 34-й улице (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia Dramática, Fantasia
Direção: George Seaton
Roteiro: George Seaton
Produção: William Perlberg
Música Original: Cyril J. Mockridge
Direção Musical: Alfred Newman
Fotografia: Lloyd Ahern, Charles G. Clarke
Edição: Robert L. Simpson
Direção de Arte: Richard Day, Richard Irvine
Figurino: Kay Nelson
Guarda-Roupa: Charles Le Maire, Sam Benson
Maquiagem: Ben Nye
Efeitos Sonoros: Roger Heman Sr., Arthur von Kirbach
Efeitos Visuais: Fred Sersen
Nota: 8.9
Filme Assistido em: 1959

Elenco

Maureen O'Hara Doris Walker
John Payne Fred Gailey
Edmund Gwenn Kris Kringle
Natalie Wood Susan Walker
Gene Lockhart Juiz Henry X. Harper
Porter Hall Granville Sawyer
William Frawley Charlie Halloran
Jerome Cowan Promotor Thomas Mara
Philip Tonge Julian Shellhammer
Harry Antrim Sr. R. H. Macy
Lela Bliss Sra. Shellhammer
Dorothy Christy Secretária
Jeff Corey Repórter
Mary Field Mãe adotiva da garota holandesa
William Forrest Dr. Rogers
James Seay Dr. Pierce
Jane Green Sra. Harper
Alvin Greenman Alfred
Alvin Hammer George
Anthony Sydes Peter
Thelma Ritter Mãe de Peter
Patty Smith Alice
Jean O'Donnell Srta. Adams
Teddy Driver Terry
Theresa Harris Cleo
Herbert Heyes Sr. Gimbel
Robert Hyatt Thomas Mara Jr.
Guy Thomajan Lou
Jack Gargan Motorista

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (Edmund Gwenn)

Oscar de Melhor História Original (Valentine Davies)

Oscar de Melhor Roteiro (George Seaton )

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Edmund Gwenn)

Prêmio de Melhor Roteiro (George Seaton )

Festival Internacional de Cinema de Locarno, Suiça

Prêmio de Melhor Roteiro Adaptado (George Seaton )

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No centro de Manhattan, Kris Kringle, um homem de barba branca, declara para Doris Walker, a organizadora do desfile do Dia de Ação de Graças, que o homem que ia fazer o papel de Papai Noel encontra-se embriagado. Doris, então, o contrata para substituí-lo. Ao retornar ao seu apartamento, ela, uma viúva, descobre que sua filha, Susan, foi assistir ao desfile do apartamento de seu vizinho, o advogado Fred Gailey. Ela se junta a eles, agradece a Fred por sua atenção para com Susan e descobre que ele tem cultivado uma amizade com a filha na esperança de se aproximar dela.

Horas depois, Susan entrega um convite para que Fred se junte a eles no jantar de ação de graças. Tendo em vista sua bem sucedida atuação como Papai Noel, durante o desfile, Kris é contratado para ser o Papai Noel da loja Macy’s. Embora o Sr. Julian Shellhammer, chefe do departamento de brinquedos, o aconselhe a sugerir determinados brinquedos para crianças indecisas, ele informa às mães onde elas podem encontrar os presentes de seus filhos, mesmo não sendo na Macy’s. Quando Shellhammer está a ponto de demitir Kris, uma das mães agradece-lhe por ter devolvido à loja o espírito do Natal, fazendo com que ela decidisse fazer todas as suas compras com eles.

Mais tarde, quando Fred leva Susan para visitar Papai Noel, Doris, que se achava desiludida com o péssimo casamento que teve, reclama por ele encher a cabeça da garota com mitos e contos de fadas. Enquanto discutem, Susan testemunha Kris falando holandês com um órfão e começa a pensar que ele pode ser realmente Papai Noel. Doris, então, pede a Kris que diga à Susan quem ele realmente é, e quando ele insiste que é Papai Noel, ela lhe pede para ver seu documento de identidade. Sabendo que ele disse que seu nome era Kris Kringle, Doris fica com receio de que ele seja um louco e está prestes a demiti-lo quando o dono da Macy’s  a elogia e a Shellhammer, por desenvolverem a nova política de relacionamento com os clientes. Logo depois, Shellhammer dissuade Doris de despedir Kris e sugere que ela procure o diretor de pessoal.

No entanto, ela procura Dr. Pierce, chefe do “Lar Para Idosos Brook”, onde Kris mora. Este passa nos testes psicológicos, mas o mal-humorado Sawyer recomenda sua própria demissão. Dr. Pierce, no entanto, afirma que Kris sofre de um delírio benigno e insiste que ele não é perigoso. Ele ainda sugere que Kris viva mais perto da loja até que seu trabalho termine. Naquela noite, Susan revela a Kris que deseja uma casa para o Natal e lhe mostra uma revista com a foto da casa de seus sonhos. Embora não faça promessas, ele concorda em tentar consegui-la.

Certo dia, Kris almoça com Alfred, um jovem zelador de dezessete anos que faz o papel de Papai Noel no YMCA. Quando um desconsolado Alfred revela que, de acordo com Sawyer, interpretar Papai Noel é uma evidência de um complexo de culpa, Kris furiosamente confronta Sawyer e o ataca com sua bengala. Por outro lado, como está convencido de que Doris participou da trama de Sawyer, Kris deliberadamente falha nos testes de competência. No entanto, convencido da capacidade dele, Fred anuncia que vai provar que Kris na verdade é o Papai Noel.

O juiz Henry Harper é afligido pelo anúncio de Fred de que vai tentar a reeleição e não quer se indispor com os pais das crianças que acreditam em Papai Noel, ou com aqueles que pensam que Kris é um velho maluco. Doris tenta dissuadir Fred de sua decisão e, ao tomar conhecimento de que ele largou o emprego para defender Kris, o acusa de ser irrealista. No dia seguinte, no tribunal, Fred chama suas testemunhas. Macy atesta que acredita que Kris é o Papai Noel e, em seguida, aciona Sawyer. Depois que o jovem filho do promotor Thomas Mara testemunha que seu pai lhe falou que existe um Papai Noel, um constrangido Thomas Mara admite que há um Papai Noel, mas insiste que Fred deve apresentar uma prova de que Kris é o único e verdadeiro Papai Noel. Naquela noite, Doris e Susan escrevem uma carta a Kris para animá-lo. Por outro lado, um funcionário dos correios, ao ver o endereço do Tribunal, decide enviar para lá todas as cartas dirigidas ao Papai Noel.

Na véspera do Natal, Fred usa os sacos do correio como prova oficial do governo dos EUA de que Papai Noel existe, e o juiz alegremente rejeita o caso. No Natal, Susan, Doris e Fred comemoram a data, juntamente com Kris, no “Lar Para Idosos Brook”. Na ocasião, Kris presenteia o Dr. Pierce com uma máquina de raios X, comprada com bônus recebidos da Macy’s, enquanto Susan se mostra decepcionada por não ter recebido o presente que desejava, deixando-a descrente em relação à existência de Papai Noel. Por outro lado, Doris, que se apaixonara por Fred, afirma que é importante acreditar em algo, mesmo que o senso comum diga o contrário. Depois da festa, Fred leva Doris e Susan para casa seguindo as orientações de Kris. Para deleite de Susan, eles passam por uma casa que atende aos requisitos da casa de seus sonhos, fazendo com que ela salte do carro e corra para ela. Aproveitando a excitação de Susan, Fred pede Doris em casamento e, quando ela aceita, ele nota a bengala de Kris junto à parede.

imagem

Comentários

Escrito e dirigido pelo cineasta George Seaton, “Milagre na Rua 34” é um magnífico filme norte-americano produzido pela Twentieth Century Fox Film Corporation em 1947. Sua trama, baseada numa estória de Valentine Davies, fala de amor, fé e do verdadeiro significado do Natal.

Partindo de um roteiro bastante original e inteligente, por ele escrito, Seaton nos brinda com um excelente trabalho de direção. Merece ainda ser citada a bela fotografia em preto e branco, assinada por Lloyd Ahern e Charles G. Clarke. No elenco, Edmund Gwenn brilha no papel de Kris Kringle. Com ótimas atuações, destacam-se Maureen O'Hara, John Payne, Porter Hall e Jerome Cowan, além de Natalie Wood, na época com apenas 7 para 8 anos de idade.

CAA