Filmes por gênero

NOSSO LAR (2010)

imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Pais: Brasil
Gênero: Drama, Ficção Científica
Direção: Wagner de Assis
Roteiro: Wagner de Assis
Produção: Iafa Britz
Design Produção: Lia Renha
Música Original: Philip Glass
Fotografia: Ueli Steiger
Edição: Marcelo Moraes
Direção de Arte: Marcus Ranzani
Figurino: Luciana Buarque
Efeitos Sonoros: George Saldanha, Nuno Cardoso e outros
Efeitos Especiais: Marcio Bittencourt Farjalla, Sergio Farjalla Jr.
Efeitos Visuais: Geoff D.E. Scott
Nota: 7.2
Filme Assistido em: 2010

Elenco

Renato Prieto André Luiz
Fernando Alves Pinto Lísias
Rosane Mulholland Eloisa
Inez Viana Narcisa
Othon Bastos Governador
Werner Schünemann Emmanuel
Paulo Goulart Genésio
Ana Rosa Laura
Lu Grimaldi Veneranda
Selma Egrei Luisa
Aracy Cardoso Dona Amélia
Rodrigo dos Santos Tobias
Clemente Viscaíno Clarêncio
Helena Varvaki Zélia
Chica Xavier Ismália
Nicola Siri Ernesto
Amélia Bittencourt Judite
Lisa Fávero Clarice
César Cardadeiro Mariano
Anna Cotrim Mãe de Eloisa
Vânia Veiga Iolanda

Sinopse

André Luiz é um médico e pai de família amoroso que, por conta de seus excessos, acaba contraindo uma doença que o leva à morre. Ele, então, desperta em um lugar sombrio, devastado, mergulhado em lama e cercado por gritos e sofrimento. É o umbral, uma espécie de purgatório, onde ele padece até pedir a misericórdia divina. Assim, depois de se arrepender das falhas de sua existência anterior na Terra, ele é recolhido por espíritos iluminados e levado para uma cidade num outro plano, denominada de “Nosso Lar”.

Uma vez lá, André Luiz recebe todo o apoio de Lísias, que vem a se tornar seu melhor amigo. É com sua ajuda que o médico começa seu aprendizado sobre o funcionamento do universo espiritual, sempre ávido por uma chance que lhe permita se comunicar com sua família. Logo ele aprende que, ao contrário da Terra, onde muitos desejos são realizados através de métodos egoístas, no “Nosso Lar” tudo é conseguido através de merecimento, o que muitas vezes leva tempo.

Determinado a conseguir realizar esse seu desejo, André Luiz se dedica a ajudar os novos recém-chegados desencarnados ao “Nosso Lar”, tendo no início muita dificuldade por ainda estar ligado aos métodos terrenos. Entretanto, sua forte determinação faz com que aos poucos ele vá mudando seus valores morais e passe a se comportar como alguém que já se encontra em um plano espiritual mais elevado, podendo assim melhor ajudar àqueles recém-chegados.

Lísias o leva para conhecer o “Nosso Lar”, numa espécie de tour onde tudo é muito bem explicado. Utilizando-se de um aerobus, uma espécie de ônibus aéreo, eles percorrem toda a área da cidade, passando pela Governadoria, pelos Ministérios de Regeneração, Auxílio, Comunicação e Esclarecimento, ligados às atividades da esfera terrestre, e pelos Ministérios de União Divina e Elevação, ligados às hierarquias planetárias superiores. Eles passam ainda por áreas residenciais, por Parques arborizados, e pelo Bosque das Águas, onde há um imenso reservatório de água que abastece todas as atividades da cidade. É neste Bosque que se reúnem, também, os seres que planejam a reencarnação.

Pouco depois, chega à cidade, Eloisa, sobrinha de Lísias e neta de Laura, que não se conforma por ter de deixar o noivo, que não morreu.     A jovem tem a essência da rebeldia, da juventude, do não-conformismo. Enquanto André Luiz segue as regras na esperança de um dia poder visitar sua família ou, ao menos, se comunicar com a mulher e os filhos, a jovem, por sua vez, busca voltar à Terra por seus próprios meios. Ela faz uma tentativa de fuga, mas André a ajuda a aceitar sua nova condição de desencarnada.

Ao conseguir, por merecimento, o direito de visitar sua família, André Luiz vai à Terra onde observa que seus entes queridos conseguiram ultrapassar a perda sofrida com sua morte, ao encontrá-los todos muito bem, inclusive sua antiga mulher vivendo um 2º casamento.

imagem imagem imagem

Comentários

Escrito e dirigido pelo cineasta Wagner de Assis, “Nosso Lar” é um filme nacional que procura retratar os primeiros anos do médico André Luiz após sua morte, vivendo numa cidade de uma outra dimensão, onde procura crescer espiritualmente longe de alguns aspectos pseudo-morais com os quais convivera em sua passagem pela Terra.

Analisando-o apenas como uma obra cinematográfica, a mesma possui uma série de defeitos que a tornam por vezes monótona e cansativa. Não posso, entretanto, deixar de mencionar a bela trilha sonora do americano Philip Glass e a fotografia do suíço Ueli Steiger.

Segundo literatura sobre o assunto, a planta da cidade e a arquitetura de suas edificações foram criadas pela médium Heigorina Cunha, através de suas observações realizadas durante diversas “saídas do corpo”, e confirmadas por Chico Xavier como realmente se tratando da cidade “Nosso Lar”.

Para mim, com todo o respeito pela doutrina espírita, da qual não sou um seguidor, fica difícil aceitar a existência da cidade “Nosso Lar”, como mostrada no filme, mesmo tendo o aval do famoso Chico Xavier. Seu traçado e sua arquitetura são extremamente modernos, futuristas, só vistos em filmes de ficção, que deixariam Oscar Niemeyer e Lúcio Costa envergonhados do trabalho por eles desenvolvido quando da construção de Brasília. Por outro lado, o aerobus, como meio de transporte, é outro ponto que merece o mesmo tipo de comentário. Para mim, pelo menos, seria melhor admitir que os espíritas desencarnados não precisassem de meios de transporte para se deslocar.

CAA