Filmes por gênero

AMOR À TARDE (1972)

L'amour l'après midi
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: L'amore il pomeriggio (Itália)
O amor às três da tarde (Portugal)
El amor después del mediodía (Espanha)
Chloe in the afternoon (Estados Unidos)
Die liebe am nachmittag (Alemanha)
Pais: França
Gênero: Comédia Dramática
Direção: Eric Rohmer
Roteiro: Eric Rohmer
Produção: Pierre Cottrell, Barbet Schroeder
Design Produção: Nicole Rachline
Música Original: Arié Dzierlatka
Fotografia: Néstor Almendros
Edição: Cécile Decugis
Figurino: Daniel Hechter-Vog
Maquiagem: Karl Moisant
Efeitos Sonoros: Jean-Pierre Ruh, Jacques Carrère
Nota: 8.0
Filme Assistido em: 2007

Elenco

Bernard Verley Frédéric
Zouzou Chloé
Françoise Verley Hélène
Daniel Ceccaldi Gérard
Malvina Penne Fabienne
Elisabeth Ferrier Martine
Tina Michelino Passageira
Jean-Louis Livi O colega
Pierre Nunzi O vendedor
Irène Skobline A vendedora
Frédérique Hender Mme. M.
Claude-Jean Philippe Sr. M.
Silvia Badescu A estudante
Claude Bertrand O estudante

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Frédéric é um profissional competente, casado com uma bela mulher, Hélène, com quem tem um filho e espera um segundo. Além do trabalho em seu escritório, ele gosta de flanar pelas ruas e lojas da cidade. Ele ama Paris, sua efervescência e as mulheres que passam por ele e que não voltará a vê-las. Para ele, todas são lindas, desde aquela que faz com que ele compre uma camisa quando procurava um pulôver, até suas secretárias, passando pelas que encontra nos trens e nos Cafés. Ele as admira, imaginando sua vida com cada uma delas durante a pausa para o almoço, o que o deixa feliz. Para ele, a beleza dessas mulheres é o prolongamento da beleza de sua esposa. Assim, ao abraçar Hélène, ele se sente abraçando todas elas.

Certa tarde, Chloé, ex-amante de um de seus melhores amigos de juventude, aparece em seu escritório depois de vários anos de silêncio. Modelo de sucesso, ela havia passado algum tempo nos Estados Unidos. Independente e impulsiva, ela leva uma vida boêmia, ao contrário de Frédéric. Mesmo que no começo ele se mostre frio e distante, ela não parece sofrer com tal situação e, pouco a pouco, vai conseguindo sua atenção e sua concordância para que se encontrem à tarde apenas para conversarem, tornando-se sua melhor amiga.

Com o tempo, Frédéric começa a sentir uma espécie de liberdade que jamais experimentara ao lado de outra pessoa, talvez, pensa ele, devido ao fato de não haver qualquer compromisso entre os dois. Eles conversam sobre seus problemas e seus relacionamentos e, quando menos espera, ele toma consciência de que está se sentindo fortemente atraído por ela. Ao perceber a situação, Chloé decide fazer uma viagem até a Itália. No entanto, ao regressar à Paris, ela encontra um Frédéric pronto para abandonar seu papel de pai e marido modelo para se tornar seu amante.

Certo dia, ele concorda em ir até o apartamento de Chloé. Uma vez lá, após ela tomar um banho no chuveiro, ele pega a toalha e a enxuga. Em seguida, quando ela se deita em sua cama, completamente nua, ele começa a tirar seu pulôver. No entanto, ao se olhar no espelho, percebe o ridículo da situação e, sem dar qualquer justificativa, sai correndo para os braços de Hélène. Os dois, pela primeira vez, fazem amor à tarde como se fossem um casal adúltero.

imagem imagem imagem

Comentários

Escrita e dirigida pelo cineasta francês Eric Rohmer, “Amor à Tarde” é uma interessante comédia dramática. Sua trama gira em torno de temas como o desejo, a ideia do amor, a fidelidade, a ilusão da felicidade conjugal.

Como sempre, Rohmer se mostra como um realizador intimista. O roteiro, por ele construído, é muito bem articulado e seu trabalho, como diretor, apresenta-se equilibrado, discreto. Não se trata, evidentemente, de nenhuma obra prima, mas “Amor à Tarde” tem, sem dúvida alguma, seu lugar na obra desse grande cineasta.

No elenco, Bernard Verley e, principalmente Zouzou, se saem muito bem em seus respectivos papéis.

CAA