Filmes por gênero

O VENTO SERÁ TUA HERANÇA (1960)

Inherit the Wind
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Procès de singe (França)
E l'uomo creò Satana! (Itália)
La herencia del viento (Espanha)
Wer den Wind sät (Alemanha)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama
Direção: Stanley Kramer
Roteiro: Nedrick Young, Harold Jacob Smith
Produção: Stanley Kramer
Design Produção: Rudolph Sternad
Música Original: Ernest Gold
Fotografia: Ernest Laszlo
Edição: Frederic Knudtson
Guarda-Roupa: Joe King
Maquiagem: Bud Westmore
Efeitos Sonoros: Joe Lapis, Walter Elliott
Nota: 8.7
Filme Assistido em: 2010

Elenco

Spencer Tracy Henry Drummond
Fredric March Matthew Harrison Brady
Gene Kelly E. K. Hornbeck
Dick York Prof. Bertram T. Cates
Donna Anderson Rachel Brown
Harry Morgan Juiz Mel Coffey
Claude Akins Reverendo Jeremiah Brown
Elliott Reid Promotor Tom Davenport
Philip Coolidge Prefeito Jason Carter
Florence Eldridge Sarah Brady
Paul Hartman Oficial de Justiça
Noah Beery Jr. John Stebbins
Renee Godfrey Sra. Stebbins
Jimmy Boyd Howard
Gordon Polk George Sillers
Hope Summers Sra. Krebs
Ray Teal Jessie H. Dunlap
Richard Deacon Jurado
Lester Dorr Dr. John
Will Wright Vendedor de Bíblias
Addison Richards Repórter
Robert Osterloh Sam, policial que prende Cates
Bob Perry Repórter

Prêmios

Festival Internacional de Berlim, Alemanha

Prêmio Urso de Prata de Melhor Ator (Fredric March)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator (Spencer Tracy)

Oscar de Melhor Fotografia (Ernest Laszlo)

Oscar de Melhor Edição

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Ator Estrangeiro (Fredric March, Spencer Tracy)

Festival Internacional de Berlim, Alemanha

Prêmio Urso de Ouro (Stanley Kramer)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Spencer Tracy)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Os moradores da cidade de Hillsboro, Tennessee, liderados pelo reverendo Jeremiah Brown, prendem o professor de biologia Bertram T. Cates por violar uma lei estadual que proíbe o ensino da teoria da evolução de Charles Darwin.

Logo, o caso torna-se nacionalmente famoso, ganhando o apelido nos jornais de "O Julgamento do Macaco". Os líderes da comunidade, entretanto, sentem-se inicialmente consternados porque muitos jornalistas do Norte passam a considerar as pessoas da cidade como reacionários de mente fechada, mas ao descobrirem que o mundialmente famoso político, Matthew Harrison Brady, ofereceu-se voluntariamente para assumir a promotoria, saúdam o julgamento como um trunfo tanto para o comércio de Hillsboro, como para a causa do fundamentalismo bíblico.

Na cadeia, a namorada de Bert, filha de Jeremiah, Rachel, exorta-o a pedir desculpas, mas ele diz que a liberdade da mente é tão importante quanto a do corpo. No momento em que Brady e sua esposa, Sarah, chegam à cidade, esta se acha invadida por vendedores, fanáticos religiosos e piqueteiros condenando Darwin. Depois que o prefeito proclama Brady um coronel honorário, o orador emociona a multidão ao prometer trazer as pessoas de volta à palavra do Senhor. O jornalista E. K. Hornbeck, do Baltimore Herald, um cínico de fala mansa, irrita a multidão ao anunciar que o jornal contratou o brilhante agnóstico Henry Drummond para defender Bert. Naquela noite, quando Rachel informa ao pai que ela não vai abandonar o namorado, o reverendo a acusa de traí-lo por vomitar sujeira atéia e, ignorando seus apelos para parar de ofendê-la, reza fervorosamente para a alma da mãe dela.

Pela manhã, Drummond chega sem alarde, cumprimentado apenas por vendedores de Bíblia, Hornbeck e alguns dos alunos de Bert. No hotel, ele, que já foi amigo próximo dos Bradys, cumprimenta o casal, especialmente Sarah, que o recebe calorosamente. No dia seguinte, o julgamento começa durante uma onda de calor recorde. Repórteres e curiosos lotam a sala do julgamento, onde o juiz e o júri são formados por devotos cristãos locais. Os dois advogados experientes se mostram iguais em vigor, inteligência e paixão. Drummond se recusa a aceitar um jurista e em seguida afirma sua crença em "Deus e Brady". Este protesta, e mais tarde Drummond objeta o uso do título de "coronel" a Brady, fazendo com que o tribunal às pressas pronuncie Drummond um "coronel temporário honorário." Drummond aponta outros elementos que possam prejudicar o júri, incluindo o anúncio de reuniões posteriores da Bíblia, o que leva Brady a acusá-lo de tentar sujar a mente dos jovens. Mais tarde, Rachel volta a pedir a Bert para cancelar o julgamento, mas apesar de seus receios crescentes, o apoio de Drummond convence-o a pressioná-la para que escolha entre ele e o pai.

Naquela noite, quando todos participam de uma reunião de orações, Jeremiah denuncia Bert e exorta a multidão a amaldiçoá-lo. Quando Rachel pede para que ele pare, o reverendo estende a maldição a ela, alarmando até mesmo Brady, que exorta todos à prática do perdão e passa a cuidar de uma Rachel desesperada. Ao retornar ao hotel, Brady se junta a Drummond e questiona como os velhos amigos ficaram tão distantes, afirmando que as pessoas pobres da região necessitam que seu sonho de um céu bonito se realize para animá-las. Em resposta, Drummond compara a visão de Brady sobre o Paraíso a um cavalo dourado que cobiçara em criança, apenas para descobrir que era ordinário, ou seja, tudo brilhava, mas sem nenhuma substância.

Na manhã seguinte, no tribunal, Brady interroga um estudante de Bert sobre suas aulas, incluindo o princípio humilhante de que o homem evoluiu do macaco. Em seguida, chama Rachel como testemunha a quem pede que revele o que lhe disse em confiança, na noite anterior, sobre a razão pela qual Bert saiu da igreja de seu pai. Ela, então, conta como alguns anos antes, quando o jovem Tommy Stebbins morreu afogado, Bert ficou horrorizado ao ouvir Jeremiah pregar que a alma do menino se contorcia no inferno por ele nunca ter se batizado. Inflamado, Brady pede à Rachel que divulgue as questões levantadas por Bert sobre religião e a existência de Deus, até que a jovem cai no choro e Sarah pede ao marido para parar. Apesar de Drummond conseguir compensar alguns dos danos causados pelo interrogatório de Rachel e esclarecer suas declarações, Bert, não desejando angustiá-la ainda mais, insiste para que ele se desculpe. Em seguida, Drummond inicia sua defesa, mas Brady permanece vigilante porque o foco não é a lei, que não se acha em julgamento, mas, Bert. O juiz considera irrelevantes todas as testemunhas de Drummond que pretendem testemunhar a verdade incontestável da evolução. Com um réu relutante e sem testemunhas, Drummond, furioso, pede permissão para sair e acusa a Corte de parcialidade, afirmando que não pode haver uma administração imparcial de uma lei maliciosa. O juiz o prende por desrespeito ao tribunal e fixa uma fiança de US$ 4.000, assumida por John Stebbins, pai de Tommy. Naquela noite, enquanto os habitantes da cidade queimam imagens e bonecos que representam Bert e Drummond, Hornbeck afirma para Drummond que o homem ainda é um macaco e o repreende por não ter sido mais firme. Na manhã seguinte, Drummond pede desculpas ao juiz e, para espanto dos presentes, chama Brady ao banco das testemunhas como um especialista em Bíblia.

Brady, confiante em sua fé e eloqüência, afirma que cada palavra da Bíblia é literalmente verdadeira. Por outro lado, Drummond, que pretende provar que Darwin não é incompatível com o Gênesis, questiona Brady sobre como várias passagens do livro poderiam ocorrer. Este lhe responde que Deus é capaz de criar, destruir ou suspender qualquer lei natural. Quando Drummond analisa o conceito de pecado original, o promotor local, Tom Davenport, tenta abreviar o interrogatório, mas Drummond insiste que tem o direito de argüir sua única testemunha. Questionando por que Deus teria dado ao homem o poder de raciocinar, se Ele nos quis negar a ciência, Drummond apresenta uma rocha que, segundo o Dr. Page do Colégio Oberlin, são os restos fósseis de uma criatura marinha pré-histórica de 10 milhões de anos. Brady afirma que o fóssil é real, mas que o mesmo deve ter seis mil anos de idade, de acordo com os cálculos baseados na Bíblia do Bispo Usher, que determinaram que o mundo foi criado no ano 4004 AC, às nove horas da manhã do dia 23 de outubro. Drummond, em seguida, ardilosamente insiste para que Brady esclareça a extensão exata do primeiro dia, que ocorreu antes que o sol fosse criado. Quando Brady admite que o dia poderia ter sido de 25 horas de duração, Drummond o força a admitir que poderia ter sido de 10 milhões de anos, marcando uma concessão crítica para a sua tese. Aturdido, Brady acusa Drummond de destruir a fé das pessoas na Bíblia. O advogado de defesa afirma que a Bíblia é um ótimo livro, mas não o único. Brady acentua que Deus falou para os escritores, e quando Drummond pergunta-lhe como ele sabe que o Criador não falou com Darwin, um veemente Brady responde-lhe que sabe porque Deus lhe disse. Enquanto a platéia fica em suspense, Drummond grita que Brady se considera um profeta, e este, abalado, deixa o local em silêncio.

Naquela noite, Rachel visita Sarah, planejando acusar Brady de crueldade, mas Sarah a convence de que ele carrega o fardo de todos os que o idolatram, exortando-a a acreditar em Bert tanto quanto Brady acredita em sua causa. No tribunal, na manhã seguinte, Rachel retorna para o lado de Bert, enquanto aguardam o veredicto. O júri, por unanimidade pronuncia Bert culpado, mas o juiz, alertado pelo prefeito que o preconceito nacional se volta contra eles, impõe a sentença de uma simples multa de 100 dólares.

Embora Brady pretenda abordar a questão com um discurso, na esperança de reconquistar a adoração da grande maioria dos presentes, o juiz proclama o caso encerrado, e a multidão deixa o local ruidosamente. Brady ainda tenta fazer seu discurso, mas sofre um ataque cardíaco e morre. Logo depois, Hornbeck faz planos para o obituário de Brady, usando as palavras que o orador invocara na reunião de orações. “Aquele que perturba sua própria casa herdará o vento". Quando Drummond cita a Bíblia e defende Brady como um grande homem, Hornbeck percebe que o agnóstico é um crente e o execra como um hipócrita. Drummond responde que o cinismo do jornalista o deixou sem qualquer tipo de sentimento ou significado.

Depoisque Hornbeck vai embora, Drummond embala seus pertences e se despede Hillsboro, segurando o livro de Charles Darwin e sua Bíblia, lado a lado.

imagem imagem imagem

Comentários

Inspirado no “Processo do Macaco de Scopes”, um caso real ocorrido no Estado do Tennessee em 1925, “O Vento Será Tua Herança” é mais um excelente filme do grande cineasta nova-iorquino, Stanley Kramer. Como no caso de Scopes, sua trama gira em torno do julgamento de um professor preso por ensinar a teoria da Evolução, de Charles Darwin, em uma escola pública.

Kramer realiza um magnífico trabalho de direção, no que é ajudado pela excelente fotografia em preto & branco do húngaro Ernest Laszlo e, principalmente, pelas presenças de Spencer Tracy e Fredric March, que nos brindam com atuações maravilhosas. No elenco, merece ainda ser mencionada a presença de Gene Kelly, com provavelmente sua melhor atuação em um filme não musical.

Por outro lado, a representação do cristianismo é bastante estereotipada. Eu a respeito por se tratar da reprodução de um caso verídico. Caso contrário, eu diria que a premissa central do filme era altamente questionável, uma verdadeira peça de propaganda anticristã.

CAA