Filmes por gênero

ALMAS EM LEILÃO (1959)

Room at the top
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Um lugar na alta roda (Portugal)
Les chemins de la haute ville (França)
La strada dei quartieri alti (Itália)
Un lugar en la cumbre (Espanha)
Almas en subasta (México)
Der weg nach oben (Austria, Alemanha)
Plats på toppen (Suécia)
En plads på toppen (Dinamarca)
Путь наверх (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Melodrama
Direção: Jack Clayton
Roteiro: Neil Paterson
Produção: John Woolf, James Woolf
Música Original: Mario Nascimbene
Direção Musical: Lambert Williamson
Fotografia: Freddie Francis
Edição: Ralph Kemplen
Direção de Arte: Ralph W. Brinton
Guarda-Roupa: Rahvis
Maquiagem: Tony Sforzini
Efeitos Sonoros: Peter Handford, John Cox, Ken Ritchie
Efeitos Visuais: Bob Cuff
Nota: 8.7
Filme Assistido em: 1961

Elenco

Simone Signoret Alice Aisgill
Laurence Harvey Joe Lampton
Heather Sears Susan Brown
Donald Wolfit Sr. Brown
Donald Houston Charles Soames
Hermione Baddeley Sra. Elspeth
Allan Cuthbertson George Aisgill
Raymond Huntley Sr. Hoylake
John Westbrook Jack Wales
Ambrosine Phillpotts Sra. Brown
Richard Pasco Teddy
Beatrice Varley A tia
Delena Kidd Eva
Ian Hendry Cyril
April Olrich Mavis
Mary Peach June Samson
Anthony Newlands Anthony Newlands
Avril Elgar Srta. Gilchrist
Thelma Ruby Srta. Breith
Michael Atkinson Grant
Wendy Craig Joan
Basil Dignam Padre
John Welsh Prefeito
Jane Eccles Sra. Thompson
Gilda Emmanuelli Ethel
Miriam Karlin Gertrude
Anne Leon Janet
Denis Linford Harry
Sheila Raynor Vera
Katharine Page Mary

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Simone Signoret)

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (Neil Paterson)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Filme Britânico

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Simone Signoret)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio de Melhor Atriz (Simone Signoret)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio Samuel Goldwyn

Prêmios Jussi, Finlândia

Jussi de Melhor Atriz Estrangeira (Simone Signoret)

National Board of Review, USA

Prêmio NBR de Melhor Atriz (Simone Signoret)

Prêmio NBR dos 10 Melhores Filmes

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Hermione Baddeley)

Oscar de Melhor Ator (Laurence Harvey)

Oscar de Melhor Direção (Jack Clayton)

Oscar de Melhor Filme (James Woolf, John Woolf)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Ator Britânico (Laurence Harvey)

Prêmio de Melhor Ator Britânico (Donald Wolfit)

Prêmio de Melhor Atriz Britânica (Hermione Baddeley)

Prêmio de Melhor Revelação Feminina (Mary Peach)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Jack Clayton)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Simone Signoret)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz em um Drama (Simone Signoret)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Direção (Jack Clayton)

Prêmio de Melhor Atriz (Simone Signoret)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na Inglaterra, Joe Lampton consegue um novo emprego numa fábrica. Lá, faz amizade com Charles Soames, que o convida para, à noite, irem juntos a um teatro amador. No palco, acham-se Susan Brown, filha do dono da fábrica, e Alice Aisgill, uma bela mulher de 35 anos, casada e infeliz com o marido. Terminado o espetáculo, Charles o apresenta às duas atrizes. Investir na primeira tem para ele a vantagem de garantir economicamente o seu futuro, mas no fundo ele se sente fortemente atraído é por Alice, apesar de ela ser uma mulher comprometida. Para estar próximo das duas, ele resolve entrar para o teatro amador.

Ele volta a se encontrar com Susan numa biblioteca, onde a convida para um almoço, mas a jovem lhe responde que não vai poder aceitar o convite por já ter assumido um compromisso com a mãe. Os dois marcam, então, um novo encontro às 19 horas num luxuoso restaurante. Assim, na hora marcada, eles voltam a se encontrar conforme combinado, ocasião em que a jovem dá sinais de que está interessada nele. Entretanto, são interrompidos com a chegada de Jack Wales, um dos membros do teatro que mantém uma relação muito próxima dela, sendo inclusive muito bem recebido por sua família. Sua presença irrita Joe, que se retira abruptamente.

No trabalho, ao saber de sua aproximação com a filha, o Sr. Brown o chama a seu gabinete para dizer-lhe que ele deve procurar uma boa moça de seu nível social, o que o deixa ainda mais irritado.

Na noite seguinte, ao saírem do teatro, ele acompanha Alice até a casa dela, ocasião em que os dois se beijam pela primeira vez. Dois dias depois, ela já o leva para casa e eles passam a noite juntos. A partir desse dia, os dois passam se encontrar com uma maior frequência, o que faz com que Alice fique louca por ele e passe a pensar em pedir seu divórcio. Tudo isso acontece num período em que Susan, pressionada pelo pai, foi obrigada a passar uma temporada no sul da França.

Entretanto, ao participar de um famoso baile da cidade, Joe a encontra sentada numa mesa ao lado dos pais, de alguns amigos destes e do inseparável Jack Wales. A certa altura da noite, os mais velhos se retiram do baile, ficando apenas Susan, Jack e Joe. Ao se levantar com Jack para ir até a pista de dança, ela diz a Joe que na próxima música ele será seu par.

Como prometido, Susan e Joe dançam em seguida e, da pista de dança saem discretamente até os jardins do Clube, onde ela se declara perdidamente apaixonada por ele, chegando ao ponto de dizer que por ele é capaz de fazer qualquer coisa. Depois de trocarem vários beijos, Susan o questiona sobre o amor que ele sente por ela, ocasião em que Joe afirma que também a ama muito, mas que, infelizmente, os pais dela fazem de tudo para afastá-los. Os dois terminam passando a noite juntos.

No dia seguinte, entretanto, Joe procura Alice, a quem informa que vai dispor de alguns dias de folga e que gostaria de passá-los ao seu lado, longe de tudo e de todos. Ela, obviamente, concorda com a ideia e eles viajam para uma casinha próxima do litoral onde vivem novos momentos de amor. Na hora de voltarem para o trabalho, ela
o presenteia com uma linda cigarreira de metal, alegando que o faz para que ele não se esqueça dos momentos felizes que viveram juntos.

Ao chegar ao Escritório, Joe recebe a visita de George Aisgill, marido de Alice, que veio ameaçá-lo pelo fato da esposa ter-lhe pedido o divórcio. Os dois discutem e George termina saindo depois de reafirmar suas ameaças. Antes, no entanto, ao reconhecer a cigarreira que Joe deixara sobre sua mesa de trabalho, ele a pega e a leva consigo.

Pouco tempo depois, Joe recebe um telefonema do Sr. Brown, pai de Susan, dizendo-lhe que quer falar com ele durante o almoço às 13 horas no Restaurante do Clube. Ao chegar ao local combinado, Joe recebe uma reprimenda do Sr. Brown por não ter sido pontual. Em seguida, o empresário lhe comunica que está disposto a torná-lo um homem rico, desde que ele aceite a condição de nunca mais procurar sua filha. Como Joe não se dispõe nem a analisar a proposta por ele oferecida, o Sr. Brown avisa-lhe que a não aceitação de sua proposta vai implicar no fim de sua carreira na Empresa da qual ele dono, ou fora dela. Irritado, Joe diz ao empresário que ele está querendo comprá-lo, mas que não se acha à venda e, num rompante, levanta-se da mesa para ir embora. Diante de tal atitude, o Sr. Brown muda de estratégia e pede a Joe para que ele volte a se sentar à mesa. Atendido em seu pedido, o empresário o informa que precisa de alguém para reorganizar seu Escritório, já que essa área dos negócios necessita ser mais eficiente. Continuando, diz que, embora não fosse esse o plano que tinha para o casamento de Susan, está disposto a conceder-lhe a mão de sua filha desde que ele rompa, imediatamente, com todos os laços que o unem à Sra. Alice Aisgill.

Satisfeito, Joe vai até a mansão dos Brown para falar com Susan, que o recebe de braços abertos. Ela, entretanto, pergunta-lhe o que há de verdade sobre ele e Alice. Inicialmente, ele perde as estribeiras ao ser grosseiro com a jovem, mas logo depois lhe diz que esse é um assunto com o qual ela não deve se preocupar.

No mesmo dia, à noite, Joe vai à casa de Alice para dar um fim ao relacionamento que ainda mantém com ela. Ao chegar lá, é recebido com um presente que ela havia providenciado para ele: um belo pulôver. Entretanto, pretendendo ficar ali durante o menor espaço tempo possível, ele vai direto ao assunto ao dizer-lhe: “Alice, estou aqui para comunicar-lhe que vou me casar com Susan e que, por consequência, nossa relação termina neste momento”. Perplexa com o que ouvira, Alice tenta discutir a relação deles, por acreditar que ele ainda a ama, mas Joe é categórico: “Posso até amá-la, mas o que estou lhe dizendo é que vou me casar com Susan”. Em seguida, bate a porta e vai embora. Desesperada, Alice vai até um Bar onde começa a beber sem controle.

Na manhã seguinte, ao chegar ao Escritório, Joe recebe os parabéns de vários colegas por sua ascensão na Empresa. Enquanto Charles e outros amigos providenciam um champanhe para comemorarem o evento, uma das secretárias comenta que acaba de ouvir a notícia de que, embriagada, Alice acabou de sofrer um acidente mortal. Sentindo-se culpado, Joe deixa o Escritório e segue até a casa dela. Ao vê-lo, uma das amigas de Alice o põe para fora. Atordoado, ele vai até um Bar onde começa a beber em companhia de uma mulher desconhecida. Pouco depois, um homem que se diz namorado da tal mulher, chega à mesa para buscá-la, mas contando com o apoio de Joe, ela se recusa a acompanhá-lo.

Horas depois, entretanto, ao deixar o local, Joe se depara com o homem que se dizia namorado da mulher que se achava em sua mesa, no Bar, desta vez acompanhado de três capangas. Os quatro batem nele até deixá-lo inconsciente no chão. Na manhã seguinte, ele é finalmente encontrado, caído no mesmo lugar, por Charles e June Samson. Os dois amigos e colegas o levam, preocupados com o tempo de que dispõem, pois o casamento de Joe e Susan está marcado para poucas horas depois.

Por sorte, tudo sai como havia sido programado e, na hora estabelecida, os dois jovens se casam e, em seguida, o casal toma o carro que os levará para a lua de mel, ocasião em que Susan observa que seu marido acha-se com seus olhos marejados de lágrimas.

imagem

Comentários

Baseado no romance homônimo de John Braine, “Almas em Leilão” é um ótimo filme britânico do final dos anos 50, o qual marca o início da carreira de Jack Clayton como diretor de longa-metragens. Anteriormente, ele havia tido apenas uma experiência nessa área, ao dirigir o curta-metragem “The Bespoke Overcoat”, três anos antes.

O roteiro assinado por Neil Paterson, por ser muito bem escrito, inteligente e ágil, sem dúvida alguma facilitou e muito o trabalho realizado por Clayton. Por conseguinte, fica evidente que não foi à toa que o mesmo tenha sido agraciado com o Oscar da Academia de Hollywood.

Como acabo de colocar, a direção de Jack Clayton foi facilitada pelo excelente roteiro de Paterson. Entretanto, devo ressaltar que tal fato não diminui em nada o belo trabalho apresentado pelo diretor, o qual lhe rendeu dois prêmios de Melhor Filme da Academia Britânica, além das indicações para os Oscars de Melhor Direção e de Melhor Filme, para a Palma de Ouro do Festival de Cannes e para o Prêmio de Melhor Filme da Associação dos Críticos de Cinema de Nova York.

No elenco, o grande nome a ser destacado é o da atriz francesa Simone Signoret, no papel de Alice Aisgill, o qual lhe rendeu quatro prêmios de Melhor Atriz da Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, da Academia Britânica de Cinema e Televisão, do Festival Internacional de Cannes, e dos Prêmios Jussi da Finlândia, além de ter sido ainda indicada ao Prêmio Globo de Ouro de Melhor Atriz, e de Melhor Atriz de duas outras Instituições. Por outro lado, no papel principal masculino, com uma atuação bastante marcante, Laurence Harvey foi indicado ao Oscar de Melhor Ator e ao Prêmio de Melhor Ator Britânico oferecido pelo BAFTA. A atriz britânica, nascida na África do Sul, Mary Peach, que estreou no cinema neste filme, aos 25 anos, foi indicada ao Prêmio BAFTA de Melhor Revelação Feminina, fato que não tenho nada a comentar. Entretanto, a indicação da atriz Hermione Baddeley ao Prêmio de Melhor Atriz Britânica não faz o menor sentido para mim. Ao longo de todo o filme, se não me engano, ela apareceu apenas em duas ocasiões, cujos tempos na tela, somados, não chegam a 5 minutos de exposição. Finalmente, vale a pena mencionar o ótimo trabalho apresentado pelo ator Donald Wolfit no papel do Sr. Brown, pai da jovem Susan.

CAA