Filmes por gênero

ALÉM DOS LIMITES (2008)

Borderline
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Borderline - Kikis story (Alemanha)
Pais: Canadá
Gênero: Drama
Direção: Lyne Charlebois
Roteiro: Lyne Charlebois
Produção: Luc Vandal, Roger Frappier
Design Produção: Frédéric Page
Música Original: Benoît Jutras
Fotografia: Steve Asselin
Edição: Yvann Thibaudeau
Figurino: Marianne Carter
Maquiagem: Marie-Angèle Protat, Eric Thivierge
Efeitos Sonoros: Gilles Corbeil, Jocelyn Caron, Marcel Pothier e outros
Nota: 7.5
Filme Assistido em: 2009

Elenco

Isabelle Blais Kiki La Brèche
Jean-Hugues Anglade Tcheky Richard
Angèle Coutu Mémé, avó de Kiki
Sylvie Drapeau Mãe de Kiki
Laurence Carbonneau Kiki aos 12 anos
Pierre-Luc Brillant Mikael Robin
Marie-Chantal Perron Caroline
Antoine Bertrand Éric
Hubert Proulx Antoine
Valérie Blais Isabelle
Hortense Bamas Céline estudante
Marc Beaupré Steve, pai de Kiki
Sebastien Beaulac Amante
Renée Cossette Prof. Thérèse
Marie Charlebois Aline
William Monette Émile, filho de Éric

Prêmios

Festival Internacional de Toronto, Canadá

Prêmio de 1º Filme Canadense do Diretor (Lyne Charlebois)

Prêmios Génie - Academia Canadense

Génie de Melhor Roteiro Adaptado

Sinopse

Kiki Labrèche é uma bela mulher de vinte e nove anos que se acha decidida a escrever um livro sobre sua vida. Seu amor pela literatura se iniciou quando ela tinha apenas dez anos. Com sua mãe internada em um asilo para loucos, desde que surgiram os primeiros sinais de sua adolescência, Kiki basicamente cresceu tendo sua avó Mémé como sua única referência.

Sua infância/adolescência traumática, fez com que ela desenvolvesse o Transtorno de Personalidade Borderline, o qual a levou ao seu envolvimento com homens, sexo e álcool. Segundo seu terapeuta, ela não tem limites.

Certo dia, Kiki procura Tcheky Richard, seu professor de literatura e orientador, para dizer-lhe que tem sentido um bloqueio que a impede de continuar a escrever seu livro. Para sua surpresa, ele lhe diz que leu seu 1º capítulo e que o mesmo se acha ótimo. Casado, Tcheky lhe diz que se acha sem um tempinho para ela, já que os dois têm relações sexuais com certa freqüência. Com relação ao livro, ele lhe pede para não ser envolvido na história, ao que ela alega que terá que falar nele e que talvez precise mudar de orientador. Quando Kiki levanta a hipótese de que seu bloqueio pode estar ligado ao fato dos dois viverem a transar, ele concorda que os dois devem dar um tempo. Em seguida, ela fecha a porta do escritório de Tcheky e faz sexo oral.

Na rua, Kiki é apresentada pela amiga Caroline a Mikael Robin, um homem de 28 anos que trabalha numa conhecida confeitaria. Em seguida, vai ao asilo para visitar a mãe, que não lhe dirige uma única palavra. Finalmente, depois de ver a avó, ela volta para a casa onde vive com a amiga Isabelle. Lá, ao verificar que a amiga se encontra com o namorado, Philippe, ela resolve passar uns dias com a avó.

No dia em que completa trinta anos, Kiki vai a uma casa noturna para se encontrar com Tcheky. Enquanto o aguarda, ela bebe sem parar e termina passando por um vexame. Antoine, um amigo, tenta ajudá-la, mas não tem êxito. Como Tcheky não aparece, Kiki tenta fazer um programa com Antoine, mas este a rejeita ao alegar que já foi traído por ela com um pintor medíocre, um fotógrafo de merda e a vizinha. Quando Antoine se afasta, ela tira a roupa e vai para o centro da pista de dança. Lá, cerca de dez pessoas a levantam, fazendo com que ela se sinta acariciada como se alguém estivesse finalmente cuidando dela.

Ao voltar para casa, Kiki recebe a visita de Tcheky, que lhe dá um presente pelo seu aniversário e, alegando ser 23 anos mais velho, sugere que ela procure alguém mais novo que lhe possa fazer feliz como ela merece.

Quando sua avó lhe diz que gostaria de visitar a filha, já que não a vê há anos, Kiki a leva até o asilo onde a mãe vive. O encontro das duas é emocionante. Numa outra oportunidade, quando volta ao asilo, ela comenta com a mãe sobre quanto sofreu em criança pela forma como foi por ela tratada, mas afirma que não guarda qualquer rancor a respeito.

Ao terminar seu livro, Kiki leva todos os capítulos escritos para apreciação de Tcheky. Na casa deste, ela aproveita uma oportunidade para trancar a porta da sala onde se encontram, baixa sua roupa e o coito anal que se segue só é interrompido quando ela lhe pergunta se ele estaria disposto a largar a esposa para viver com ela. Dizendo-lhe que jamais deixaria sua esposa, ele basicamente a expulsa de casa, mais preocupado com a chegada da mulher a qualquer instante.

Ao deixar a casa de Tcheky, Kiki vai a um bar onde se encontra com Mikael. Pouco depois, ela sugere que os dois continuem a conversa na casa dele. Uma vez lá e, ao contrário de todas as suas experiências anteriores, ela é tratada com muito carinho. Ao acordar na manhã seguinte, enquanto ele lhe prepara um maravilhoso café-da-manhã, ela lhe diz que se acha com pressa e sai basicamente sem se despedir, para tristeza dele. Ela procura Tcheky, a quem diz que ficou um longo tempo a esperá-lo no bar, mas que ele não foi ao encontro, conforme combinado, nem a avisou de alguma forma. Continuando, diz que passou a noite com um lindo e romântico rapaz que, ao acordar, lhe preparou um excelente café-da-manhã com ovos e pão caseiro de passas e frutas, gentileza que nunca recebeu dele.

Ao voltar para casa, ela encontra a avó passando mal. Esta se nega a ser levada a um médico, preferindo morrer nos braços da neta. Kiki procura a mãe para contar-lhe o ocorrido, ficando chocada quando esta não esboça qualquer tipo de reação. Sem dizer-lhe uma única palavra, sua mãe lhe entrega um desenho que ela fizera, quando criança, e se retira da sala onde se encontravam.

De volta à sua casa, Kiki é procurada por Tcheky, o qual lhe diz que leu todos os capítulos por ela escritos e que os mesmos estão magníficos. Diz ainda que já procurou um editor amigo para falar sobre o projeto do livro. Ela lhe responde que aceita sua ajuda desde que os dois tenham uma última relação sexual de adeus. Antes, entretanto, ela pinta o rosto dele como se fosse um palhaço e comenta que foi assim que ela sempre se sentiu ao longo do relacionamento deles.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado no romance “Borderline” da escritora Marie-Sissi Labrèche, “Além dos Limites” é um ótimo filme. Trata-se de um drama psico-erótico, escrito e dirigido pela cineasta canadense Lyne Charlebois, cuja trama gira em torno de uma jovem mulher de trinta anos portadora do Transtorno de Personalidade Borderline que a leva a uma compulsão por homens, sexo e álcool.

Charlebois realiza um excelente trabalho, tanto como roteirista como diretora. A fotografia de Steve Asselin é outro ponto que merece ser mencionado.

No elenco, o grande nome a ser destacado é o da atriz quebequense, Isabelle Blais. O veterano ator francês, Jean-Hugues Anglade, também nos brinda com uma ótima atuação.

CAA