Filmes por gênero

A CRUZ DOS ANOS (1937)

Make Way for Tomorrow
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Au crépuscule de la vie (France)
Cupo tramonto (Itália)
Dejad paso al mañana (Espanha)
Kein Platz für Eltern (Alemanha)
To mennesker (Dinamarca)
Tee valla homsele (Estônia)
Adj esélyt a holnapnak (Hungria)
Уступи место завтрашнему дню (Rússia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Romance
Direção: Leo McCarey
Roteiro: Viña Delmar
Produção: Leo McCarey, Adolph Zukor
Música Original: Victor Young, George Antheil
Direção Musical: Boris Morros
Fotografia: William C. Mellor
Edição: LeRoy Stone
Direção de Arte: Hans Dreier, Bernard Herzbrun
Maquiagem: Wally Westmore
Efeitos Sonoros: Don Johnson, Walter Oberst
Efeitos Visuais: Gordon Jennings
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1984

Elenco

Victor Moore Barkley Cooper
Beulah Bondi Lucy Cooper
Fay Bainter Anita Cooper
Thomas Mitchell George Cooper
Porter Hall Harvey Chase
Barbara Read Rhoda Cooper
Maurice Moscovitch Max Rubens
Elisabeth Risdon Cora Payne
Minna Gombell Nellie Chase
Ray Mayer Robert Cooper
Ralph Remley Bill Payne
Louise Beavers Mamie
Louis Jean Heydt Médico
Gene Morgan Carlton Gorman
Granville Bates Sr. Hunter
Ferike Boros Sra. Sarah Rubens
Avril Cameron Sra. McKenzie
Byron Foulger Sr. Dale
Paul Stanton Sr. Horton, gerente do Hotel
Helen Dickson Jogadora de Bridge
Mitchell Ingraham Jogador de Bridge
Bernard Suss Jogador de Bridge
Gloria Williams Jogadora de Bridge
Lelah Tyler Jogadora de Bridge

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

George, Cora, Nellie e Robert, quatro dos cinco filhos do casal septuagenário Barkley e Lucy Cooper, reúnem-se com os pais, oportunidade em que tomam conhecimento que estes perderam a casa em que viviam para um banqueiro da cidade. Como o prazo para entrega do imóvel estará vencendo dentro de três a quatro dias, o problema da família é o de encontrar uma solução para tal situação.

Afastada a possibilidade de ser alugada uma casa para os pais, cada filho passa a colocar dificuldades em recebê-los em sua própria casa. Entretanto, depois de muita discussão, é acordado entre eles que o pai ficará por algum tempo na casa de Cora, que dispõe de uma cama extra, enquanto a mãe irá morar com George.

George vive com sua esposa, Anita, e com a filha de 17 anos, Rhoda, esta em vias de ir para a universidade. Anita, que é professora de bridge, enche sua casa à noite com seus alunos, enquanto Rhoda sai com freqüência para se encontrar com seus amigos. Lucy, muito lúcida e bem-intencionada, procura ajudá-las, mas involuntariamente termina gerando incompreensões e aborrecimentos. Certa vez, por exemplo, por sugestão de Anita, Lucy acompanha a neta ao cinema. Uma vez lá, Rhoda a acomoda em uma poltrona e, em seguida desaparece, voltando a se encontrarem depois de encerrada a sessão, quando a neta chega ao local em um carro dirigido por um jovem. Notando que foi flagrada, ela promete à avó que não voltará a fazer o que fez e lhe pede para que não conte nada à sua mãe. Lucy concorda em ficar calada, mas dias depois, quando o problema volta à tona, Anita e Lucy se desentendem.

A 480 quilômetros de distância, a presença de Barkley tem angustiado sua filha mesquinha, Cora. Quando ele adoece com uma forte gripe, mais mal humorada ela fica. Max Rubens, um amigo de Barkley, bate à porta para fazer-lhe uma visita, sendo extremamente mal recebido por ela. Casado com uma exímia cozinheira, Max traz para o amigo adoentado um prato de canja de galinha, chamado por Cora de “essa porcaria”. Por outro lado, numa das visitas do médico que se acha cuidando do pai, ela o induz a sugerir que Barkley deve passar uma temporada numa cidade em que o inverno não seja tão rigoroso, levando os irmãos a decidirem enviá-lo para a casa de Addie, na Califórnia.

Como lá não tem condições de receber o casal, Anita convence George a verificar a possibilidade de colocar a mãe num lar para idosos. Entretanto, antes de ser comunicada sobre o assunto, Lucy descobre casualmente uma correspondência enviada pelo Asilo Idyworth para George, deduzindo tratar-se de algum plano para ela, o que a leva a se adiantar em relação ao assunto. Assim, ela chama o filho, a quem diz que não se sente feliz na casa dele, já que todos passam o dia fora, deixando-a sozinha, e que está pensando seriamente em ir morar no Asilo Idyworth, onde conhecerá gente de sua idade. A única condição que exige é que jamais seu marido deverá tomar conhecimento dessa sua decisão.

Ao chegar o dia da viagem de Barkley para a Califórnia, este chega à Nova York com tempo suficiente para passar cinco horas em companhia de sua querida mulher. O casal decide, então, revisitar todos os pontos em que estiveram durante sua lua-de-mel, cinqüenta anos atrás. No hotel em que passaram a noite de núpcias, último ponto por eles visitado, os dois são muito bem recebidos pelo gerente. Depois de uns drinques e de dançarem uma bela valsa, eles seguem para a Estação Ferroviária, onde finalmente se despedem.

Reunidos longe dali, George, Cora, Nellie e Robert reconhecem terem sido filhos extremamente ingratos.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado no livro de Josephine Lawrence, "The Years Are So Long", e na peça de Helen e Nolan Leary, “A Cruz dos Anos” é um excelente drama do cinema norte-americano do final dos anos 30. Realizado pelo cineasta Leo McCarey, na época mais conhecido por suas brilhantes comédias, como “Diabo a Quatro”, por exemplo, sua trama gira em torna de um casal de idosos que, de uma hora para outra se vê sem sua casa e nas mãos de seus filhos crescidos e casados.

Belo e comovente, o filme apresenta diversas seqüências brilhantes, culminando com um final digno de um mestre.
Um dos pontos fortes do filme é o seu roteiro, escrito por Viña Delmar. Destacam-se, ainda, além da segura direção de McCarey, o excelente trabalho de maquiagem proporcionado por Wally Westmore. Beulah Bondi, por exemplo, na época com 49, interpreta uma senhora com cerca de 75 anos de idade. É ela, indiscutivelmente, o maior nome do elenco, com uma atuação impecável, seguida por Victor Moore, no papel de Barkley Cooper.

Enfim, “A Cruz dos Anos” é mais um filme imperdível da época de ouro de Hollywood.

CAA