Filmes por gênero

MARNIE - CONFISSÕES DE UMA LADRA (1964)

Marnie
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Pas de printemps pour Marnie (França, Canadá)
Alfred Hitchcock's Marnie (Reino Unido)
Marnie, la ladrona (Espanha)
Marnie på farlig stig (Finlândia)
Марни (Rússia, Bulgária)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Suspense
Direção: Alfred Hitchcock
Roteiro: Jay Presson Allen
Produção: Alfred Hitchcock
Design Produção: Robert Boyle
Música Original: Bernard Herrmann
Fotografia: Robert Burks
Edição: George Tomasini
Guarda-Roupa: Vincent Dee, Edith Head
Maquiagem: Robert Dawn, Howard Smit, Jack Barron
Efeitos Sonoros: William Russell, Waldon Watson
Efeitos Visuais: Albert Whitlock
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1965

Elenco

Tippi Hedren Marnie Edgar / Marion Holland / Mary Taylor
Sean Connery Mark Rutland
Martin Gabel Sidney Strutt
Diane Baker Lil Mainwaring
Louise Latham Bernice Edgar
Alan Napier Sr. Rutland
Bob Sweeney Primo Bob
Henry Beckman Detetive
Edith Evanson Rita, faxineira da Rutland & Co.
Mariette Hartley Susan Clabon
Bruce Dern Marinheiro
S. John Launer Sam Ward
Meg Wyllie Sra. Turpin
Kimberly Beck Jessica Cotton
Lillian Bronson Sra. Maitland
Linden Chiles Funcionária do Escritório
Rupert Crosse Funcionário do Escritório
Louise Lorimer Sra. Strutt
Carmen Phillips Secretária de Sidney Strutt
Melody Thomas Scott Marnie, quando criança
Alfred Hitchcock Hóspede do hotel
Harold Gould Sr. Garrett
John Hart Dr. Gilliat

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Marnie Edgar é uma ladra e mentirosa compulsiva que, após trabalhar por alguns meses para a empresa Strutt & Co., com o nome falso de Marion Holland, rouba cerca de US$ 10 mil do cofre da tesouraria e, em seguida, foge da cidade para Baltimore, onde chega com um presente caríssimo para sua mãe.  Antes, ela já havia praticado golpes semelhantes em outras empresas, sempre em cidades diferentes e utilizando-se de falsas identidades.

De lá, viaja até Filadélfia onde, através do caderno de anúncios dos jornais, bate à porta da Rutland & Co.  Após ser entrevistada, é admitida com o nome de Mary Taylor, mesmo sem apresentar as recomendações usuais.

Em pouco tempo, começa a sair com o dono da empresa, Mark Rutland.  Apaixonado, Mark a leva para corridas de cavalos e para a mansão da família, a fim de apresentá-la ao pai.  Lá, ela conhece Lil Mainwaring, irmã da primeira mulher de Mark, que vive na mansão.

No escritório da empresa, sempre atenta e astuta, consegue o segredo do cofre, mantido numa gaveta da mesa de Susan Clabon, uma funcionária de confiança e, após o expediente, termina por abri-lo e roubar uma boa quantia.  Mark, que estava de olho nela, a pega quando ela se preparava para fugir da cidade.  Mesmo pressionada, ela só lhe responde com mentiras quando é perguntada sobre seu verdadeiro nome, suas origens, locais onde trabalhara antes, etc.  Ao final, ele lhe diz que sabe que seu sobrenome é Edgar, que seu último emprego foi junto à Strutt & Co., que ele já a conhecia de lá, pois o Sr. Strutt é há muitos anos o contador da Rutland & Co., que ela largou o emprego após praticar um golpe de milhares de dólares, que a contratou porque estava curioso a seu respeito e achou interessante mantê-la em vista e, finalmente, que as coisas começaram a sair de seu controle quando se apaixonou por ela.

Encurralada, ela confessa que se chama Marnie Edgar e lhe pede que a deixe ir embora.  Ele lhe responde que ela se acha doente e que precisa ser cuidada por alguém.  Continuando, diz que, no dia seguinte, ela vai voltar para o Escritório e colocar a chave de volta na bolsa de Susan.  Pouco tempo depois, ele lhe informa que os dois vão se casar.  Ela reage indignada, mas ele a pressiona ao dizer que ela vai ter que escolher entre ficar com ele e a polícia.

Uma vez casados, os dois partem para um cruzeiro pelo Pacífico, mas ela não permite ser tocada por ele.  Ao voltarem à Filadélfia, o problema continua.  Mark procura uma forma de ajudá-la pois, além dos problemas conjugais, freqüentemente ela sofre de pesadelos, bem como, fica transtornada diante de trovoadas e da cor vermelha.

Ao tomar conhecimento que, ao contrário do que ela lhe dissera, sua mãe ainda é viva e mora em Baltimore, Mark põe um investigador para descobrir seu nome e endereço, além de informações sobre seu passado, pois acredita que todos os distúrbios de Marnie acham-se ligados à sua infância e que sua mãe é fundamental para que ela seja dos mesmos curada.

Ao receber todas as informações de que precisa, ele a põe em seu carro e, juntos, partem para Baltimore, onde chegam debaixo de chuva.  Uma forte trovoada se inicia e, como sempre, Marnie fica completamente transtornada.  Aproveitando-se da situação e, principalmente, dos dados que conseguiu reunir sobre a Sra. Bernice Edgar, Mark a pressiona até conseguir fazer com que ela fale sobre o terrível episódio que desencadeou todos os medos e demais distúrbios de que sua mulher sofre.

imagem

Comentários

Baseado no livro homônimo de Winston Graham, "Marnie - Confissões de uma Ladra" é mais um fascinante filme de Alfred Hitchcock.  Partindo de um roteiro bem elaborado que mistura roubo, mentiras, mistério, crime, disfunção sexual e outros distúrbios de origem psicológica, o mestre do suspense constrói, com a habilidade de sempre, a história de uma ladra compulsiva que se dedicou a abrir cofres das empresas para as quais trabalhava.

Além do magnífico trabalho de Hitchcock, "Marnie - Confissões de uma Ladra" apresenta ainda um roteiro consistentemente bom, a deliciosa trilha sonora, assinada por Bernard Herrmann, e ótimas atuações de seu elenco.

Tippi Hedren, no papel da cleptomaníaca Marnie, está perfeita.  É interessante verificar que sua personagem não é vista como a vilã do filme, a mulher que rouba milhares de dólares, e sim como uma pessoa que precisa ajuda por ser fruto de um trauma sofrido na infância.  Nesse seu 2º filme, ela repete a brilhante atuação que já havia mostrado no ano anterior, quando estreou no cinema em outro filme do mestre Hitchcock, "Os Pássaros".  Sean Connery está ótimo como Mark Rutland, o homem que toma para si a responsabilidade de libertar Marnie de seu passado sofrido.  Merecem ainda ser destacadas as atuações de Louise Latham, no papel da mãe de Marnie, de Alan Napier, no papel do pai de Mark, e de Diane Baker, como sua cunhada.

CAA