Filmes por gênero

INDISCRETA (1958)

Indiscreet
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Indiscreto (Portugal, Itália)
Indiscret (França)
Indiskret (Alemanha, Suécia, Noruega, Dinamarca))
Klamstewko (Polônia)
Indiszkrét (Hungria)
Hätävalhe (Finlândia)
Милый сэр (União Soviética)
Pais: Reino Unido, Estados Unidos
Gênero: Comédia Romântica
Direção: Stanley Donen
Roteiro: Norman Krasna
Produção: Stanley Donen
Música Original: Richard Rodney Bennett, Ken Jones
Fotografia: Freddie Young
Edição: Jack Harris
Direção de Arte: Donald M. Ashton
Maquiagem: John O'Gorman
Efeitos Sonoros: Richard Bird, Len Shilton, Winston Ryder
Nota: 8.6
Filme Assistido em: 1959

Elenco

Ingrid Bergman Anna Kalman
Cary Grant Philip Adams
Cecil Parker Alfred Munson
Phyllis Calvert Sra. Margaret Munson
David Kossoff Carl Banks
Megs Jenkins Doris Banks
Michael Anthony Oscar
Martin Boddey Albert
David Coote Charles
Eric Francis Ascensorista
Frank Hawkins William
Oliver Johnston Sr. Finleigh
Richard Vernon Guia
Diane Clare Jovem
Robert Desmond Jovem
Middleton Woods Auxiliar do Sr. Finleigh

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Filme Britânico

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Ator em um Musical ou Comédia (Cary Grant)

Prêmio de Melhor Atriz em um Musical ou Comédia (Ingrid Bergman)

Prêmio de Melhor Filme - Comédia

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de uma Comédia Americana (Norman Krasna )

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Entediada com suas companheiras, a popular estrela de teatro Anna Kalman retorna da Europa para seu elegante apartamento em Londres, surpreendendo sua governanta e seu motorista, Doris e Carl Banks. Anna, que é solteira e se aproxima da meia-idade, confessa à sua irmã, Margaret Munson, que seu recente amante, não conseguiria manter uma conversa, mas Margaret a aconselha a não esperar muito de um homem e a consola dizendo que "alguém vai aparecer." Na ocasião, Margaret convida Anna para se juntar a ela e a seu marido, Alfred, durante um banquete organizado pelo Ministério das Relações Exteriores, no qual Alfred detém uma posição importante. Anna não se mostra interessada no convite e continua se preparando para uma noite tranquila, removendo a maquiagem com creme.

Sem que ela soubesse, Alfred havia convidado Philip Adams, um banqueiro-diplomata americano, sediado em Paris, que estará presente no banquete, para trocar a roupa em seu apartamento. Quando Philip chega, Anna é surpreendida pelo inesperado e bonito hóspede, e ele se mostra igualmente impressionado com ela, apesar do creme no rosto. Notando o interesse de Anna, Margaret pergunta a ele pela Sra. Adams, como uma forma de saber se ele é casado, ao que ele responde que não há nenhuma Sra. Adams. Em seguida, Philip convence Anna a participar do banquete e, enquanto os outros trocam de roupa, Alfred comenta que o Ministério das Relações Exteriores está tentando convencer Philip a aceitar um cargo na OTAN, em Paris. No final da noite, enquanto aguarda o horário do trem que o levará de volta à Paris, Philip comenta com Anna que se acha ambivalente em relação à proposta da OTAN.

Face à mútua atração, Anna o convida para um balé no sábado seguinte. No entanto, ele agradece e lhe diz que é casado. Para esclarecer o equívoco que ele causou anteriormente, Philip explica que ele quis dizer que sua esposa não se encontrava com ele naquela noite. Em seguida, ele diz ser separado, mas que não pode se divorciar. Tendo esclarecido sua situação, Philip sustenta que há "regras" de comportamento para homens, em relação às mulheres. Inicialmente, Anna se conforma em não voltar a vê-lo, mas quando ele está deixando o edifício, ela volta a convidá-lo para o balé. No sábado, ele volta ao apartamento, precedido de uma dúzia de rosas amarelas que havia enviado. Enquanto eles se dirigem ao Player’s Club para um jantar, vários fãs a param em busca de autógrafos.

Durante o jantar, eles se envolvem tanto na conversa, que se atrasam para o balé. Tal fato faz com que eles presenteiem seus ingressos para um jovem casal e retornem para o Player’s Club, onde continuam a conversar.  Em seguida, eles caminham ao longo do Tamisa, enquanto ela decide se deve ou não continuar com o relacionamento. Ao voltarem para o apartamento dela, Anna o convida para uma bebida. Na manhã seguinte, quando ele lhe telefona de seu hotel, ela o convida para o café da manhã. Durante a refeição, Philip diz à Anna que decidiu aceitar o emprego da OTAN. Nos meses que se seguem, o relacionamento deles floresce, fazendo com que Philip telefone para Anna todas as noites, de Paris, e a visite nos finais de semana, até que ele adquire um apartamento no prédio dela.

Embora conduzam sua relação discretamente, para proteger a reputação de Anna, já que ela é uma pessoa pública, Margaret a adverte ao lhe dizer que a OTAN, através da Scotland Yard, mantém um registro das atividades de Philip e que está ciente do seu caso. Ela afirma, ainda, que ele é casado e se mostra surpresa quando Anna lhe diz que já sabia e que ainda pretende se casar com ele no futuro. Dias depois, Anna começa a trabalhar em uma nova peça, que é bem aceita e aplaudida pelo grande público. Sua relação com Philip se torna cada vez mais forte, e eles passam o Natal juntos. Ao descobrir que ele comprou a “Bruxa do Mar”, um iate que ela tentou alugar para comemorar seu aniversário, Anna se mostra preocupada ao pensar que ele gasta tanto dinheiro com ela por causa de sua consciência pesada. No entanto, apesar do fato de Philip ser casado, Anna se mostra feliz com sua vida. Doris se mostra contente com a felicidade de Anna, mas o  pessimista Carl prevê que "isso não deve continuar com ele casado."

Certo dia, Philip retorna de Paris com notícias de que deverá passar cinco meses em um novo cargo, em Nova York. Infeliz, Anna sugere que ele se divorcie e se case com ela, mas logo depois, horrorizada com sua colocação, pede-lhe desculpas. Como seu navio deverá partir no dia seguinte e, como consequência, ele não estará presente no aniversário dela, Philip pede-lhe para que, na primeira batida do Big Ben, anunciando o novo dia, ela faça um brinde porque ele estará fazendo o mesmo no navio. Naquele dia, ao jogar sinuca com Alfred, Philip pede permissão para voar para Nova York, ao invés de viajar por via marítima, a fim de que ele possa passar três dias extras com Anna, surpreendendo-a ao chegar a seu apartamento à meia-noite do dia de seu aniversário. Alfred, então, pergunta-lhe por que ele pretende ser um homem casado se, na realidade, ele não é.

Philip se mostra surpreso ao verificar que Alfred sabe a verdade, e explica sua posição: Quando um homem conhece uma mulher e se sente atraído por ela, ele a corteja e, se são idosos, ela o favorece. Ela quer se casar e, se ele não é do tipo que deseja o mesmo, ela é destinada a ser decepcionada. As mulheres, segundo Philip, nunca acreditam no homem que diz que nunca se casará. Assim, se ele não se mostra interessado no casamento, ele lhe diz que já é casado, no início do relacionamento, antes que ela preste seus favores, para que ela não tenha maiores expectativas. Philip acredita que é uma forma polida, sem traumas, de tratar o assunto, e acrescenta que ama Anna de uma forma que nunca amou antes. Enquanto isso, ela decide abandonar sua peça e voar para Nova York, a fim de fazer uma surpresa a ele.

Quando ela fala para Alfred sobre a decisão que tomara, ele se sente compelido a revelar os planos de Philip para estar com ela em seu aniversário. Anna chora de felicidade, dizendo que Philip é bom e gentil, até que Margaret deixa escapar que ele não é nada disso. Segundo Margaret, ao examinar documentos confidenciais da Scotland Yard, que se acham com Alfred, Philip mentiu ao se referir a seu estado civil. Apesar de sua raiva, face às colocações feitas por Margaret, Anna decide fingir que não sabe de nada e vai a uma festa com ele.

Na festa, enquanto dançam, Philip se mostra satisfeito com a maneira como seus planos estão caminhando, alheio ao crescente ressentimento de Anna. Ao ver um de seus antigos amantes, David, ela lhe envia uma única rosa vermelha como símbolo de amizade, inspirando-a a planejar sua vingança. Assim, para fazer ciúmes a Philip, ela convida David para seu aniversário. Posteriormente, ao voltar para seu apartamento em companhia de Philip, ela finge atender uma ligação de David e, alegando estar com dor de cabeça, despede-se de Philip sem lhe dar um beijo. No entanto, seus planos ficam comprometidos quando David cancela sua presença no aniversário, ao se internar em um hospital, em caráter de urgência, para se submeter a uma apendicectomia.  

Preocupada, Anna revê seus planos e pressiona um relutante Carl a ficar no quarto dela com um roupão, até o relógio marcar meia-noite, quando ele deverá abrir a porta e, logo em seguida, fechá-la. Assim, precisamente à meia-noite, Philip chega, diz que sua esposa concordou em lhe conceder o divórcio e pede que Anna se case com ele. Entretanto, como instruído, Carl abre e fecha a porta, mas antes que Anna possa explicar, Philip vai embora por acreditar que teria visto David no quarto dela. No entanto, Philip volta e, ao reconhecer Carl, acusa Anna de menosprezar seu amor com um truque barato e de má qualidade. Quando Anna o acusa de ter mentido para ela, ele afirma que tem se comportado com dignidade, ao se manter fiel a ela. Anna, no entanto, afirma que eles perderam a chance de serem felizes juntos e, quando ele não concorda, ela sugere que continuem como se esses dois últimos dias não tivessem acontecido. Logo depois, ela começa a chorar e ele a consola dizendo que ela vai gostar de ser casada.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Stanley Donen, a partir de um roteiro escrito por Norman Krasna, “Indiscreta” é uma ótima comédia romântica angloamericana, produzida pela Warner Brothers em 1958. Sua trama, baseada na peça “Kind Sir” de Norman Krasna, é marcada por um bom ritmo, principalmente nos dois terços finais.

Na direção, Stanley Donen, demonstrando mais uma vez seu completo domínio da câmera, nos brinda com mais um ótimo trabalho. Merecem ainda ser destacadas a bela fotografia, assinada por Freddie Young, e sua trilha sonora.

No elenco, Cary Grant e Ingrid Bergman, que juntos já haviam brilhado no filme “Interlúdio”, de 1946, sob a direção de Alfred Hitchcock, voltam a brilhar neste filme de Donen. Com atuações bastante convincentes, destacam-se Phyllis Calvert, Cecil Parker, David Kossoff e Megs Jenkins.

CAA