Filmes por gênero

CARTAS PARA JULIETA (2010)

Letters to Juliet
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Cartas a Julieta (Espanha, Argentina)
Briefe an Julia (Alemanha)
Listy do Julii (Polônia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia Dramática, Romance
Direção: Gary Winick
Roteiro: Jose Rivera, Tim Sullivan
Produção: Ellen Barkin, Mark Canton, Eric Feig, Caroline Kaplan
Design Produção: Stuart Wurtzel
Música Original: Andrea Guerra
Direção Musical: John Houlihan
Fotografia: Marco Pontecorvo
Edição: Bill Pankow
Direção de Arte: Stefano Maria Ortolani, Saverio Sammali, Eugenio Ulissi
Figurino: Nicoletta Ercole
Guarda-Roupa: Giovanni Casalnuovo, Kortney Lawlor, Alessandro Guida e outros
Maquiagem: Carla Vicenzino, Diane Mazur, Diane Mazur
Efeitos Sonoros: Maurizio Argentieri, Adriano Di Lorenzo e outros
Efeitos Visuais: Andrea Papaleo, Jesh Murthy, Justin Ball e outros
Nota: 7.1
Filme Assistido em: 2013

Elenco

Amanda Seyfried Sophie
Gael García Bernal Victor
Christopher Egan Charlie
Vanessa Redgrave Claire
Franco Nero Lorenzo Bartolini
Ashley Lilley Patricia
Marcia DeBonis Lorraine
Giordano Formenti Viticultor
Paolo Arvedi Senhor Ricci
Luisa Ranieri Isabella
Marina Massironi Francesca
Lidia Biondi Donatella
Milena Vukotic Maria
Luisa De Santis Angelina
Fabio Testi Conde Lorenzo
Sandro Dori Padre Lorenzo
Daniel Baldock Pai de Lorenzo
Stefano Guerrini Neto de Lorenzo
Oliver Platt Editor do New Yorker Magazine
Peter Arpesella Turista americano
Naeem Uzimann Vendedor de Hot Dog
Dario Conti Fornecedor de queijo
Sara Armentano Enfermeira

Videoclipes

70 anos de cinema 70 anos de cinema 70 anos de cinema

Sinopse

Em Nova York, Sophie caminha pelo centro da cidade tentando saber das pessoas onde elas se encontravam no dia em que acabou a 2ª Guerra Mundial. Ela tem em sua mão a fotografia do famoso beijo entre um marinheiro e uma enfermeira.  Como ela se acha em Times Square, local do tal beijo, ela procura também confirmar se o mesmo foi espontâneo ou encenado.

Em seguida, ela se encontra com seu chefe no New Yorker, o qual lhe pede para que se assegure de que as informações obtidas sejam corretas, e lhe cumprimenta pelo trabalho. Aproveitando a oportunidade, ela lhe pergunta se já pode submeter-lhe algumas histórias, uma vez que ela se acha louca para começar a escrever. Ele diz encontrar-se tranquilo em relação ao trabalho dela, pois confia muito em sua capacitação, mas se preocupa em saber sobre sua próxima viagem à Itália, uma vez que sabe que Sophie e seu noivo Victor estarão viajando para Verona, onde ele estará abrindo um restaurante dentro de poucas semanas.

Em seguida, ela se dirige ao restaurante para se encontrar com Victor, encontrando-o na cozinha a tentar reinventar o macarrão. Sophie mostra-se preocupada, pois àquela altura, ele já deveria estar com as malas prontas, uma vez que o avião para a Itália deverá partir em menos de 12 horas.

Os dois finalmente embarcam para a Itália e, uma vez lá, hospedam-se num hotel de Verona com uma pequena varanda. Com excessão dos laços que os unem, os dois se acham no norte da Itália por razões diferentes. Victor foi chamado por seu empresário para se encontrar com alguns de seus fornecedores, de modo que o casal passa o primeiro dia a viajar pelo campo, visitando vinículas e fornecedores de queijo. Ele fala fluentemente o italiano, enquanto ela não, ficando por conseguinte fora da maioria das conversas. Tal fato faz com que ela se mostre cada vez mais irritada, a ponto de desabafar quando Victor lhe diz que estão prontos para viajarem 125 quilômetros através de uma floresta para se encontrarem com um fornecedor de trufas. Sophie, então, lhe comunica que não pretende fazer tal viagem, preferindo ficar para conhecer melhor a cidade. Para deixá-la culpada, Victor lhe diz que faria o que ela quisesse, mesmo que não fosse de sua vontade. Sophie, no entanto, acha que o melhor a ser feito é ela participar de um sightseeing sozinha, enquanto ele vai se encontrar com o fornecedor de trutas.

Feito o acordo, enquanto Victor viaja, Sophia caminha sozinha pelas ruas de Verona, ocasião em que se depara com um pequeno beco onde se encontra uma multidão debaixo da varanda que ficou famosa na obra “Romeu e Julieta” de Shakespeare.

Inúmeras pessoas, principalmente jovens mulheres escrevem bilhetes para Julieta e os colocam na parede, a exemplo do que ocorre no “Muro das Lamentações” em Jerusalém. Sophie decide deixar seu bilhetinho, quando vê uma mulher retirando todos os bilhetes para levá-los com ela. Curiosa, ela segue a tal mulher e descobre um grupo de mulheres conhecidas como “as secretárias de Julieta”. Elas abrem os bilhetes diariamente e respondem cada um deles oferecendo conselhos e conforto. Intrigada e fascinada ao mesmo tempo, Sophie passa o resto do dia aprendendo com elas. Na hora do jantar, é convidada para ficar com elas, mas ao alegar que precisa voltar ao hotel, onde Victor já deve estar a esperá-la, uma delas prepara um prato com uma sobremesa para os dois.

Ao chegar ao hotel e mostrar a Victor a sobremesa que recebera de presente, este fica fascinado a ponto de, no dia seguinte, fazer questão de conhecer a mulher que a preparou e, com ela, aprender a cozinhar. Embora decepcionada, Sophie termina se animando pela oportunidade de passar mais um dia com aquelas incríveis mulheres. Desta vez, ao ajudar as secretárias a recolher os bilhetes, ela se depara com uma carta que havia sido deixada num dos furos da parede há mais de 50 anos. Sua autora era uma jovem britânica que não teria fugido com seu amor, Lorenzo Bartollini, conforme prometera, e que, através daquela carta, pedia uma orientação de Julieta. Movida pelas palavras da jovem, Sophie sente necessidade de responder a tal carta, o que o faz com bastante carinho.

De volta ao hotel, Victor lhe diz que surgiu uma  oportunidade para ele participar de um grande leilão de vinhos, o qual se estenderá por alguns dias, mas que infelizmente ele só conseguiu uma entrada, sugerindo-lhe que aproveite o tempo para escrever com as secretárias de Julieta.

Vários dias mais tarde, Sophie se encontra com as secretárias quando um homem se aproxima e pergunta quem escreveu uma carta para Claire. Ele se apresenta como sendo Charlie, neto de Claire, que veio à Verona acompanhando a avó. Emocionada, Sophie deseja ardentemente conhecê-la, mas ele se nega a ajudá-la. No entanto, quando ele se retira, ela o segue até a varanda de Julieta, onde se apresenta à Claire. As duas tornam-se rapidamente amigas e, naquela mesma noite jantam juntas, ocasião em que Claire revela que teria vindo à Verona para encontrar Lorenzo e mostra à Sophie que ainda guarda o anel que recebeu dele. Ao tomar conhecimento dos planos de Claire, Sophie lhe pergunta se poderia acompanhá-la, pois gostaria de escrever sua história. Mesmo com o desacordo do neto, Claire decide pela companhia da jornalista e, assim, os três partem para o vilarejo onde ela conhecera Lorenzo. Uma vez lá, conhecem Lorenzo Bartollini, o qual não é a pessoa procurada. De qualquer forma, ao tomar conhecimento de que a grande maioria dos Bartollinis vive na região da Toscana, Claire decide continuar sua busca. Assim, nos dias que se seguem, ela vai encontrando outros Lorenzos, nenhum deles o que ela procura, mas alguns expressando que seriam muito felizes se fossem por ela escolhidos.

Todas as noites, ao chegar ao hotel, Sophie liga para Victor, que se mostra distante e desinteressado no que ela está fazendo, preocupado apenas com o que diz respeito ao seu restaurante. Por outro lado, a animosidade inicialmente demonstrada por Charlie, em relação à presença Sophie, dá sinais de que está chegando ao fim. Agora, ele já demonstra um certo interesse por ela ao procurar passar mais tempo ao seu lado. No entanto, ao descobrirem que um novo Lorenzo Bartollini, por quem procuravam, morreu recentemente, Claire fica obviamente chateada por não saber se se tratava ou não de seu Lorenzo, o que leva Charlie a culpar Sophie por tudo o que sua avó está passando e a dizer que já está na hora de voltarem para casa. Naquela noite, Sophie sai para falar com ele, que se acha deitado no chão a contemplar as estrelas. Ela lhe diz que não se arrepende de ter enviado a carta à Claire, mas que sente por eles estarem desistindo da procura do grande amor da vida dela. De repente, Charlie a beija e ela corresponde com um outro beijo, mas ao perceber o que está fazendo, levanta-se e se recolhe em seu quarto. Toda essa cena foi vista por Claire de sua janela.

Na manhã seguinte, todos se mostram calados quando Claire quebra o silêncio e os incentiva a não terem medo de expressarem seus sentimentos. Em seguida, pede para irem a um vinhedo em busca de uma garrafa de vinho, pois decidiu prolongar a viagem. No caminho, ao ver um jovem trabalhando no campo, Claire pede para que parem o carro. Ela se mostra como se tivesse visto um fantasma e diz que o jovem é o seu Lorenzo. Sophie desce do carro e se dirige ao jovem trabalhor a quem pergunta seu nome. Ele lhe responde chamar-se Lorenzo Bartollini. Um outro homem se aproxima para saber o que está acontecendo e se apresenta como sendo Lorenzo Bartollini. Sophie deduz que se trata do filho e do neto da pessoa que estão a procurar. Pouco depois, o Lorenzo que tanto Claire procura chega a cavalo após ter praticado um pouco de equitação. Quando seu filho lhe diz que aquela senhora se chama Claire, ele se lembra imediatamente dela e os dois se abraçam, deixando Charlie e Sophie emocionados.

Lorenzo os convida para o jantar. Quando se acham à mesa, ele revela que perdeu sua esposa, Rose, e ao saber que Claire se acha viúva, diz que o destino deve querer que eles fiquem juntos, agradecendo em seguida à Sophie por ter feito tudo acontecer. Esta se sente desconfortável ao lado de Charlie e pergunta a Lorenzo se um dos seus filhos pode levá-la de volta à Verona. Sabendo que seu neto está apaixonado por Sophie, Claire lhe pergunta o que ele está esperando para ir ao encontro dela. Animado, ele viaja até Verona, onde encontra Sophie abraçada a Victor debaixo da famosa varanda. Não querendo arruinar a felicidade dela, Charlie desiste e volta, sem saber que Victor, após receber um telefonema, vai embora deixando Sophie infeliz.

De volta à Nova York, Sophie mostra ao seu chefe a história que escrevera sobre a carta de Claire, sendo muito elogiada e feliz porque a mesma vai ser publicada. Quando o chefe lhe pergunta o que ocorreu com Claire e Lorenzo depois do reencontro, ela lhe responde não saber nada a respeito por ter voltado aos Estados Unidos. Ele, então, sugere que ela pegue o primeiro avião de volta à Itália. Ao sair para o almoço, o recepcionista lhe entrega sua correspondência onde se encontra um convite para o casamento de Claire e Lorenzo no próximo final de semana em Sienna. Junto ao convite, Claire havia colocado a carta que Sophie encontrara em Verona e que deu início a toda essa reviravolta na vida dela.

Ao chegar ao restaurante, Sophie informa a Victor que está voltando à Itália para assistir ao casamento de Claire. Ele tenta protestar, mas decidida, ela rompe com ele e lhe diz que está indo sozinha.

Ao chegar ao local do casamento, ela procura por Charlie que se mostra muito feliz ao revê-la. Pouco depois, no entanto, os dois são interrompidos por Patricia, uma mulher que Sophie acredita ser namorada dele. Aproveitando a situação, ela se dirige ao salão onde está ocorrendo a cerimônia. Durante a recepção que se segue, Claire pede a Sophie que leia, em voz alta, a carta que ela lhe escrevera. Maravilhosamente escrita, a carta de Sophie falava da importância das pessoas não desistirem de perseguir seus sonhos, sendo por todos muito aplaudida.

Logo depois, ao perceber que Sophie se afasta demonstrando uma certa tristeza, Charlie a segue e a encontra numa varanda que se acha acima dele. Chorando, ela lhe diz que rompera seu noivado com Victor por ter se apaixonado por ele, mas ao vê-lo com Patricia, só lhe resta desejar-lhe muitas felicidades. Ele a interrompe para dizer-lhe que Patricia é apenas sua prima. Os dois trocam juras de amor, quando ele promete fazê-la feliz em Nova York ou em qualquer outra cidade.

imagem imagem imagem imagem imagem imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta novaiorquino Gary Winick, “Cartas para Julieta” é uma boa comédia romântica do cinema americano. Sua trama gira em torno de uma carta deixada por uma jovem inglesa na famosa parede da casa de Julieta, aquela que viveu seu inesquecível romance com Romeu, em Verona, Itália, e seus desdobramentos a partir do momento em que tal carta foi encontrada mais de cinquenta anos depois.

A direção de Winick apresenta seus altos e baixos e alguns clichês totalmente dispensáveis. Em contrapartida, a trilha sonora, assinada por Andrea Guerra, é excelente e, adicionalmente, o espectador é contemplado com as belíssimas paisagens da região da Toscana, na Itália.

No elenco, com apenas 24 anos, Amanda Seyfried continua a mostrar ao espectador todo o talento que fará com que venha a se tornar uma grande atriz. Vanessa Redgrave, no papel de Claire Smith, mostra-nos mais uma vez o seu grande e sempre reconhecido talento. Merecem ainda ser citadas, num patamar um pouco inferior, as atuações de Franco Nero e Gael García Bernal.

CAA