Filmes por gênero

A FIDELIDADE (2000)

La fidélité
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: La fidelidad (Espanha)
Die treue der frauen (Alemanha)
Fidelity (Reino Unido)
Wiernosc (Polônia)
Pais: França, Portugal
Gênero: Drama
Direção: Andrzej Zulawski
Roteiro: Andrzej Zulawski
Produção: Paulo Branco
Design Produção: Jean-Vincent Puzos
Música Original: Andrzej Korzynski
Fotografia: Patrick Blossier
Edição: Marie-Sophie Dubus
Figurino: Caroline de Vivaise
Guarda-Roupa: Françoise Attal Roth, Marie Bouvier, Patricia Saalburg
Maquiagem: Nurith Barkan, C. Chabenet, Sylvie Greco, Fabienne Robineau
Efeitos Sonoros: Bernard Chaumeil, Marie Guesnier, Pierre Gamet e outros
Efeitos Especiais: Philippe Hubin
Efeitos Visuais: François Vagnon, Philippe Leprince, Luc Augereau
Nota: 7.3
Filme Assistido em: 2014

Elenco

Sophie Marceau Clélia
Pascal Greggory Clève
Guillaume Canet Némo
Michel Subor Rupert MacRoi
Magali Noël Mãe de Clélia
Marc François Saint-André
Edith Scob Diane
Marina Hands Julia
Manuel Le Lièvre Jean
Aurélien Recoing Bernard
Jean-Charles Dumay Antoine
Guy Tréjan Julien Clève
Edéa Darcque Ina
Julie Brochen Genièvre
Armande Altaï Sra. MacRoi
William Mesguich David
Cécile Richard Séléna
Olivier Bony Médico
Philippe Dormoy Prof. de Némo
Isabelle Malin Amigo de Clève
Guy-Pierre Bennet Gianfranco Giuliani
Françoise Geier Enfermeira
Sylvain Maury Travesti

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

A jovem e atraente fotógrafa de talento reconhecido, Clélia, é contratada para trabalhar para um tabloide sensacionalista pertencente ao império multimídia de propriedade do magnata canadense Rupert MacRoi. Este vive rodeado por uma verdadeira corte, dominada por Diane, sua amante, e constituída em grande parte por pessoas com intenções duvidosas.

Uma vez na empresa, Clélia conhece Clève, um editor de livros de arte de aproximadamente trinta e cinco anos de idade, cujos negócios de sua família haviam sido adquiridos por MacRoi. Clève demonstra ser um homem honesto e sempre preocupado em manter uma boa qualidade literária. Ele logo se apaixona por ela, mas só depois da morte de seu pai ele decide romper um relacionamento que mantinha com uma irmã de MacRoi para em seguida propor casamento à Clélia, que aceita desposá-lo.

A felicidade doméstica, entretanto, é constantemente interrompida por problemas ligados à saúde e à morte da mãe de Clélia, às novas aquisições de MacRoi e a diversos escândalos ocorridos na família de Clève como, por exemplo, o fato de seu irmão bispo fugir com uma mulher casada, gerando material para uma imprensa sedente de sangue.

Apesar de seu intenso amor pelo marido, Clélia se apaixona por um jovem fotógrafo, Némo, meio-paparazzo, meio-repórter de guerra, que vive constantemente sob ameaça após ter exposto um comércio de mercado negro envolvendo órgãos e prostituição infantil. No entanto, apesar dessa paixão e das tentativas de Némo para seduzi-la, ela procura evitar a consumação de uma traição ao marido, embora a infidelidade emocional se apresente devastadora.

imagem imagem imagem

Comentários

Escrito e dirigido pelo cineasta polonês Andrzej Zulawski, “A Fidelidade” é, sem dúvida alguma, um bom filme do cinema francês. Sua trama é fascinante e marcada pela beleza e o talento de Sophie Marceau, pela simpatia de Pascal Greggory e pelas denúncias que faz contra as mídias sensacionalistas. Além de falar de emoções e sentimentos, ela provoca uma reflexão instintiva sobre o poder da sedução. Os personagens Clélia e Clève são românticos, idealistas, mas também atormentados ao extremo.

Uma das principais mensagens passadas pelo filme é aquela em que procura mostrar a importância de ser fiel consigo próprio a fim de poder ser fiel e estar em harmonia com os outros. Por outro lado, apesar de ser um filme longo, com 2h45min de duração, em nenhum momento ele se mostra enfadonho.

Enfim, pelas ótimas atuações apresentadas, merecem ser citados os nomes dos atores Pascal Greggory, Guillaume Canet e, principalmente Sophie Marceau, simplesmente maravilhosa.

CAA