Filmes por gênero

A LENDA DOS DESAPARECIDOS (1957)

Legend of the lost
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Timbuctù (Itália)
A cidade perdida (Portugal)
La cité disparue (França)
Arenas de muerte (Espanha)
Leyenda de los perdidos (Argentina)
Die Stadt der Verlorenen (Alemanha)
Under Saharas sol (Suécia)
Legenda zaginionego miasta (Polônia)
De dochter v.d. woestijn (Holanda)
Легенда о потерянном (União Soviética)
Pais: Itália, Estados Unidos
Gênero: Aventura, Drama
Direção: Henry Hathaway
Roteiro: Ben Hecht, Robert Presnell Jr.
Produção: Henry Hathaway
Música Original: Angelo Francesco Lavagnino
Fotografia: Jack Cardiff
Edição: Bert Bates
Direção de Arte: Alfred Ybarra
Figurino: Gaia Romanini
Maquiagem: Web Overlander
Efeitos Sonoros: John K. Kean, W.H. Milner
Nota: 7.7
Filme Assistido em: 1959

Elenco

John Wayne Joe January
Sophia Loren Dita
Rossano Brazzi Paul Bonnard
Kurt Kasznar Dukas
Sonia Moser Jovem de 24 anos
Angela Portaluri Jovem de 20 anos
Ibrahim El Hadish Galli Galli
Marsha Hunt .

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na aldeia de Timbuktu, situada na África Ocidental, o inglês Paul Bonnard procura um guia experiente para levá-lo através do deserto, onde espera encontrar um tesouro que seu pai dizia existir por lá, numa cidade perdida. Enquanto isso, ao ter sua carteira e seu relógio roubados, ele recebe a ajuda de Dukas, um ganancioso e corrupto funcionário, encontrando-os com a ladra e prostituta Dita. Compadecido com a situação dela, Bonnard lhe presenteia com seu relógio, recebendo de volta apenas sua carteira. Mais tarde, naquela noite, Dukas encontra Joe January, um austero guia americano que concorda em ser o guia procurado, desde que Bonnard esteja disposto a pagar as pesadas multas que lhe são impostas pelo corrupto funcionário.

Na manhã seguinte, sentindo-se apaixonada e agradecida pela forma como foi tratada por Bonnard, Dita se convida para fazer parte da expedição, prometendo esquecer seu passado. Apesar dos protestos de Joe, e de Bonnard acreditar que a viagem vai ser muito perigosa, ela termina sendo aceita no grupo. Durante os primeiros dias de caminhada em burros, Bonnard comenta que, dez anos atrás, seu pai, Jonathon, um missionário e arqueólogo, estava procurando um tesouro em uma expedição da qual nunca retornou. Continuando, ele explica que veio para encontrar o tesouro, na esperança de realizar o sonho do pai de criar um refúgio para os doentes e necessitados.

Quando Joe ameaça abandoná-los se Dita não retornar à Timbuktu, Bonnard lhe oferece um terço do tesouro para que ele continue. Depois que Bonnard explica que tem o mapa de seu pai, direcionando-os para a cidade perdida de Timgad, onde o tesouro está escondido, Joe relutantemente concorda com os termos propostos. Naquela noite, ao lado de uma fogueira, Dita fala de sua infância abusiva que a levou à prostituição e tenta ‘limpar’ sua pele com uma faca. Enquanto Joe a insulta, Bonnard toma sua faca e a lembra que lágrimas limpam melhor que facas. No dia seguinte, quando Dita é atacada por tarântulas, Bonnard tenta ajudá-la e os dois rolam de um monte de areia. Ao vê-los abraçados, Joe zomba de Bonnard ao dizer que ele está agarrado à mulher que tenta salvar.

Quando eles ouvem os cânticos dos Tauregs nas proximidades de um homem moribundo, Bonnard os ajuda e salva sua vida, garantindo-lhes uma passagem segura por aquelas terras. No dia seguinte, após discutirem sobre o caminho a seguir, Joe alerta que, se não conseguirem encontrar a cidade perdida em oito horas, eles serão obrigados a voltar, sob pena de morrerem de sede. Terminado o prazo, quando Joe ordena que eles voltem, Dita derrama a água restante, dizendo-lhes que acredita no sonho de Bonnard. Furioso, Joe não tem alternativa a não ser continuar em busca de água.

De repente, seu burro os leva a uma exuberante piscina de água, perto das antigas ruínas de uma cidade romana perdida, onde Bonnard encontra três esqueletos humanos entre as ruínas. Estudando os esqueletos, Joe nota que um deles foi morto por um tiro na cabeça, enquanto seu guia foi esfaqueado nas costas com os braços em volta de um terceiro esqueleto, uma mulher. Em seguida, Joe encontra uma carta de amor de Jonathon, entre os bens da mulher, na qual ele lhe falava do tesouro, pedia-lhe para se encontrar com ele em Timbuktu e lhe prometia uma vida de luxo em Paris. Tal descoberta torna evidente que o pai de Bonnard encontrou sua mulher nos braços do guia, matando-os e, em seguida, tirando sua própria vida.

Dita tenta tranquilizar Bonnard, dizendo-lhe que ele pode continuar com o sonho de Jonathon, construindo um refúgio para os doentes e necessitados. No entanto, abalado com a mentira do pai, ele começa a beber. Depois que Joe enterra os três esqueletos, Bonnard lança a garrafa, assustando um grupo de morcegos nas proximidades. Mais tarde, ao descobrir uma porta descrita por seu pai, ele encontra um cofre vazio, aprofundando seu desespero. Enquanto isso, Joe tenta reconstruir os últimos momentos de Jonathon: Percebendo que a relação de sua namorada com o guia poderia colocar sua vida em risco, Jonathon transferiu o tesouro para outro lugar e deu ao filho uma dica ao fazer uma citação da Bíblia que fala “do dia em que o homem lançar seu ouro e prata para os morcegos”. Assim, acreditando que o tesouro se encontra na caverna dos morcegos, com dificuldade Bonnard consegue chegar lá, onde encontra ouro, moedas e joias.

No dia seguinte, quando eles se deleitam com a riqueza, Bonnard pega Dita em seus braços para beijá-la, implorando-lhe para que retribua sua afeição. Incomodada com seu gesto, ela luta para se desvencilhar dele e, depois que ele a cobre de joias, apavorada, ela corre para Joe, que o derruba. Convencido de que, a exemplo de seu pai, o guia vai ficar com a garota e tirar sua vida, Bonnard atira neles e foge. Depois de passarem a noite aguardando seu retorno, Joe e Dita descobrem que Bonnard fugiu com todos os burros e provisões, deixando-os sem condições de sobreviverem.

Desesperados, Joe e Dita caminham durante horas sob o sol escaldante do deserto e, finalmente, o encontram perto da morte, agarrado ao seu tesouro. Sentindo-se desidratados, Joe e Dita começam a cavar o solo em busca de água. Ao vê-los, Bonnard, que recobrara sua consciência, acreditando que eles estão cavando sua sepultura, levanta-se e consegue ferir Joe pelas costas com uma faca. Sem alternativa, Dita se vê obrigada a atirar e matar Bonnard. Em seguida, ela continua a escavar até encontrar água para dar a Joe. Acreditando que está morrendo, Joe acusa Jonathon por ter destruído o filho, mas lhe agradece por lhe ter dado Dita.

Finalmente, ao verem uma caravana de Taureg em direção à Timbuktu, Dita abraça Joe, sabendo que eles vão sobreviver e começar uma nova vida juntos.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Henry Hathaway, a partir de um roteiro escrito por Ben Hecht e Robert Presnell Jr., “A Lenda dos Desaparecidos” é um filme ítalo-americano produzido pelas empresas Batjac Productions e Dear Film Produzione em 1957. Sua trama narra os esforços de dois homens e uma mulher, com o intuito de localizarem um tesouro escondido nas ruínas de uma antiga cidade romana perdida no deserto africano.

Rodado inteiramente nas magníficas paisagens desérticas da Líbia, o filme reúne John Wayne e Sophia Loren, pela primeira vez, numa produção cinematográfica. Embora não se ache entre seus melhores trabalhos, a direção de Hathaway é razoavelmente boa. Na área técnica, merecem destaques a bela fotografia, a cargo de Jack Cardiff, e a magnífica trilha sonora assinada por Angelo Francesco Lavagnino.

No elenco, John Wayne brilha no papel do guia Joe January. Com atuações bastante convincentes, destacam-se Sophia Loren e Rossano Brazzi.

CAA