Filmes por gênero

SEMENTES DE VIOLÊNCIA (1955)

Blackboard Jungle
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Graine de violence (França, Bélgica)
Il seme della violenza (Itália)
Semilla de maldad (Espanha, Argentina)
Die Saat der Gewalt (Austria, Alemanha)
Vänd dem inte ryggen! Suécia)
Szkolna dzungla (Polônia)
Vend dem ikke ryggen (Dinamarca)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama
Direção: Richard Brooks
Roteiro: Richard Brooks
Produção: Pandro S. Berman
Música Original: Charles Wolcott, Scott Bradley
Fotografia: Russell Harlan
Edição: Ferris Webster
Direção de Arte: Cedric Gibbons, Randall Duell
Maquiagem: William Tuttle
Efeitos Sonoros: Wesley C. Miller
Nota: 8.7
Filme Assistido em: 1957

Elenco

Glenn Ford Richard Dadier
Anne Francis Anne Dadier
Louis Calhern Jim Murdock
Margaret Hayes Lois Judby Hammond
Sidney Poitier Gregory W. Miller
John Hoyt Sr. Warneke
Richard Kiley Joshua Y. Edwards
Emile Meyer Sr. Halloran
Warner Anderson Dr. Bradley
Basil Ruysdael Prof. A.R. Kraal
Vic Morrow Artie West
Dan Terranova Belazi
Rafael Campos Pete V. Morales
Paul Mazursky Emmanuel Stoker
Horace McMahon Detetive
Jamie Farr Santini
Danny Dennis De Lica
Robert Foulk George Katz
Richard Deacon Mr. Stanley, professor
Martha Wentworth Sra. Brophy
Doyle Baker Wilson
Peter Miller Joe Murray
Jimmy Murphy Frank Adams
Jerry Wynne Murphy
Chris Randall Levy
Dorothy Neumann Srta. Panucci
Paul Hoffman Sr. Lefkowitz

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Fotografia

Oscar de Melhor Direção de Arte

Oscar de Melhor Edição

Oscar de Melhor Roteiro

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Richard Brooks)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (Richard Brooks )

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Quando Richard Dadier aceita seu primeiro trabalho como professor de um colégio de Nova York, ele pergunta ao seu diretor, Sr. Warnecke, se terá que lidar com problemas de disciplina. O diretor lhe assegura que na North Manual High não há qualquer tipo de problema disciplinar. Os outros professores, particularmente o cínico Jim Murdock, que chama todos os rapazes de “lata de lixo”, pedem para Dadier não dar as costas para os alunos, o que faz com que sua ansiedade aumente.

Naquela noite, Dadier celebra seu novo trabalho com a esposa, Anne, que embora profundamente apaixonada pelo marido, preocupa-se com a possibilidade de sua gravidez deixá-la não atrativa para ele, bem como, que ela fracasse como já ocorreu antes.

O primeiro dia como professor de inglês, na escola, não é nada encorajador. A maioria dos alunos, verdadeiros delinqüentes juvenis da classe baixa, ignora seus pedidos e o chamam de “Daddy-O”, e quando ele pede a Gregory Miller, um brilhante mas alienado negro, para que use sua liderança a fim de promover a cooperação na classe, o jovem apenas balança a cabeça. À tarde, quando Lois Judby Hammond, uma nova professora que parece simpatizar com Dadier, é quase estuprada por um dos estudantes, o professor bate ferozmente no jovem e, no dia seguinte, os alunos o recebem com ameaças.

Depois do trabalho, Dadier e Joshua Edwards, um novo professor de matemática que ama jazz e swing, vão tomar um drinque em um bar onde lamentam a hostilidade dos estudantes. Depois, quando os dois passam por um beco em direção à parada de ônibus, são brutalmente agredidos por Artie West, da classe de Dadier, e sua gangue de arruaceiros.

Enquanto se recupera, Dadier visita seu antigo professor, que lhe assegura que os estudantes querem aprender, mas que as escolas urbanas precisam de instrutores que se preocupem mais com eles. Dadier volta à escola, e quando a polícia lhe questiona, ele se recusa a identificar seus agressores. Mais tarde, agindo confidencialmente no caso da reclamação de um estudante, o diretor acusa Dadier de intolerância, mas este se defende com raiva. Warnecke, finalmente, pede desculpas e coloca Dadier como responsável pela peça do Natal. Pouco depois, West destrói a coleção premiada de discos de Joshua enquanto a classe assiste a tudo, fazendo com que o desiludido professor de matemática peça demissão. Enquanto isso, Anne começa a receber cartas e telefonemas anônimos acusando seu marido de infidelidade.

Desconhecendo as crescentes suspeitas da mulher, Dadier concentra sua atenção em seus alunos. Assim, ele convence Miller e seu grupo vocal a apresentarem uma versão de “Go Down, Moses” na peça do Natal, e estimula uma animada discussão na classe ao passar um desenho de “Jack and the Beanstalk”. Resumindo a discussão, Dadier encoraja os jovens a considerarem o real significado do que ouviram e a passarem a pensar por eles próprios. Mais tarde, Miller diz a Dadier que devido ao fato de que pessoas negras têm opções limitadas, ele deverá abandonar a escola no final do período, mas o professor insiste que os negros podem ser bem sucedidos no mundo moderno.

No Natal, Anne, atormentada pelas cartas, dá à luz prematuramente, e quando Dadier toma conhecimento do que aconteceu, deduz que os estudantes foram os responsáveis pelas cartas e decide pedir demissão. Murdock, curado de seu cinismo graças à dedicação de Dadier, e Anne, admitindo que não devia ter desconfiado de seu marido, encorajam-no a ficar, o que pesa ainda mais quando o médico informa que seu filho acha-se fora de perigo.

De volta à escola, Dadier ordena West a procurar o diretor quando o chefe da gangue trapaceia flagrantemente na classe. West o ameaça com uma faca e pede aos colegas de gangue que ataquem o professor. Para sua surpresa, entretanto, apenas Belazi atende ao seu pedido. Depois de uma briga, Dadier acusa West de ter enviado as cartas anônimas e, em seguida, o arrasta, juntamente com Belazi, até o escritório do diretor. Mais tarde, naquele dia, ao saber dos planos de Dadier para deixar a escola, Miller o procura e lhe promete continuar na escola se o professor fizer o mesmo.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado num livro de Evan Hunter, “Sementes de Violência” é, sem dúvida, um dos melhores clássicos do cinema dos anos 50. Escrito e dirigido pelo cineasta Richard Brooks, o filme apresenta um interessante estudo sobre os problemas de disciplina enfrentados por muitos professores em escolas para adolescentes de meados do século XX nos Estados Unidos. Por se tratar de realizações de três diferentes cineastas, poderíamos nos arriscar a dizer que “Sementes de Violência” forma uma trilogia não oficial sobre a delinqüência juvenil, juntamente com “O Selvagem” (1953), de László Benedek, e “Juventude Transviada” (1955), de Nicholas Ray.

A trama, repleta de tensão do início ao fim, desenvolve-se num ótimo ritmo e trata dos esforços de um professor para conseguir chegar aos seus rebeldes alunos, e de um destes, Artie West, fazendo de tudo para sabotar seus esforços.

Partindo de um excelente roteiro por ele escrito, Richard Brooks nos brinda com um ótimo trabalho de direção. Adicionalmente, o filme apresenta uma bela fotografia assinada por Russell Harlan, uma trilha sonora que se notabilizou pela inclusão da música "Rock Around The Clock", interpretada por “Bill Haley and his Comets”, e interpretações inesquecíveis.

Glenn Ford está perfeito no papel do bravo professor. Entre os estudantes, destacam-se as atuações de Vic Morrow, no papel do arruaceiro Artie West, e de Sidney Poitier, como o aluno Gregory Miller.

Em 1967, o filme “Ao Mestre Com Carinho” nos mostrou uma história semelhante, ou seja, uma história sobre o difícil relacionamento entre um professor e alunos adolescentes rebeldes. Nele, Sidney Poitier fez o papel do professor.

CAA