Filmes por gênero

UM ASSUNTO DE MULHERES (1988)

Une affaire de femmes
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Uma questão de mulheres (Portugal)
Story of women (USA)
Un affare di donne (Itália)
Asunto de mujeres (Espanha, Argentina)
Eine frauensache (Alemanha)
Svart ängel (Suécia)
Sprawa kobiet (Polônia)
Den sorte engel (Dinamarca)
Pais: França
Gênero: Drama
Direção: Claude Chabrol
Roteiro: Claude Chabrol, Colo Tavernier
Produção: Marin Karmitz
Design Produção: Françoise Benoît-Fresco
Música Original: Matthieu Chabrol
Fotografia: Jean Rabier
Edição: Monique Fardoulis
Figurino: Corinne Jorry
Efeitos Sonoros: Jean-Bernard Thomasson, Maurice Gilbert, Jean-Berthieu Chabrol
Efeitos Especiais: Jean-François Cousson
Nota: 8.7
Filme Assistido em: 1989

Elenco

Isabelle Huppert Marie Latour
François Cluzet Paul
Marie Trintignant Lulu / Lucie
Nils Tavernier Lucien
Aurore Gauvin Mouche #1
Lolita Chammah Mouche #2
Guillaume Foutrier Pierrot #1
Nicolas Foutrier Pierrot #2
Marie Bunel Ginette
Dominique Blanc Jasmine
Evelyne Didi Fernande
Dani Loulou
François Maistre Presidente Lamarre-Coudray
Vincent Gauthier Me Fillon / Juiz Fillon
Myriam David Rachel
Claire Conty Cabeleireira
Catherine Deville Yvonne
Sylvie Flepp Berthe
Jean-Claude Lecas Robert
Anne-Marie Etienne Renée
Valérie Leboutte Marcelle
Elisabeth Sender Francine
Huguette Maillard Monique
Valérie Soudant Armelle
Madeleine Marie Albertinie
Caroline Berg Hélène Fillon
Jacques Brunet Coronel Chabert
Franck de la Personne Advogado Estagiário Martinet
Jurgen Mash Oficial alemão
Bernard Cherboeuf O inspetor

Prêmios

Festival Internacional de Veneza, Itália

Copa Volpi de Melhor Atriz (Isabelle Huppert)

Menção Especial (Claude Chabrol)

Ciak de Ouro de Melhor Filme (Claude Chabrol)

Festival Internacional de Valladolid, Espanha

Prêmio de Melhor Atriz (Isabelle Huppert)

Festival de Cinema de Bogotá, Colômbia

Prêmio de Melhor Roteiro (Claude Chabrol, Colo Tavernier)

Prêmio de Melhor Atriz (Isabelle Huppert)

Associação de Críticos de Cinema de Los Angeles, EUA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro (Claude Chabrol)

Prêmios Sant Jordi de Barcelona

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Isabelle Huppert)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Sociedade dos Críticos de Cinema de Boston

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Círculo dos Críticos de Cinema de Kansas City, USA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Indicações

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Direção (Claude Chabrol)

César de Melhor Atriz (Isabelle Huppert)

César de Melhor Atriz Coadjuvante (Marie Trintignant)

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Leão de Ouro (Claude Chabrol)

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Atriz Estrangeira (Isabelle Huppert)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Durante a 2ª Guerra Mundial, na França ocupada, Marie Latour é uma jovem mulher, mãe de dois filhos, Pierrot e Mouche. Seu marido, Paul, encontra-se na Alemanha, enquanto ela luta para sobreviver. Seu sonho é o de vir a se tornar cantora e seus raríssimos momentos de lazer são passados ao lado da amiga Rachel quando, juntas, vão a um Bar para beber e dançar um pouco.

Certo dia, ao se acordar, ela vai à casa de sua vizinha, Ginette, a fim de lhe pedir emprestado um moedor. Lá, encontra a amiga sentada em uma tina com uma solução de mostarda. Perguntada sobre a razão daquele banho de assento, Ginette lhe diz que seu marido, Bernard, não quer o filho por estar sendo enviado para trabalhar na Alemanha, sem idéia de quando poderá retornar à França. Mesmo sem experiência, Marie se oferece para praticar um aborto na vizinha e amiga.

Certa noite, ao voltar ao Bar que costuma freqüentar, Marie toma conhecimento que Rachel foi levada para a Alemanha por ser judia. Em princípio, não acredita nessa informação porque a amiga nunca lhe falou a respeito. Por outro lado, Ginette a procura com um presente por ter conseguido abortar.

Paul, marido de Marie, chega da Alemanha. O relacionamento deles é péssimo. Enquanto ele reclama que nunca recebeu uma carta dela, ela lhe diz que há 14 anos banca a criada. Quando Paul a procura, ela se nega a voltar a ter relações sexuais com ele, alegando que não mais o ama.

Marie conhece e faz amizade com uma prostituta, Lulu, a quem aluga um quartinho e diz que, se precisar, pode contar com ela para a realização de um aborto. Assim, apesar de manter seu sonho de vir a ser cantora, Marie passa a ganhar dinheiro fazendo abortos em mulheres que engravidam inesperadamente, em geral de soldados alemães enquanto seus maridos estão combatendo no front. Paul fica intrigado ao vê-la com dinheiro, enquanto ele se acha desempregado. Pierrot diz ao pai que, às vezes, a mãe recebe algumas mulheres em casa. O marido, então, não insiste em fazê-la confessar a origem daquele dinheiro, faz vista grossa e se beneficia de um ou outro fruto da melhora financeira.

Ao conhecer Lucien, um jovem cliente de Lulu, Marie inicia uma relação extraconjugal com ele. Logo em seguida, coloca uma empregada, Fernande, a quem diz que, se estiver interessada, seu marido está livre.

Robert e Jasmine são casados há sete anos e têm seis filhos. Quando engravida mais uma vez, Jasmine diz que não agüenta mais ter filhos, e que vai procurar a tal mulher que realiza abortos. Pela primeira vez, a intervenção é mal sucedida, Jasmine contrai uma infecção e morre. Não suportando a perda da mulher, Robert se joga debaixo de um trem. A cunhada de Jasmine procura Marie para lhe dizer que não vai levar o caso à polícia, que tem muita pena dela e que agora vai educar as seis crianças órfãs.

Certo dia, ao chegar em casa, Paul encontra Marie dormindo nos braços de Lucien. Revoltado com a cena de adultério presenciada, ele envia uma carta anônima, ao Comissário de Polícia, na qual diz que Marie Latour praticou mais de doze abortos em dois anos em mulheres que dormiram com alemães ou cujos maridos se achavam presos, além de alugar quartos para prostitutas, obtendo lucros com essas transações.

Marie é presa e, após deliberação do Tribunal do Estado, no Palácio da Justiça em Paris, ela é declarada culpada de todas as acusações que lhe foram imputadas, sendo condenada à morte por guilhotina, o que ocorre em 30 de julho de 1943.

imagem

Comentários

“Um Assunto de Mulheres” é mais um grande filme do cineasta francês, Claude Chabrol. Rodado na cidade de Dieppe, a trama gira em torno da história real de Marie Latour, última mulher a ser guilhotinada na França, fato ocorrido em meados de 1943, durante a ocupação nazista na 2ª Guerra Mundial.

Muito bem estruturado e dirigido, o filme tem ainda em Isabelle Huppert um de seus pontos mais altos. Aliás, onze anos antes, Chabrol e Huppert estiveram juntos em “Violette Nozière”, um filme igualmente baseado em fatos reais, neste último sobre uma mulher, Violette, que também é condenada à morte, mas que consegue ver sua pena comutada, num processo que envolveu o Presidente Albert Lebrun, o Marechal Pétain e o General de Gaulle. No elenco, vale ainda destacar o trabalho de Marie Trintignant, como a bela e convincente prostituta Lulu, que se torna a principal indicadora de clientes para Marie.

CAA