Filmes por gênero

UM CLARÃO NAS TREVAS (1967)

Wait until dark
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Os olhos da noite (Portugal)
Seule dans la nuit (França, Canadá)
Gli occhi della notte (Itália)
Sola en la oscuridad (Espanha)
Espera la oscuridad (México, Colômbia)
Warte, bis es dunkel ist (Alemanha, Austria)
Nattens ögon (Suécia)
Fanget af mørket (Dinamarca)
Дождись темноты (Rússia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Crime, Drama, Suspense
Direção: Terence Young
Roteiro: Robert Carrington, Jane-Howard Carrington
Produção: Mel Ferrer
Música Original: Henry Mancini
Direção Musical: Henry Mancini
Fotografia: Charles Lang
Edição: Gene Milford
Direção de Arte: George Jenkins
Maquiagem: Gordon Bau
Efeitos Sonoros: Everett Hughes
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1968

Elenco

Audrey Hepburn Susy Hendrix
Alan Arkin Roat / Roat Jr. / Roat Sr.
Richard Crenna Mike Talman
Efrem Zimbalist Jr. Sam Hendrix
Jack Weston Carlino
Samantha Jones Lisa
Julie Herrod Gloria
Gary Morgan Adolescente na rua
Jean Del Val Ancião
Frank O'Brien Shatner
Mel Ferrer Locutor de uma Rádio Franco-canadense
Jean Del Val Senhor idoso
Robby Benson .
Bill Walters .

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Audrey Hepburn)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Audrey Hepburn)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Efrem Zimbalist Jr.)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Drama

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz em um Drama (Audrey Hepburn)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Ao desembarcar de um avião em Nova York, procedente de Montréal, o fotógrafo Sam Hendrix é abordado por uma mulher de nome Lisa, que viajara no mesmo vôo.  Dando-lhe uma desculpa, ela lhe pede o favor de levar para casa a boneca que carrega em seus braços, alegando que horas mais tarde passará lá para apanhá-la.  Inocentemente, Sam fornece-lhe seu endereço.  Na realidade, ao descer do avião, ela avistou Harry Roat Jr., um antigo cúmplice de uma quadrilha de traficantes de drogas, que se achava cumprindo pena numa penitenciária e que, provavelmente, encontrava-se no aeroporto a aguardá-la.  A boneca entregue a Sam contém, em seu interior, uma enorme quantidade de papelotes de heroína.  Assassino frio e durão, rapidamente Roat consegue de Lisa o local onde deve estar a tal boneca.

Sam é casado com Susy, uma jovem cega que conhecera há um ano, logo após a mesma ter sofrido um acidente que resultou em sua deficiência.  No dia seguinte, quando os dois saem de casa, Roat oferece US$ 4 mil a dois trapaceiros, Mike Talman e Carlino, para que eles encontrem a valiosa boneca.  Ao iniciarem as buscas, os dois dão de cara com o cadáver de uma mulher.  Roat informa-lhes que se trata de Lisa, a jovem que tentou passar-lhe a perna, o que o obrigou a matá-la.  Afirmando que, em suas buscas, os dois espalharam suas digitais por toda a casa, o traficante os obriga a seguir todas as suas ordens, sob pena de serem denunciados por um crime que não cometeram.  A primeira coisa a fazer é retirar o cadáver e largá-lo num estacionamento próximo.

Para manter Sam afastado por algum tempo, Roat telefona para seu estúdio fotográfico, passando-se por um empresário, e o contrata para realizar um trabalho em sua fictícia empresa, localizada nos arredores de Nova York.  Em seguida, os três se instalam numa Kombi fechada, defronte ao prédio onde Sam e Susy moram, e ao lado de uma cabine telefônica, iniciando assim a operação "caça à boneca".

O primeiro a procurar Susy é Mike, que se faz passar por um grande amigo de Sam e diz morar hoje em Phoenix.  O segundo a bater à porta é Carlino, que se diz um sargento da polícia em investigação por conta de uma mulher encontrada morta nas imediações do prédio.  O terceiro a chegar é o próprio Roat, que alega ter conhecimento de que sua mulher e Sam estavam tendo um caso extraconjugal e que, no dia anterior, após um desentendimento entre os dois, ela desapareceu com uma boneca que trouxera de Montréal, e que seu pai seguiu Sam até aquele endereço.  Muito embora tenha confiança no marido, Susy é inteligente e, rapidamente, conclui que o cadáver encontrado pela polícia, o desaparecimento da mulher de Roat e o fato de Sam ter chegado em casa com uma boneca podem facilmente incriminá-lo.

Quando eles saem, chega Gloria, uma adolescente que mora no andar superior e que presta alguns serviços para ela, como fazer compras no supermercado.  Com sua ajuda, ela descobre que não há carro da polícia em frente ao prédio, como dissera Carlino, e sim uma Kombi com três homens junto à cabine telefônica.  Susy pede à Gloria que vá para seu apartamento e fique observando o movimento dos três homens.  Pede, ainda, que toda vez que alguém da Kombi fizer uma ligação da cabine, que ela ligue para sua casa e, após o telefone chamar duas vezes, o desligue.  Com esse artifício, ela descobre que os três homens que estiveram em seu apartamento, e que continuam a procurá-la, são exatamente os três que se acham na Kombi.  O último a ser descoberto é Mike, que lhe dera o número de um telefone, como sendo do hotel onde se encontrava e, ao ligar para lá, Susy recebe a confirmação de Gloria de que a ligação foi atendida na cabine telefônica.

Descobertos, eles assumem que estão à procura da boneca trazida para o apartamento por Sam.  Para ganhar tempo, Susy diz que a mesma se encontra no estúdio fotográfico do marido, a duas quadras dali e lhes entrega as chaves de lá.  Como já escureceu, quando eles saem, ela quebra todas as lâmpadas da casa e apanha uma garrafa com hipossulfito de sódio, a fim de poder melhor enfrentá-los.

Mike é o primeiro a voltar, ocasião em que lhe informa que, àquela altura, Roat deve ter sido morto por Carlino.  Ele exige a boneca e ela se mantém irredutível.  Como, na realidade, ele não é um assassino e sim um mero trapaceiro e ladrão, ele se dá por vencido e confessa que Sam nunca esteve envolvido com a mulher de Roat.  Despedindo-se, ele se prepara para sair quando Roat, que já havia assassinado Carlino, entra e o mata.

Inicia-se, assim, o confronto entre o frio assassino e a jovem cega.  Ele derrama um pouco de gasolina, na sala onde se encontram, e ameaça acender um fósforo se ela não lhe entregar a boneca.  Valendo-se da escuridão e de seus sentidos aguçados, como olfato, audição e tato, ela consegue jogar o hipossulfito sobre o rosto dele e, em seguida, localizando o galão de gasolina por ele trazido, encharcá-lo com o produto.  Ela passa, então, a dar as ordens até que, ao esbarrar num refrigerador, ele abre sua porta e o local fica iluminado, invertendo-se a situação.

Dominada, ela lhe entrega a boneca.  Ele a abre com um punhal e começa a retirar os papelotes de heroína.  Entretanto, aproveitando-se de um descuido dele, ela crava-lhe uma faca de cozinha em seu abdome.  Embora mortalmente ferido, ele se arrasta numa tentativa de matá-la.  É quando, trazidos por Gloria, chegam Sam e dois policiais.


imagem imagem imagem

Comentários

Baseado num livro homônimo de Frederick Knott, "Um Clarão nas Trevas" é um excelente filme com uma boa dose de suspense.  Realizado pelo cineasta Terence Young, mostra uma jovem cega, em seu pequeno apartamento de Greenwich Village, às voltas com um frio assassino e dois ladrões, por este contratado, dispostos a tudo para colocarem as mãos em uma boneca recheada de heroína que, acidentalmente, foi parar lá.

Young nos brinda com um magnífico trabalho na direção, conseguindo manter a atenção, dos que o assistem, do início ao fim.  O clima de suspense e algumas reviravoltas lembram os filmes do mestre Hitchcock.  Aliás, quase todo o filme se desenrola dentro de um apartamento, a exemplo dos hitchcockianos "Festim Diabólico", de 1948, e "Janela Indiscreta", de 1954.

Adicionalmente, o filme apresenta a excelente fotografia de Charles Lang, a ótima trilha sonora de Henry Mancini e grandes interpretações, onde se destaca a atuação de Audrey Hepburn, seguida das de Alan Arkin, Efrem Zimbalist Jr. e Richard Crenna.

CAA