Filmes por gênero

MEU ADORÁVEL VAGABUNDO (1941)

Meet John Doe
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Um João Ninguém (Portugal)
L'homme de la rue (França)
Arriva John Doe (Itália)
Juan Nadie (Espanha)
El mandamiento supremo (México)
...Y la cabalgata pasa (Argentina, Uruguai)
Hier ist John Doe (Alemanha)
Vi behöver varann (Suécia)
Vi behøver hinanden (Dinamarca)
Знакомьтесь, Джон Доу (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia, Melodrama
Direção: Frank Capra
Roteiro: Robert Riskin
Produção: Frank Capra, Robert Riskin
Música Original: Dimitri Tiomkin
Música Não Original: Ludwig von Beethoven
Direção Musical: Leo F. Forbstein
Fotografia: George Barnes
Edição: Daniel Mandell
Direção de Arte: Stephen Goosson
Figurino: Natalie Visart
Efeitos Sonoros: C. A. Riggs
Efeitos Especiais: Jack Cosgrove
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1946

Elenco

Gary Cooper John Doe / John Willoughby
Barbara Stanwyck Ann Mitchell
Edward Arnold D. B. Norton
Walter Brennan O Coronel
Spring Byington Sra. Mitchell
James Gleason Henry Connell
Gene Lockhart Prefeito Lovett
Rod La Rocque Ted Sheldon, sobrinho de Norton
Regis Toomey Bert Hansen
Irving Bacon Beany
Stanley Andrews Weston
Harry Holman Prefeito Hawkins
Andrew Tombes Spencer, do 'Daily Chronicle'
Sarah Edwards Sra. Hawkins
Ann Doran Sra. Hansen
Pierre Watkin Hammett
Mitchell Lewis Bennett
Pat Flaherty Mike
Charles C. Wilson Charlie Dawson
Vaughan Glaser Governador Jackson
Frank Fanning Repórter
Bess Flowers Mattie

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor História Original (Richard Connell, Robert Presnell Sr. )

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

1929 - Os Estados Unidos encontram-se numa das mais implacáveis crises econômicas até então vividas.  O desemprego alastra-se.  Dentro desse cenário, um grande jornal, "The New Bulletin" decide fazer uma limpeza em seus quadros, na busca de um pessoal mais qualificado e com o ganancioso objetivo de elevar o número de vendas ao mais alto nível possível.

Uma de suas principais jornalistas, a Srta. Ann Mitchell, encontra-se entre as dezenas de pessoas demitidas.  Em seu último dia de trabalho, ela publica no jornal, sob o pseudônimo de John Doe, uma carta denunciando as injustiças sociais, o descaso das autoridades governamentais e, num último grito de protesto contra todo o sistema, promete saltar do prédio da Prefeitura, suicidando-se na noite de Natal.

Tal carta provoca uma agitação entre os principais líderes políticos locais, notadamente o prefeito Lovett e o governador Jackson.  Em princípio, acreditam que se trate de D. B. Norton atacando o governo às claras.  Na tentativa de conseguirem saber quem é esse John Doe, telefonam para Spencer, do "Daily Chronicle", principal concorrente do "The New Bulletin".  Este lhes responde que tal carta deve ser falsa e que D. B. Norton não tem nenhum motivo para usar desse expediente.

Por outro lado, com receio de serem acusados de farsantes, Henry Connell, editor-chefe do "The New Bulletin" e seus auxiliares, procuram uma pista que os leve ao tal John Doe.  Quando Ann passa pela redação, Connell cobra dela o original da carta que ela publicara.  Ela simplesmente lhe responde que não existe nenhum John Doe e mostra quanto o jornal aumentou sua vendagem por conta de sua jogada.

Sentindo-se nas mãos dela, sob pena de se arriscar a ter o jornal desmascarado, Connell concorda em readmiti-la e seguir sua estratégia quanto a encontrar alguém que possa se passar pelo suposto John Doe.  Eles o encontram na pessoa de John Willoughby, um ex-jogador de beisebol que se acha desempregado.  Sempre sob a liderança de Ann, Connell concorda em colocá-lo na suíte de um ótimo hotel, juntamente com seu amigo inseparável, Coronel, dar-lhes roupas novas e, seis meses depois, às vésperas do Natal, quando deveria se dar o prometido suicídio, uma passagem de trem para a cidade por eles indicada, além de uma boa soma em dinheiro.  Em contrapartida, John aparecerá como o responsável por uma série de reportagens a serem escritas por Ann, sob o título de "Eu Protesto": Contra o Colapso da Decência no Mundo, Contra os Políticos Corruptos, Contra o Fechamento dos Hospitais Públicos, etc.

Em pouco tempo, a tiragem do jornal duplica.  O Sr. Norton chama Ann para trabalhar diretamente com ele, ao mesmo tempo em que triplica seu salário.  Para que suas mensagens alcancem um número maior da população, ele pede que Ann escreva discursos a serem lidos por John em uma de suas rádios.  O sucesso é imediato.  Em pouco tempo, Clubes John Doe são criados por todo o país, todos com o objetivo de pregar a solidariedade, a esperança e a visualização de novos caminhos de progresso social.  Ann e John viajam por todo o país.  Meses depois, o número de Clubes chega a 2400.

A popularidade de John atinge um tal ponto que o Sr. Norton cria o Partido do John Doe, pensando em se candidatar à Presidência da República.  Entretanto, ao tomar conhecimento que ele o está usando para fins políticos e proveito próprio, John interrompe uma reunião em que o Sr. Norton se encontra costurando acordos em benefício de sua candidatura, para dizer-lhe que vai denunciar seu esquema na convenção nacional dos Clubes John Doe a realizar-se poucas horas depois.

Homem poderoso, o Sr. Norton interrompe John na hora em que ele ia iniciar seu discurso, ocasião em que diz aos presentes que John Doe é uma farsa.  Quando John pega o microfone para se defender, é cortado o sistema de som e as luzes são apagadas.  Desencantado com as pessoas, John decide subir, à meia-noite, ao topo do prédio da Prefeitura, para se jogar de lá.  No último minuto, entretanto, Ann chega ao local em companhia de dezenas de representantes dos Clubes.  Todos dizem que precisam dele para recomeçarem o movimento, agora de forma honesta, sem a interferência de homens como o Sr. Norton.  Diante da insistência dos presentes e da declaração de amor feita por Ann, ele finalmente desiste do suicídio e resolve acompanhá-los.

imagem

Comentários

"Meu Adorável Vagabundo" é mais um ótimo filme do idealista cineasta Fank Capra.  Embora inferior a outros trabalhos seus, tais como, "A Mulher Faz o Homem", de 1939, e "A Felicidade Não Se Compra", de 1946, "Meu Adorável Vagabundo" apresenta também críticas à corrupção e à desonestidade, assim como mensagens de otimismo.

Partindo de um roteiro inteligente e bem estruturado, Capra realiza um ótimo trabalho de direção, no que é ajudado pelas magníficas atuações de seus principais atores.

Aqui, personagens ricos e proeminentes são mostrados como pessoas desonestas e manipuladoras, bem como, incapazes de manter sua posição sem explorar as mais humildes.  De um modo geral, em seus filmes, o personagem central vê-se obrigado a enfrentar figurões de influência e poder, ou estruturas que possam ameaçá-lo.

No elenco, um dos pontos altos do filme, além dos magníficos trabalhos apresentados por Barbara Stanwyck e Gary Cooper, merecem atenção as atuações de Walter Brennan, James Gleason e Edward Arnold.

CAA