Filmes por gênero

PÂNICO NAS RUAS (1950)

Panic in the streets
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Panique dans la rue (França, Bélgica)
Pánico en las calles (Espanha, Argentina)
Bandiera gialla (Itália)
Unter Geheimbefehl (Alemanha, Austria)
Panik på öppen gata (Suécia)
Panika na ulicach (Polônia)
Panik (Dinamarca)
Паника на улицах (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Filme Noir, Suspense, Crime, Drama
Direção: Elia Kazan
Roteiro: Richard Murphy
Produção: Sol C. Siegel
Música Original: Alfred Newman
Fotografia: Joseph MacDonald
Edição: Harmon Jones
Direção de Arte: Lyle R. Wheeler, Maurice Ransford
Figurino: Travilla
Guarda-Roupa: Charles Le Maire
Maquiagem: Ben Nye
Efeitos Sonoros: Roger Heman Sr., W.D. Flick
Efeitos Especiais: Fred Sersen
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 1952

Elenco

Richard Widmark Tenente Comandante Clinton 'Clint' Reed M.D.
Paul Douglas Capitão Tom Warren
Barbara Bel Geddes Nancy Reed
Jack Palance Blackie
Zero Mostel Raymond Fitch
Dan Riss Neff, repórter
Tommy Cook Vince Poldi
Tommy Rettig Tommy Reed
Lewis Charles Kochak, vítima de assassinato
Beverly C. Brown Dr. Mackey
Mary Liswood Angie Fitch, esposa de Raymond
H. Waller Fowler Jr. Prefeito Murray
Emile Meyer Capitão Beauclyde
Paul Hostetler Tenente Paul Gafney
Elia Kazan Assistente do necrotério
Wilson Bourg Jr. Charlie
Lenka Peterson Jeanette, namorada de Charlie
Val Winter Comissário Dan Quinn
Leo Zinser Sargento Phelps
George Ehmig Kleber
Darwin Greenfield Violet
Edward Kennedy Jordan
Ruth Moore Mathews Sra. Dubin
Herman Cottman Oficial Scott, do Laboratório da Polícia
Juan Villasana Proprietário do Hotel
Alexis Minotis John Mefaris, proprietário do Restaurante
Aline Stevens Sra. Rita Mefaris

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor História para um Filme (Edna Anhalt, Edward Anhalt)

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Internacional (Elia Kazan)

Indicações

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Leão de Ouro (Elia Kazan)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (Richard Murphy )

Prêmio Robert Meltzer (Richard Murphy)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Depois de uma discussão durante um jogo de cartas na área de cais de Nova Orleans, um homem chamado Kochak, visivelmente atacado por uma doença semelhante à gripe, é morto pelo gângster Blackie e seus dois lacaios, o primo de Kochak, Vince Poldi, e um homem chamado Fitch. Eles deixam o corpo nas docas e mais tarde, quando o homem morto, que não carrega qualquer identificação, é trazido para o necrotério, o legista se preocupa com um suspeito vírus, presente em seu sangue, e decide chamar seu superior, Dr. Clinton Reed, um médico uniformizado que trabalha para o serviço de saúde pública dos Estados Unidos.

No dia seguinte, quando se acha desfrutando de um raro dia de folga com sua esposa Nancy e seu filho Tommy, Reed decide inspecionar o corpo. Após um exame cuidadoso, ele chega à conclusão de que Kochak tinha peste bubônica. Como consequência, ele insiste que todos os que tiveram algum tipo de contato com o corpo deverão ser inoculados. Ele também insiste que a identidade do morto deva ser conhecida o mais rapidamente possível. Nesse sentido, Reed encontra-se com pessoas do gabinete do prefeito, com o Comissário de polícia e com outras autoridades da cidade, mas todos se mostram céticos em relação às suas reivindicações. No entanto, suas sucessivas alegações os convencem de que eles têm 48 horas para salvar Nova Orleans de uma praga. Reed deve também convencer o capitão Warren e os outros de que a imprensa não deve ser notificada, porque a notícia de uma praga poderia difundir pânico em massa.

O capitão Warren e seus homens começam a entrevistar imigrantes eslavos, uma vez que foi determinado que o corpo pode ser de um armênio, tcheco ou mestiço. Ao verificar que as investigações têm pouca chance de sucesso, Reed acusa Warren de não levar a ameaça a sério o suficiente. Por sua vez, o capitão admite que acha que Reed é ambicioso e que está tentando usar a situação para promover sua carreira. Irritado, Reed decide tomar para si algumas ações, procurando saber se o homem teria entrado ilegalmente no país, através do porto da cidade, fornecendo para tanto cópias da fotografia do mesmo.

Embora alguns trabalhadores lhe digam que marinheiros nunca falam, Reed vai a um café na esperança de que alguém lhe dê alguma dica. Uma vez lá, uma jovem mulher aparece e o leva à presença de seu amigo Charlie que, relutantemente, admite que trabalhou no navio “Rainha do Nilo”, onde um homem doente teria sido contrabandeado. Enquanto isso, Raymond Fitch, após ser interrogado pelo capitão Warren, quando alegou não saber de nada, procura Blackie e o adverte sobre a investigação.

Blackie planeja deixar a cidade, mas começa a suspeitar que seu ajudante Vince Poldi recebeu mercadorias contrabandeadas de Kochak, explicando a intensa investigação da polícia e o assassinato ocorrido. Reed e Warren, que agora está convencido de sua integridade, vão ao “Rainha do Nilo”, e convencem a tripulação a falar, dizendo-lhes que eles vão morrer se de fato o homem doente estiver no navio. Após retirarem um cozinheiro doente do porão, os marinheiros permitem que Reed e Warren os vacinem e os questionem, revelando que Kochak embarcara em Oran.

Com essa pista, Reed e Warren visitam alguns restaurantes gregos da cidade e, ao saírem de um deles, Blackie chega para visitar Poldi, que se acha muito doente. Pouco tempo depois, Reed recebe a notícia que uma mulher, Rita, morreu da febre e descobre que ela era a esposa do dono do restaurante grego que anteriormente tinha mentido sobre ter servido Kochak. Reed retorna ao quartel-general onde descobre que um repórter está ameaçando publicar uma matéria sobre um vírus que está a ameaçar a cidade. Ele fica ainda mais impressionado ao verificar Warren prendendo o repórter para mantê-lo quieto.

Tarde da noite, Reed retorna para casa, onde sua esposa anuncia que se acha grávida e tenta restaurar sua autoconfiança. No dia seguinte, ele e Warren tomam conhecimento que o prefeito se acha irritado com o tratamento que fora dado ao repórter. Este, uma vez libertado, anuncia que a história estará nos jornais matutinos, dando a Reed e Warren pouco tempo para encontrarem seu homem. Enquanto isso, Blackie procura Poldi, e tenta forçá-lo a revelar informações sobre algumas mercadorias contrabandeadas, mas seu moribundo ajudante, delirando, não diz coisa com coisa. Ele, então, traz seu próprio médico e comenta com a avó de Poldi que eles vão cuidar dele.

Por outro lado, tendo sido informado pelo dono do restaurante grego, Reed chega ao local onde encontra Blackie e Fitch descendo uma escada com Poldi. Ao vê-lo, eles o abandonam e fogem. Reed os persegue através das docas e tenta explicar-lhes sobre a praga. Na primeira oportunidade, entretanto, eles correm desesperadamente através de depósitos e armazéns e, num determinado ponto, Warren atira e fere Blackie, impedindo-o de disparar contra Reed. Acidentalmente, Blackie atira em Fitch e, ao tentar pular para um navio, cai na água.

Terminado seu trabalho, Reed inicia sua volta para casa, ocasião em que Warren lhe oferece um pouco do perfume contrabandeado que Poldi havia recebido de Kochak.

Finalmente, quando o rádio anuncia a resolução da crise, uma orgulhosa Nancy cumprimenta seu marido.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Elia Kazan, a partir de um roteiro escrito por Richard Murphy, “Pânico nas Ruas” é um interessante filme ‘noir’ produzido pela Twentieth Century Fox Film Corporation em 1950.

Partindo de um roteiro bastante original, inteligente e marcado por diálogos muito bem escritos, Kazan nos brinda com mais um belo trabalho de direção. Merece ainda ser citada a excelente fotografia em preto e branco assinada por Joseph MacDonald.

No elenco, Richard Widmark e Jack Palance brilham em seus respectivos papéis.

CAA