Filmes por gênero

ORGULHO E ÓDIO (1951)

My forbidden past
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Duas rivais (Portugal)
Mon passé défendu (França)
Coeurs insondables (Bélgica)
Odio y orgullo (Espanha)
Voglio essere tua (Itália)
Synden i blodet (Suécia)
Hendes skjulte fortid (Dinamarca)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama
Direção: Robert Stevenson
Roteiro: Marion Parsonnet
Produção: Robert Sparks, Polan Banks
Música Original: Friedrich Hollaender
Direção Musical: C. Bakaleinikoff
Fotografia: Harry J. Wild
Edição: George C. Shrader
Direção de Arte: Albert S. D'Agostino, Alfred Herman
Figurino: Michael Woulfe
Efeitos Sonoros: Clem Portman, Phil Brigandi
Nota: 7.8
Filme Assistido em: 1952

Elenco

Robert Mitchum Dr. Mark Lucas
Ava Gardner Barbara Beaurevel
Melvyn Douglas Paul Beaurevel
Lucile Watson Tia Eula Beaurevel
Janis Carter Corinne Lucas
Gordon Oliver Clay Duchesne
Basil Ruysdael Dean Cazzley
Will Wright Luther Toplady
Clarence Muse Pompey
Walter Kingsford Investigador
Jack Briggs Primo Philippe
Everett Glass Médico
Kenneth MacDonald Sargento da Polícia
Barry Brooks Policial
George Douglas Policial
Watson Downs Funcionário do Hotel
Cliff Clark Vendedor de cavalo

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Próximo à virada do século XIX, em Nova Orleans, a linda, mas empobrecida aristocrata, Barbara Beaurevel, faz votos para se juntar a seu amante, o pesquisador médico Dr. Mark Lucas, que naquela noite se acha em um navio sul-americano. Quando seu primo Paul descobre seus planos, ele a lembra sobre as condições precárias do coração da Tia Eula, e da dor que tal fuga causaria a ela. Na ocasião, Paul persuade Barbara a escrever uma carta para Mark pedindo-lhe que a espere, e promete entregá-la, mas nunca o fez.

Dois meses depois, durante o Halloween, Barbara vai ao porto esperar ansiosamente o retorno de Mark, ficando chocada ao descobrir que ele se casou com uma mulher que conheceu durante suas viagens. Confusa e irritada, ela desafia sua tia e procura Luther Toplady, um advogado que tem tentado encontrá-la por conta de uma herança. Luther a informa que sua avó, Carrie Crandall, morreu e deixou sua fortuna para ela. Tendo em vista que a avó havia sido abandonada pelo marido, um obcecado jogador, e lutado sozinha para manter a filha, não importa o que tivesse que fazer, sua relação com ela era mantida em segredo, motivo pelo qual Barbara pede a Luther que transfira o dinheiro para sua conta sem mencionar o nome de Carrie.

Barbara, então, quebra um compromisso com Clay Duchesne, seu rico pretendente, e vai sozinha ao cemitério. Uma vez lá, observa quando Mark e seu mentor da Universidade de Tulane, Dean Cazzley, caminham ao lado de Corinne, a mulher de Mark. Sem saber que ele nunca recebeu sua carta, Barbara o puxa para um lado e tenta reacender o amor dele por ela. Ele cede momentaneamente um beijo, mas se recusa a trair Corinne ainda mais. Em seguida, ela acende uma vela e vai até o túmulo de sua avó. No dia seguinte, Barbara informa sua Tia Eula e Paul sobre os milhões de dólares que recebera de herança.

Algum tempo depois, a nova rica Barbara visita Corinne e a convida para um baile. As duas trocam algumas farpas e Corinne se revela uma verdadeira alpinista social. Quando Mark toma conhecimento do baile, ele procura Barbara para recusar o convite, mas é insultado pelo esnobe Paul. Irritado, ele vai ao baile com Corinne, que é imediatamente atraída por Paul. Sozinha com Mark, Barbara finalmente descobre a verdade sobre sua carta e pede ao médico que se divorcie de Corinne e se case com ela. Embora a beije, Mark desdenha de sua atitude e sai furioso.

Sentindo-se rejeitada, Barbara procura humilhar Mark pagando a Paul para seduzir Corinne. Este facilmente a seduz e marca um encontro em um barco. Quando Barbara informa a Mark sobre o planejado encontro entre Corinne e Paul, o médico a condena por seus meios vingativos. De repente, cheia de remorsos, ela corre até o local onde se encontra o barco. Lá, Corinne tenta convencer Paul a se casar com ela, e quando este rindo a rejeita, ela lhe dá um tapa. Irritado, Paul a empurra, fazendo-a cair e sofrer um traumatismo craniano fatal. Ao ver Paul sair correndo, Barbara entra no barco para encontrar Corinne. Mark chega a seguir e, deduzindo o que aconteceu, instrui Barbara para que saia.

Mark é indiciado como suspeito de ter cometido assassinato e, durante toda a fase de seu julgamento, em nenhum momento ele menciona os nomes de Barbara e Paul. Por outro lado, incapaz de se manter em silêncio, conforme instruída pela tia Eula e por Paul, Barbara revela tudo o que sabe à Corte, incluindo sua conexão com a avó Carrie. Embora renegada por Eula, sua coragem é aplaudida por Mark, que passa a ver nela uma grande mulher.

imagem

Comentários

Baseado no romance "Carriage Entrance" de Polan Banks, “Orgulho e Ódio” é um bom drama do cinema norte-americano do início dos anos 50. Roteirizado por Marion Parsonnet e dirigido por Robert Stevenson, sua trama se passa em 1890, em Nova Orleans, envolvendo uma rica herdeira, que mantém um segredo, um ex-amante médico, agora casado, e um cruel jogador preocupado apenas em manter seu estilo de vida confortável, custe o que custar.

O roteiro de Marion Parsonnet é bem desenvolvido, o que ajuda Stevenson em seu trabalho de direção. A fotografia de Harry J. Wild tem o mérito de captar algumas belas tomadas de Nova Orleans. Já a trilha sonora de Friedrich Hollaender me pareceu fraca para o contexto.

No elenco, para mim, as melhores interpretações foram aquelas apresentadas por Ava Gardner e Melvyn Douglas, este no papel do ambicioso Paul Beaurevel.

CAA