Filmes por gênero

DOIS AMORES E UMA CABANA (1957)

The little hut
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: La petite hutte (França)
La cabaña (Espanha)
La capannina (Itália)
Die kleine hütte (Alemanha)
Tre på en ö (Suécia)
A kis kunyhó (Hungria)
Kolmas pyörä (Finlândia)
Den lille hytte (Dinamarca)
Pais: Reino Unido
Gênero: Comédia Romântica
Direção: Mark Robson
Roteiro: André Roussin
Produção: Mark Robson, F. Hugh Herbert
Música Original: Robert Farnon
Fotografia: Freddie Young
Edição: Ernest Walter
Direção de Arte: Elliot Scott
Guarda-Roupa: Christian Dior
Maquiagem: Mario Van Riel, Cesare Gambarelli, Riccardo Spinaci
Efeitos Sonoros: R. Cavazutti, A.W. Watkins
Efeitos Especiais: Tom Howard
Nota: 7.3
Filme Assistido em: 1959

Elenco

Ava Gardner Lady Susan Ashlow
Stewart Granger Sir Philip Ashlow
David Niven Henry Brittingham-Brett
Walter Chiari Mario
Finlay Currie Rev. Bertram Brittingham-Brett
Jean Cadell Sra. Hermione Brittingham-Brett
Jack Lambert Capt. MacWalt
Richard Wattis Oficial
Henry Oscar Sr. Trollope
Viola Lyel Srta. Edwards

Sinopse

Quando o inglês Henry Brittingham-Brett explica a seus pais que não se acha mais envolvido com a bela Susan, ela explode no escritório dele, esbanjando bastante carinho. Susan explica ao reverendo Bertram Brittingham-Brett e, à Sra. Hermione, que se acha casada com o melhor amigo de Henry, Sir Philip Ashlow, um nobre britânico que tem pouco tempo para ela, face aos seus compromissos junto ao governo.

Naquele dia, quando Philip chega em casa, Susan queixa-se sobre a forma como seus compromissos de trabalho têm atrapalhado a relação deles e o convence a convidar um grupo de amigos para umas férias em seu iate. Tendo convidado Henry e seus pais para o jantar naquela noite, Susan mostra aos convidados filmes de casa nos quais ela aparece com Henry. O reverendo e a Sra. Brittingham-Brett mostram-se perturbados, ao verem Susan e o filho se beijando em quase todas as cenas e, ainda mais constrangidos, quando o ingênuo Philip sugere que os dois estão apenas se divertindo. A Sra. Hermione, no entanto, comenta com o marido que Susan está usando o filho deles apenas para incitar o ciúme de Philip. Mais tarde, quando já se acham a sós, Susan usa sua lingerie mais sensual, a fim de despertar o interesse do marido em uma noite romântica, mas ele se mostra muito ocupado para percebê-la, terminando por beijar o cachorro Nelson ao invés dela.

Quando o casal parte em seu iate, juntamente com um grupo de amigos, para as férias por ela sugeridas, Susan espera ter bastante tempo a sós com o marido, mas ele se mostra sempre ocupado a bordo. Necessitando de alguma diversão, ela termina chamando Henry para conversarem no convés. Depois de vários dias no mar, uma violenta tempestade se abate sobre o iate, provocando seu naufrágio. Separados dos outros convidados, Philip, Susan, Henry e Nelson vão ter a uma ilha deserta tropical.

O prático e incansável Philip começa imediatamente a construir uma grande cabana, para ele e Susan, e uma menor para Henry. Secretamente, ela espera que a vida na ilha vai-lhe proporcionar mais tempo para ficar com seu marido. No entanto, este só se mostra completamente preocupado com a construção das cabanas. As tentativas de Henry para ajudá-lo são desajeitadas, fazendo até com que o casal zombe dele. Susan assume as tarefas de conseguir alimento, principalmente ostras, preparar as refeições e lavar a roupa, o que faz usando apenas sua lingerie preta, poupando seu vestido para as horas das refeições.

Na véspera da conclusão das cabanas, Susan vê, finalmente, sua chance de ficar a sós com o marido, convidando-o para um romance a dois. Enciumado com o afeto de Susan para com o marido, Henry prende Philip com um jogo de xadrez. No vigésimo sexto dia na ilha, Henry se mostra desesperado pela falta de uma companhia feminina e termina por beijar Susan, a quem propõe que tenham um caso. Longe de se sentir chocada com a atitude do amigo, e certa de que Philip jamais suspeitaria dos dois, mesmo assim ela recusa a proposta recebida. Aborrecido, Henry ameaça contar a Philip que ama Susan e a sugerir que ambos compartilhem o amor dela.

Furiosa com a sugestão imoral, ela o adverte que a proposta só vai arruinar a amizade deles. Mais tarde, naquele dia, Susan observa quando Henry sugere a Philip que os dois devem compartilhar seu amor com ela. Philip acha a sugestão deplorável, mas Henry argumenta que ele vem negligenciando a esposa e afirma que foi amante dela por vários anos. Quando Philip responde que sua mulher é muito nova para ter tido um amante por anos, Henry dá falsamente sua palavra de honra de que o caso ocorreu. Susan se ressente ao ser referida como uma criança e, por outro lado, acredita que a proposta de Henry vai deixar o marido enfurecido.

Quando Susan nega ter tido um caso com Henry, o diplomata Philip decide encontrar uma solução para o dilema. Como capitão do iate, ele afirma ter poderes para realizar casamentos e divórcios e, em seguida, pede à Susan que cite os motivos que tem para solicitar sua separação. Ela alega negligência e indiferença, citando a incapacidade dele de se lembrar da cor de sua lingerie com a qual tentou por várias vezes seduzi-lo. Philip concede-lhe o divórcio e lhe sugere que use sua consciência para decidir sobre o destino do relacionamento deles. Deixando Henry e Susan na cabana grande, Philip se dirige para a menor em companhia de Nelson.

Mais tarde naquela noite, Philip envia Nelson à cabana grande na certeza que o cachorro vai latir o suficiente para forçar Henry a sair e dormir fora. Na manhã seguinte, a competição que se forma entre os dois faz com que reacenda o interesse de Philip pelo seu casamento. Ele e Susan trocam juras de amor quando um homem, vestido como os nativos da ilha, os surpreende e, depois de amarrar Philip e Henry, arrasta Susan para a cabana grande. Uma vez lá, ela descobre que se trata de Mario, o chef do iate, que inventou um esquema para saciar seus “desejos primitivos”.

Quando Susan ri por conta das explicações de Mario, Henry e Philip assumem que ela está desfrutando das atenções de seu captor, e culpam-se mutuamente por sua infidelidade. Ao sair da cabana, Susan tem finalmente o prazer de verificar que conseguiu reacender a raiva do marido. De repente, o forte apito de um navio ecoa ao largo da costa, fazendo com que Mario grite em inglês, revelando sua verdadeira identidade.

Uma vez em segurança a bordo do navio, Henry finalmente admite que nunca teve um caso com Susan. De volta à Londres, Henry, assumindo que o divórcio era válido, vai certa noite à casa dos Ashlows a fim de pedir Susan em casamento. Uma vez lá, encontra Philip e Susan em suas roupas de dormir, preparando-se para se recolherem. Ao verificar que ela está tricotando um suéter de lã para bebê, Henry percebe a natureza de sua derrota e deixa a casa com Nelson a latir.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado na peça “La Petite Hutte” do escritor francês, André Roussin, e roteirizado pelo próprio escritor, “Dois Amores e Uma Cabana” é um razoável filme do cinema britânico do final dos anos 50. Realizado pelo cineasta Mark Robson, sua trama gira em torno do relacionamento entre três sobreviventes de um naufrágio que ficam abandonados numa ilha tropical, sendo dois deles, marido e mulher. A situação, em si, já faz com que o espectador preveja que vai rolar um triângulo amoroso, e não dá outra.

De qualquer forma, o maior problema do filme é o somatório de valores de produção bastante limitados e uma edição que deixa a desejar, criando problemas de continuidade. Embora filmado numa ilha tropical, os cenários se mostram, de certa forma, pobres.

Por outro lado, “Dois Amores e Uma Cabana” conta com um trio de atores de primeira linha, os quais demonstram uma boa química entre eles, além de Ava Gardner arrasar com sua beleza estonteante, um verdadeiro colírio para os olhos.

CAA