Filmes por gênero

CHEGA DE SAUDADE (2008)

imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Pais: Brasil
Gênero: Drama, Música
Direção: Laís Bodanzky
Roteiro: Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi
Produção: Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi, Débora Ivanov e outros
Música Original: Eduardo Bid
Coreografia: J.C. Violla
Fotografia: Walter Carvalho
Edição: Paulo Sacramento
Direção de Arte: Marcos Pedroso
Figurino: André Simonetti
Guarda-Roupa: Yuki Tatsumi, Débora Alves, Célia Vasconcelos
Maquiagem: Doel Sauer Dromm, Eduardo Araújo
Efeitos Sonoros: Geraldo Ribeiro, João Godoy, A. Torres Jr., Alessandro Laroca
Efeitos Visuais: Robson Sartori, Rogério Marinho
Nota: 7.7
Filme Assistido em: 2008

Elenco

Betty Faria Elza
Tônia Carrero Alice
Stepan Nercessian Eudes
Leonardo Villar Álvaro
Cássia Kiss Marici
Clarisse Abujamra Rita
Miriam Mehler Nice
Luiz Serra Ernesto
Maria Flor Bel
Paulo Vilhena Marquinhos
Elza Soares Ana - crooner da banda
Marly Marley Liana
Marku Ribas Wanderley - crooner da banda
Conceição Senna Aurelina
Ivan de Almeida Paquera da Aurelina
Jorge Loredo Dionísio
Marcos Cesana Gilson, o garçom
Domingos de Santis Vágner
Raul Bordale Argentino
Beno Bider Gordo Ferreira
Tomás Gomes Gerente do salão
Marlene Silva Mulher do Sr. Ernesto
Jack Militello Erivelton
Homero Kossac Sr. Ernesto
Carmen Milian Dona Carmen

Prêmios

Festival de Cinema de Brasília, DF

Troféu Candango de Melhor Direção (Laís Bodanzky)

Troféu Candango de Melhor Roteiro (Luiz Bolognesi )

Prêmio do Público (Melhor Filme)

Grande Prêmio Brasileiro de Cinema, Brasil

Prêmio de Melhor Figurino

Indicações

Festival de Cinema de Cartagena, Colômbia

Prêmio de Melhor Filme

Grande Prêmio Brasileiro de Cinema, Brasil

Prêmio de Melhor Direção (Laís Bodanzky)

Prêmio de Melhor Roteiro Original

Prêmio de Melhor Som

Prêmio de Melhor Trilha Sonora

Prêmio de Melhor Edição

Prêmio de Melhor Fotografia

Prêmio de Melhor Direção de Arte

Prêmio de Melhor Ator (Stepan Nercessian)

Prêmio de Melhor Atriz (Cássia Kiss)

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Clarisse Abujamra)

Sinopse

 

Em São Paulo, os assíduos freqüentadores da União Fraterna, um conhecido Clube de Danças de Salão, começam a chegar para mais uma alegre noitada.

Entre eles, chegam juntos ao local do baile, Marici e Eudes, assim como, Alice e Álvaro. Marquinhos, o rapaz encarregado pelo som, chega com a namorada, Bel, com planos de, em seguida, viajarem para uma praia. Paralelamente, Elza, uma carente mulher de meia-idade, chega ao Salão em companhia de sua amiga, Nice.

Assim, ao longo de algumas horas de muita música e dança, várias histórias se desenrolam. Eudes e Marici, por exemplo, fazem amizade com Bel. Enquanto a jovem aguarda o fim do evento para seguir com o namorado em direção ao litoral, é convidada por Eudes para uma dança. Este, encantado com sua juventude, tenta seduzi-la. Bel reage a suas investidas, mas depois de alguns drinques, mostra-se entusiasmada com a lábia do malandro de salão, para desespero do namorado ciumento dela, impossibilitado de intervir por não poder largar sua função de DJ, como também de Marici, que mantém um caso com Eudes.

Em outro canto do Salão, o casal maduro, Alice e Álvaro, inicialmente estremecido pelo mau-humor dele, por se achar com uma perna imobilizada, termina superando as dificuldades e arriscando alguns passos na pista de dança.

Rita, uma mulher casada, chega ao local, enquanto seu marido acredita que ela se encontra num Shopping. Depois de trocar alguns olhares sedutores com Argentino, considerado o melhor dançarino da noite, ela se lança em seus braços e, transbordando sensualidade, desliza pelo salão ao som de um maravilhoso tango.

Para a carente Elza, tudo dá errado. De olho em Ernesto, este se mostra interessado em sua amiga, Nice. Desesperada, termina pagando por uma volta no salão e um beijo.

Ao final da noitada, Bel e Marquinhos se desentendem e ela decide não seguir com ele para a praia. Enquanto isso, ao ver Marici caminhando sozinha pela calçada, Eudes passa a acompanhá-la de dentro de sua caminhoneta, até convencê-la, com sua lábia, a entrar no veículo.

imagem imagem imagem imagem imagem imagem

Comentários

Depois de estrear no cinema com o premiado filme “Bicho de Sete Cabeças”, a cineasta paulistana Laís Bodanzky nos brinda com mais um ótimo filme nacional, “Chega de Saudade”.
Sua trama desenvolve-se a partir do momento em que os primeiros freqüentadores de um Clube de Danças de Salão chegam ao local, para mais uma noitada, até aquele em que o baile é encerrado por volta da meia-noite. Nela, através de seus diversos personagens, são abordados temas como o amor, a amizade, a solidão, a frustração, a carência, a traição e o desejo, tudo embalado por belas músicas que vão do samba ao tango, passando pelo bolero, do forró ao foxtrote.
Não me soou bem o fato do filme procurar passar a imagem de que os freqüentadores, majoritariamente pertencentes à terceira idade, procuram tais bailes à procura de aventuras amorosas, quando se sabe que, embora elas existam, a maioria daqueles que freqüentam clubes de danças de salão, o fazem pelo simples prazer de dançar e de conhecer novas pessoas, sem distinção de sexo, cor ou credo.
No elenco, formado em sua maioria por atores maduros, destaca-se a atuação de Cássia Kiss, com seus 50 anos bem vividos, seguida pela de Stepan Nercessian, com 54.  Entre os demais atores, acham-se Tônia Carrero (85), Leonardo Villar (84), Miriam Mehler (72), Luiz Serra (71), Marly Marley (70) e Clarisse Abujamra (61).
No palco do Salão, juntamente com o cantor Marku Ribas, Elza Soares (71) anima a festa.
Na equipe técnica, além da boa direção exercida por Bodanzky, merecem ser destacados os trabalhos do roteirista, Luiz Bolognesi, e do Diretor de Fotografia, Walter Carvalho.

CAA