Filmes por gênero

OS AMORES DE PANDORA (1951)

Pandora and the Flying Dutchman
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Pandora y el holandés errante (Espanha)
Pandora und der fliegende holländer (Alemanha)
Pandora (França, Itália, Portugal)
Pandora och den flyggade holländaren (Suécia)
Pandora ja lentävä hollantilainen (Finlândia)
Pandora og den flyvende hollænder (Dinamarca)
Pandora i Latajacy Holender (Polônia)
Пандора и Летучий Голландец (União Soviética)
Pais: Reino Unido
Gênero: Drama, Fantasia, Mistério, Romance
Direção: Albert Lewin
Roteiro: Albert Lewin
Produção: Albert Lewin, Joe Kaufmann
Design Produção: John Bryan
Música Original: Alan Rawsthorne
Direção Musical: Hubert Clifford
Fotografia: Jack Cardiff
Edição: Ralph Kemplen
Figurino: Beatrice Dawson
Guarda-Roupa: Julia Squire
Efeitos Sonoros: Alan Allen, Harry Miller
Efeitos Especiais: W. Percy Day
Nota: 8.2
Filme Assistido em: 1953

Elenco

Ava Gardner Pandora Reynolds
James Mason Hendrik van der Zee
Nigel Patrick Stephen Cameron
Sheila Sim Janet
Harold Warrender Geoffrey Fielding
Mario Cabré Juan Montalvo
Marius Goring Reggie Demarest
John Laurie Angus
Pamela Mason Jenny
Patricia Raine Peggy
Margarita D'Alvarez Sra. Montalvo
Abraham Sofaer Juiz
Francisco Igual Vicente
Guillermo Beltrán Barman
John Carew Padre
Eddie Leslie Médico
Gerald Welsh Médico Assistente
Helen Cleverley Enfermeira
Christiana Forbes Enfermeira
La Pillina Dançarina espanhola
Pepe de la Isla Guitarrista
Lolita Allergria Cantora

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 1930, na cidade de Esperanza, situada na costa mediterrânea espanhola, pescadores descobrem os corpos de um homem que se afogou e de uma mulher. Enquanto pessoas da cidade acorrem à praia, o inglês Geoffrey Fielding relembra acontecimentos ocorridos nos últimos seis meses: No início de março, Geoffrey encontra um velho manuscrito holandês sobre a lenda do Holandês Voador. Naquela mesma noite, ele se junta a um grupo internacional de amigos, em uma taberna local, onde Reggie Demarest comemora o primeiro aniversário do seu encontro com a cantora Pandora Reynolds. Americana, Pandora gosta dele, mas obcecado por ela, ele cai morto de tanto beber na taberna.

O piloto inglês de carros de corrida, Stephen Cameron, com quem Pandora está tendo um affair, expressa um sentimento de culpa quando Reggie passa mal, mas Pandora friamente se afasta, assegurando Stephen de que só ela poderia ter alguma culpa. Alguns dos amigos de Reggie acreditam que Pandora é uma mulher cruel, mas Geoffrey sabe que ela não o é. Vários dias depois, ele encoraja Stephen a dar uma volta com Pandora, em seu carro de corrida, para irritação da sobrinha de Geoffrey, Janet, que está apaixonada pelo piloto. Quando o casal pára para admirar a vista, eles avistam uma escuna no mar e, brincando, Stephen diz que o barco o faz lembrar da história do Holandês Voador.

Pandora estimula Stephen a se casar com Janet, mas o piloto insiste que é a ela que ama. A título de desafio, a cantora promete se casar com ele se ele empurrar seu precioso carro de corrida para fora do alto penhasco onde se encontram. Para sua enorme surpresa, o piloto atende a seu pedido e ela se compromete a se casar com ele em seis meses. Mais tarde, ao tomar conhecimento do ocorrido, Geoffrey filosofa sobre o amor e responde a perguntas de Pandora sobre o Holandês Voador. Ele explica que, na lenda, o holandês foi condenado a navegar eternamente pelos mares a não ser que uma mulher se dispusesse a morrer por ele. Em seguida, enquanto Geoffrey e Stephen continuam a conversar, Pandora sai furtivamente, tira suas roupas e nada nua até a escuna.

Uma vez a bordo, ela se envolve numa lona e se aproxima do salão, onde um homem está a pintar. Este, que é holandês, se apresenta como sendo Hendrik van der Zee, e se diverte quando Pandora revela seu nome, uma vez que está pintando o retrato da Pandora mítica. Por outro lado, a cantora se assusta ao verificar que a mulher na pintura é muito parecida com ela, o que a leva instintivamente a tentar arruinar a tela. Stephen e Geoffrey chegam numa lancha e Pandora se despede de Hendrik, depois que o holandês promete jantar com eles na noite seguinte. Em pouco tempo, Hendrik se muda para uma Villa e se torna parte do círculo de amizades de Pandora.

Certa noite, no final de agosto, Hendrik procura Geoffrey para ver o manuscrito que ele havia prometido ajudar a traduzi-lo. Geoffrey fica surpreso ao verificar que o holandês para de ler o manuscrito, passando a recitar seu conteúdo como se o soubesse de cor:
“No século XVII, um rico capitão chega de viagem em casa, ansioso para ver sua bela e jovem esposa. Olhando-a dormindo, o capitão, sentindo que ela o tem traído, a mata com sua faca. Quando ele é condenado por homicídio, ataca e grita para o juiz que poderia navegar por toda a eternidade sem encontrar uma única mulher fiel. Na noite anterior à sua execução, o capitão acorda e encontra a porta de sua cela aberta. Ele imediatamente corre até seu navio, onde a tripulação está se preparando para zarpar. Adormecendo em seus aposentos, o capitão tem um sonho no qual uma voz lhe diz que sua esposa nunca lhe foi infiel. Ao acordar, a tripulação havia desaparecido e ele percebe que, no tribunal, ele havia pronunciado sua própria sentença: navegar por toda a eternidade, aportando a cada sete anos, para tentar encontrar em seis meses uma mulher disposta a se sacrificar por ele.”

Ao final do manuscrito, por tudo o que ouviu, Geoffrey tem certeza que Hendrik é o holandês da lenda, e que sua amiga Pandora é a mulher. Nesse momento, ela chega e confirma que vai se casar no próximo dia 3 de setembro. Hendrik responde que deve embarcar naquele dia e, por conseguinte, não vai poder comparecer ao evento. Pouco tempo depois, Juan Montalvo, o maior matador da Espanha, retorna à Esperanza, onde nasceu. Ele, que havia sido amante de Pandora no passado, tenta impressioná-la e a Hendrik com uma tourada à meia-noite. Em seguida, ele leva a cantora até a casa de sua mãe, uma cigana que o adverte para que pare de ver Pandora e os amigos dela.

No dia seguinte, Stephen quebra o recorde de velocidade em terra em uma corrida ousada, e a cidade comemora. No jantar, Janet, embriagada, acusa Stephen de ser um tolo e bate em Pandora. Quando Janet foge, chorando, Pandora pede a Stephen para ir atrás dela. Os foliões, em seguida, vão à praia, enquanto Pandora e Hendrik perambulam a sós e se beijam. Os dois são observados por Juan, que se enfurece ao ouvi-la dizer que se acha profundamente apaixonada por Hendrik. O momento de ternura é quebrado quando o holandês afirma que está revoltado com os flertes dela e vai embora. Quando o dia de seu casamento se aproxima, Pandora confidencia a Geoffrey que sabe do sacrifício que Hendrik está fazendo, mas não diz nada. Uma semana antes, Juan procura Pandora para lhe propor casamento, mas é tão agressivo que ela o adverte para não tentar resolver seus problemas com violência. Ele lhe responde dizendo que ela nunca se casará com Stephen porque ela ama ‘o outro’ que não a quer. Naquela noite, quando Hendrik retorna à sua Villa, é atacado pelas costas por Juan, que lhe atira uma faca, aparentemente matando-o.

Logo depois que Juan vai embora, Hendrik se acorda e pede a Deus para morrer a fim de que Pandora possa viver. Nesse instante, ela chega preocupada com a segurança dele, já que sonhara que ele seria morto. No dia seguinte, durante uma tourada, quando Juan se prepara para matar o touro, ele vê Hendrik sentado ao lado de Pandora e, completamente atordoado, não percebe quando o animal o fere gravemente por várias vezes. Antes de morrer, Juan confessa que havia matado Hendrik e que acredita que Deus o castigou. Na noite da despedida de solteiro de Stephen, Pandora visita Geoffrey por suspeitar que ele conhece toda a verdade sobre Hendrik.

Através de seu telescópio, Geoffrey tem acompanhado a escuna a se preparar para partir. Pandora o procura e lhe fala sobre a confissão de Juan e lhe diz que ela morrerá se não conseguir ver Hendrik novamente. Acreditando ser tarde demais para evitar que Hendrik parta, Geoffrey dá à Pandora uma tradução do manuscrito e a deixa sozinha. Depois de o ler, ela corre até a beira-mar e nada até a escuna, onde ela e Hendrik revelam seu mútuo amor. Nesse instante, uma violenta tempestade se abate sobre eles, quando Pandora assegura a Hendrik que não está com qualquer tipo de medo. Pouco depois, não resistindo aos fortes ventos, a escuna naufraga com os dois em seu interior.

imagem

Comentários

Escrito e dirigido pelo cineasta Albert Lewin, “Os Amores de Pandora” é um filme muito bom do início dos anos 50. Produzido na Grã Bretanha pelos Estúdios da Romulus Films, sua trama gira em torno de uma lenda sobre um navegador holandês que, segundo a mesma, depois de ter assassinado sua esposa, teria sido condenado a vagar pelos mares por toda a eternidade, a menos que encontrasse uma mulher que se dispusesse a morrer por ele.

O trabalho de Lewin é, de um modo geral, muito bom, embora imprima um ritmo um pouco lento em relação ao que a trama exige. Com o uso de flashbacks, a história que fala do amor, que transcende o tempo, mistura realismo com fantasia. Os operadores de câmeras, habilmente supervisionados por Jack Cardiff, contribuem para o brilho de cenas como as badaladas sinistras de um sino em uma alta torre de uma praia marcada pelo vento. Além dos requintados cenários, as câmeras capturam ainda as belezas dos costumes espanhóis, das danças flamencas às famosas touradas.

No elenco, o grande nome a ser citado é o de James Mason, no papel de Hendrik van der Zee, o holandês voador. Com sua beleza de tirar o fôlego, Ava Gardner mostra sua elegância em cada um de seus movimentos, mas, no que tange à sua atuação, ela se mostra melhor na primeira metade do filme.

CAA