Filmes por gênero

DEPOIS DO VENDAVAL (1952)

The quiet man
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: O homem tranqüilo (Portugal)
L'homme tranquille (França, Bélgica)
El hombre tranquilo (Espanha)
El hombre quieto (Argentina)
Un uomo tranquillo (Itália)
Der Sieger (Austria, Alemanha)
Hans vilda fru (Suécia)
Een yankee uit Ierland (Holanda)
Den tavse mand (Dinamarca)
Тихий человек (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Melodrama
Direção: John Ford
Roteiro: Frank S. Nugent
Produção: John Ford, Merian Cooper
Música Original: Victor Young
Direção Musical: Jerry Roberts
Fotografia: Winton C. Hoch
Edição: Jack Murray
Direção de Arte: Frank Hotaling
Figurino: Adele Palmer
Guarda-Roupa: Adele Palmer, Neva Bourne, Ted Towey
Maquiagem: Web Overlander, James R. Barker, Bob Mark
Efeitos Sonoros: Howard Wilson, T.A. Carman
Efeitos Especiais: Howard Lydecker, Theodore Lydecker
Nota: 9.1
Filme Assistido em: 1953

Elenco

John Wayne Sean Thornton
Maureen O'Hara Mary Kate Danaher
Barry Fitzgerald Michaeleen Oge Flynn
Ward Bond Padre Peter Lonergan
Victor McLaglen Will 'Red' Danaher
Mildred Natwick Viúva Sarah Tillane
Francis Ford Dan Tobin
Eileen Crowe Sra. Elizabeth Playfair
Arthur Shields Reverendo Cyril Playfair
Charles B. Fitzsimons Hugh Forbes
James O'Hara Padre Paul
Philip Stainton Bispo anglicano
Sean McClory Owen Glynn
Jack MacGowran Ignatius Feeney
Joseph O'Dea Molouney
Eric Gorman Costello
Kevin Lawless Bombeiro do trem
Tiny Jones Nell
Eileen Crowe Sra. Elizabeth Playfair
Mae Marsh Mãe do Padre Paul
Harry Tyler Pat Cohan
Pat O'Malley Homem no Bar
May Craig Pescadora
Mimi Doyle Filha de Dan Tobin

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Fotografia (Winton C. Hoch, Archie Stout)

Oscar de Melhor Direção (John Ford)

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Internacional (John Ford)

Prêmio Pasinetti de Melhor Filme (John Ford)

Prêmio OCIC (John Ford)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (John Ford)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de uma Comédia Americana (Frank S. Nugent )

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (Victor McLaglen)

Oscar de Melhor Filme (John Ford, Merian C. Cooper)

Oscar de Melhor Gravação de Som (Daniel J. Bloomberg)

Oscar de Melhor Roteiro (Frank S. Nugent )

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Frank Hotaling, John McCarthy Jr., Charles S. Thompson)

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Leão de Ouro (John Ford)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Direção (John Ford)

Prêmio de Melhor Trilha Sonora Original (Victor Young)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Nos Estados Unidos, Sean Thornton, um lutador de boxe descendente de irlandeses, decide largar a carreira após matar, acidentalmente, um adversário em pleno ringue.  Em seguida, resolve voltar à pequena cidade de Innisfree, na Irlanda, onde outrora sua família possuía uma casa de campo.

Ao chegar à Innisfree, procura a rica viúva Sarah Tillane, agora proprietária da antiga casa de sua mãe, a fim de lhe fazer uma proposta de recompra do imóvel.  Will 'Red" Danaher, um homem rude e briguento, ao saber do que está ocorrendo, vai até a casa da Sra. Tillane tentar impedir o negócio, já que ele deseja há algum tempo a casa para si próprio.  Ao chegar lá, fica furioso quando a viúva decide vender o imóvel a Thornton, principalmente por ter sabido que Danaher havia boatado no 'pub' local que iria se casar com ela.

Ao chegar à nova moradia, encontra Mary Kate Danaher, irmã de Will, que acabara de fazer uma faxina no local.  Ele a pega pelo braço e, em seguida a beija com paixão.  Ela revida com um tapa no rosto.  Pouco tempo depois, entretanto, Mary Kate sente-se completamente apaixonada por Thornton.  Os dois decidem casar-se o mais breve possível.

No dia do casamento, Will nega-se a dar o dote a que a irmã tem direito pela tradição familiar e da região, dote esse representado por 350 libras, em ouro, além dos móveis para a nova casa.  Thornton não quer saber do dinheiro, mas Mary Kate não abre mão do mesmo.  A animosidade de Will para com Thornton, nascida desde o momento em que este adquiriu a casa da viúva Tillane, termina com um soco que deixa o noivo caído ao chão.

Quando Thornton se recupera da agressão sofrida, leva Mary Kate para a lua-de-mel em sua casa.  A noiva, entretanto, recusa-se a consumar o casamento, por achar que a falta de interesse pelo dote, demonstrada por Thornton, nada mais é do que sua falta de interesse por ela.

Mary Kate pede ajuda ao padre Lonergan, que a aconselha a fazer as pazes com o marido.  Por outro lado, Thornton confidencia ao pastor Playfair, da igreja anglicana, as razões pelas quais tem se esquivado de um confronto com Will.  Playfair o incentiva a lutar pelo amor de sua mulher e não pelo dinheiro dela.

Em casa, eles falam sobre os conselhos recebidos dos religiosos, mas o problema principal permanece, pois Mary Kate o tem como um covarde, incapaz de lutar por seus interesses. Na manhã seguinte, ao acordar, Thornton verifica que sua mulher acabou de deixá-lo, ao sair para apanhar o trem para Dublin.  Determinado a lutar pela mulher amada, ele corre até a estação e a retira do trem, pouco antes de sua partida.

Os dois partem para a fazenda de Will, onde Thornton exige dele o pagamento do dote, sob pena de considerar o casamento acabado, conforme manda a tradição local.  Quando Will inicialmente nega, ele devolve Mary Kate para o irmão.  Este, entretanto, decide entregar a pequena fortuna para não ficar mal diante dos habitantes locais.

Agora que sua honra foi triunfantemente defendida pelo marido, Mary Kate se sente amada.  Quanto ao dinheiro, ele é incinerado, como forma de Thornton exorcizar o trauma adquirido ao matar um homem durante uma luta de boxe.

Will e Thornton terminam se enfrentando.  A partir daí, a animosidade inicial vai-se dissipando e, ao final, a família Danaher é harmoniosamente reunida.  O romance entre Will e a viúva Tillane é encorajado por todos.

imagem

Comentários

"Depois do Vendaval" é mais um ótimo filme do grande cineasta John Ford.  Partindo de um roteiro muito bem estruturado, o filme procura fazer um tributo sentimental e nostálgico à cultura e às famílias irlandesas.

A fotografia de Winton C. Hoch e a música de Victor Young são magníficas.  O elenco é de primeira linha.  John Wayne e Maureen O'Hara, dois dos atores preferidos de Ford, estão muito bem em seus papéis.  Victor McLaglen, como o rude e briguento Will 'Red" Danaher, é o grande destaque do filme, no quesito elenco.  Merecem ainda menção, as atuações de Barry Fitzgerald, Ward Bond e Mildred Natwick.

CAA