Filmes por gênero

JULIETA DOS ESPÍRITOS (1965)

Giulietta degli spiriti
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Juliette des esprits (França, Canadá)
Juliet of the Spirits (USA)
Giulietta de los espíritus (Espanha, Argentina, México)
Julia und die Geister (Alemanha)
Julietta och andarna (Suécia)
Julietta og åndene (Noruega)
Juliette (Dinamarca)
Джульетта и духи (Rússia)
Pais: Itália, França
Gênero: Comédia Dramática, Fantasia
Direção: Federico Fellini
Roteiro: Federico Fellini, Ennio Flaiano, Tullio Pinelli, Brunello Rondi
Produção: Angelo Rizzoli, Henry Deutschmeister, C. Fracassi
Design Produção: Giantito Burchiellaro, Luciano Riccieri, E. Benazzi Taglietti
Música Original: Nino Rota
Direção Musical: Carlo Savina
Fotografia: Gianni Di Venanzo
Edição: Ruggero Mastroianni
Direção de Arte: Piero Gherardi
Figurino: Piero Gherardi
Guarda-Roupa: Alice Brugnaro, Clara Poggi, Bruna Parmesan
Maquiagem: Otello Fava, Eligio Trani
Efeitos Sonoros: Mario Faraoni, Mario Morigi, Primiano Muratori
Nota: 8.8
Filme Assistido em: 1966

Elenco

Giulietta Masina Giulietta Boldrini
Sandra Milo Suzy / Iris / Fanny
Mario Pisu Giorgio, marido de Giulietta
Valentina Cortese Valentina
Valeska Gert Pijma
José Luis de Villalonga Amigo de Giorgio
Sylva Koscina Sylva
Caterina Boratto Mãe de Giulietta
Lou Gilbert Avô
Luisa Della Noce Adèle
Silvana Jachino Dolores
Milena Vukotic Elisabeta, empregada de Giulietta
Elisabetta Gray Teresina, empregada de Giulietta
Elena Fondra Elena
Eugene Walter Madre Superiora
Yvonne Casadei Empregada de Susy
Inna Alexeievna Avó de Susy
Raffaele Guida Príncipe árabe
Walter Harrison Dom Raffaele
Friedrich von Ledebur Medium
Anne Francine Psicodramaturga
Mario Conocchia Advogado
Alba Cancellieri Giulietta, quando criança
Cesarino Miceli Picardi Amigo de Giorgio

Prêmios

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Atriz Coadjuvante (Sandra Milo)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Fotografia a Cores (Gianni Di Venanzo)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Design de Produção (Piero Gherardi)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Figurino (Piero Gherardi)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Atriz (Giulietta Masina)

Círculo dos Críticos de Cinema de Kansas City, USA

Prêmio de Melhor Direção (Federico Fellini)

Prêmios Sant Jordi de Barcelona

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro (Federico Fellini)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Figurino (Piero Gherardi)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Piero Gherardi )

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Direção (Federico Fellini)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Atriz (Giulietta Masina)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

 Giulietta Boldrini é uma mulher amável, casada, burguesa, de 40 anos, que vive numa bela chácara situada no litoral próximo à Roma.  Assistida por duas empregadas, Elisabeta e Teresina, recebe com freqüência membros da família e amigos que lhe visitam.

No dia do 15º aniversário de seu casamento, após preparar um jantar especial para seu marido, Giorgio, ela o aguarda ansiosamente.  Ele chega acompanhado de um grupo de amigos, sem se lembrar data tão especial para ela.  Por iniciativa de Valentina, uma das pessoas presentes, uma sessão espírita é organizada por um médium, durante a qual o espírito de uma certa Iris manifesta-se proclamando "Amor para Todos".

Na noite seguinte, enquanto Giorgio dorme a seu lado, ela o ouve pronunciar diversas vezes o nome Gabriella.  Preocupada, insegura e aconselhada por sua irmã, Giulietta procura os serviços de um detetive particular.  Este promete-lhe conseguir informações sobre o comportamento do marido em poucos dias.

Nesse ínterim, aceita o convite de uma vizinha, Suzy, uma bela e provocante loura, que se veste de maneira bastante extravagante, para passar um dia em sua enorme propriedade.  Numa mansão, suntuosamente mobiliada, Giulietta é apresentada aos mais diferentes e bizarros tipos de pessoas: a avó de Suzy, uma espécie de feiticeira que não dorme há cinco anos;  Arlète, uma bela jovem que já tentou o suicídio por três vezes;  uma mulher que veio de um bordel;  e um russo fetichista.  Impressionada com esse mundo estranho, fascinada  e quase seduzida por um belo jovem, num ímpeto ela foge e retorna à sua casa, prometendo a si mesma nunca mais retornar lá.

Após receber um telefonema do escritório do detetive contratado, ela o procura e constata que seu marido está realmente tendo um caso com uma bela modelo de 24 anos, Gabriella Olsen, o que lhe é mostrado através de filmes e fotografias.

Ao chegar em casa, encontra o marido reunido com um grupo de pessoas e, sob a orientação da Dra. Miller, algumas participam de um jogo: o psicodrama.  Através dele, segundo ela, procura-se reviver angústias da própria vida.  Para surpresa de Giorgio, Giulietta decide participar do tal jogo.  Ao iniciá-lo, ela sofre uma agitação psíquica que evoca lembranças da infância.  Ela se vê numa sessão teatral organizada por religiosas, onde faz o papel de uma santa mártir que é devorada por chamas artificiais.  Crenças terríveis são-lhe impostas, principalmente em relação ao que seria pecado.  Ao final da prova, sente-se calma e reconciliada consigo mesma, aceitando seu destino com um ligeiro sorriso.

As pessoas começam a deixar o local, enquanto ela dança com seu advogado.  Ao terminar, uma de suas empregadas lhe informa que Giorgio mandou avisá-la que teve que sair mais cedo.  Seu advogado comunica-lhe que a lei já não requer flagrante no adultério.  Segundo ele, basta uma prova indiciária para seu marido ser condenado.  Por outro lado, a Dra. Miller lhe diz que acredita ter compreendido o que a atormenta e que pode ajudá-la.  Segundo ela, Giulietta tem medo da solidão, que o marido a deixe mas que, no fundo, é exatamente isso o que ela mais deseja: sua separação conjugal.  Sem Giorgio, começaria a respirar, a viver, a ser ela mesma.

No dia seguinte, Giulietta vai pessoalmente à casa de Gabriella, mas não a encontra.  Pela criada, toma conhecimento que ela está para viajar com o namorado.  Ao voltar para casa, encontra Giorgio de malas prontas para viajar de automóvel até Milão.

Quando ele parte, Giulietta volta às suas lembranças da infância, revivendo alguns eventos que a marcaram, ao fim dos quais uma nova e definitiva onda de tranqüilidade toma conta de si.  Abrindo os portões da casa, sai pelos terrenos de sua propriedade, totalmente invadida por um forte sentimento de liberdade.

imagem imagem imagem

Comentários

"Julieta dos Espíritos" é mais um excelente filme italiano.  Realizado pelo grande diretor Federico Fellini, sua trama envolve uma pacata mulher, Julieta, que, ao descobrir que está sendo traída pelo marido, vê-se obrigada a tomar uma difícil decisão.  Nessa fase, pressionada por seus valores em relação à família, à igreja e à sociedade, ela enfrenta seus próprios demônios numa tentativa de se livrar de traumas que carrega desde a infância, principalmente no que tange à sua sexualidade reprimida.
Bem ao estilo felliniano, a narrativa mistura realidade com fantasia, exigindo do espectador um esforço redobrado para acompanhá-la.  Através de sonhos, Julieta volta à sua infância num esforço para se ver liberada de seus medos e neuroses que carrega ao longo da vida.  Tudo é feito de uma forma tão brilhante que realmente se torna difícil distinguir o que é ficção e o que é real.

"Julieta dos Espíritos" é, por outro lado, uma espécie de versão feminina de "Fellini, Oito e Meio", realizado dois anos antes.  Ao invés de termos um homem de meia-idade lidando com problemas matrimoniais e tentando descobrir quem realmente ele é, neste novo filme temos uma mulher, também de meia-idade, e lidando com os mesmos tipos de problemas.

Tecnicamente, além do genial trabalho do cineasta, "Julieta dos Espíritos" conta ainda com a bela trilha sonora de Nino Rota, compositor presente na grande maioria de seus filmes, com a fotografia exemplar de Gianni Di Venanzo, com ótimos trabalhos de figurino e maquiagem e, sem sombra de dúvida, com a magnífica interpretação de Giulietta Masina, seguida pelas grandes atuações de Sandra Milo e Valentina Cortese.

CAA