Filmes por gênero

RAPSÓDIA (1954)

Rhapsody
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Rhapsodie (França, Bélgica)
Symphonie des Herzens (Alemanha, Austria)
Rapsodi (Suécia)
Rapszódia (Hungria)
Rhapsodi (Dinamarca)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Melodrama, Música
Direção: Charles Vidor
Roteiro: Fay Kanin, Michael Kanin
Produção: Lawrence Weingarten
Música Original: Johnny Green
Fotografia: Robert H. Planck
Edição: John D. Dunning
Direção de Arte: Cedric Gibbons, Paul Groesse
Figurino: Helen Rose
Maquiagem: William Tuttle
Efeitos Sonoros: Douglas Shearer
Efeitos Especiais: Warren Newcombe, A. Arnold Gillespie
Nota: 8.0
Filme Assistido em: 1955

Elenco

Elizabeth Taylor Louise Durant
Vittorio Gassman Paul Bronte
John Ericson James Guest
Louis Calhern Nicholas Durant
Michael Chekhov Prof. Schuman
Barbara Bates Effie Cahill
Richard Hageman Bruno Fürst
Richard Lupino Otto Krafft
Celia Lovsky Sra. Sigerlist
Stuart Whitman Dove
Madge Blake Sra. Cahill
Jack Raine Edmund Streller
Birgit Nielsen Madeleine
Jacqueline Duval Yvonne
Norma Nevens Estudante de piano
Konstantin Shayne Professor Kelber
John Mylong Médico
Lisa Golm Secretária
Stuart Holmes Homem na platéia do último concerto
Gordon Richards Mordomo inglês
Gábor Curtiz Garçom
Richard Richonne Garçom

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em sua “Villa” no sul da França, a bela e jovem Louise Durant diz ao seu riquíssimo pai, Nicholas, que está indo para o Conservatório de Zurique a fim de estudar piano e ficar perto de seu amigo Paul Bronte, um violinista em seu último ano de estudos. Louise diz ainda que pretende se casar com Paul, embora ele ainda não saiba disso.

Uma vez em Zurique, Louise aluga um apartamento da Sra. Sigerlist, e conhece um inquilino, James Guest, um americano estudante de piano. Na manhã seguinte, após estar com o Prof. Schuman e reconhecer não possuir um talento excepcional, Louise diz ao professor que quer estudar no Conservatório para ficar perto do homem que ama. Quando o paciente professor lhe diz que os grandes músicos nem sempre se tornam bons maridos, a jovem confessa que não pretende dividir a paixão de Paul com a música. Schuman então diz a Paul que ele foi escolhido para tocar violino solo no Concerto de Tchaikovsky em D Maior com a Filarmônica de Zurique. Paul deixa Louise sozinha na sala de espera de Schuman por horas, enquanto pratica a peça, e ela finalmente vai embora furiosa. Quando ele volta a encontrá-la, embora ela se ache desanimada por ele a colocar em 2º plano, atrás de sua música, ele a persuade a ficar.

Louise começa uma relação de amizade com James, e o permite usar seu piano para praticar. Certo dia, a jovem recebe um telegrama de seu pai pedindo-lhe que vá se encontrar com ele em St. Moritz e leva Paul com ela. Nicholas acha o jovem meio arrogante e previne a filha de que o rapaz nunca precisará dela como ela gostaria. Quando a data do concerto se aproxima, Paul discute com o regente durante um ensaio; e quando Schuman o repreende, ele vai embora furioso.   Louise tenta consolá-lo, mas Paul se culpa por não estar preparado. Schuman dá uma nova chance a ele e este diz à Louise que eles não devem se ver até depois do concerto. Embora relute, a jovem consente e os dois passam a se comunicar apenas por telefone, durante todo o período de ensaio intensivo.

Na noite do concerto, Paul atua com grande paixão e, depois do espetáculo, ela fica mais uma vez esperando-o sozinha. A carreira de Paul deslancha imediatamente, mas Louise sente-se excluída e não sente qualquer prazer com o sucesso dele. Quando Paul lhe diz que precisa continuar a se dedicar mais ao seu trabalho, os dois brigam e Louise vai embora. À noite, de seu apartamento, ela o vê beijar uma linda estudante do Conservatório e, em seguida, sair com a garota de carro.

Mais tarde, naquela noite, a Sra. Sigerist ouve um barulho vindo do quarto de Louise. Ela procura a ajuda de James e, juntos, derrubam a porta do quarto da jovem e a encontram inconsciente no chão após ter tomado uma overdose de pílulas. Nicholas é chamado e fica impressionado com a devoção de James durante a recuperação dela. Uma vez recuperada, Louise se prepara para ir ao encontro do pai em Paris. James pede-lhe para que fique, e embora a jovem rejeite suas declarações de amor, o desespero dele mexe com ela.

O tempo passa enquanto Paul faz uma turnê pelo mundo como violinista concertista. Um dia, depois de encontrar Nicholas numa rua de Paris, Paul telefona para Louise e, feliz, ela concorda em encontrá-lo. Enquanto a espera no bar do hotel, Paul vê James numa cabine telefônica, completamente bêbado. Ao saber que ele e Louise se casaram algumas semanas antes, Paul vai embora.

Louise procura Paul no Concert Hall e lhe promete divorciar-se de James. Embora admita que ainda a ame, Paul rejeita sua sugestão. Numa conversa com a filha, Nicholas a convence de que ela precisa se redimir aos olhos de Paul, ajudando James. Louise diz então ao marido que eles precisam voltar para Zurique. Uma vez lá, James volta para o Conservatório enquanto ela suporta suas longas horas de treinamento. Quando é anunciado o primeiro concerto de James, Louise manda um bilhete para o pai pedindo-lhe que ele faça com que Paul saiba que ela fez tudo isso por ele. Atendendo ao pedido da filha, Nicholas entrega o bilhete a Paul, que fica encantado com a mudança ocorrida em Louise.

Pouco tempo depois, ao chegar em casa, Louise encontra uma carta embaixo de sua porta. Na noite de estréia do concerto de James, Louise lhe avisa que, depois do concerto, ela vai embora com Paul e tenta convencer James que ele pode ser bem sucedido sem ela. A despeito de seu óbvio sofrimento, James toca maravilhosamente, ignorando se Louise vai ou não estar esperando por ele nos fundos do auditório.

Paul vem ao encontro de Louise e a encontra assistindo ao concerto com grande emoção. Depois de sua apresentação, James fica em pé no palco vazio quando Louise aparece e corre para seus braços.

imagem

Comentários

Baseado no romance “Maurice Guest” de Henry Handel Richardson, adaptado para o cinema por Ruth e Augustus Goetz, e roteirizado por Fay e Michael Kanin, “Rapsódia” é um filme em que a personagem de Elizabeth Taylor vive um triângulo amoroso com dois homens do mundo da música clássica.

Realizado pelo cineasta Charles Vidor, que apresenta um bom trabalho de direção, o filme pode ser resumido como se tratando de um melodrama que enche os ouvidos com maravilhosas e inesquecíveis peças de Tchaikovsky e Rachmaninoff. Apresentadas por Vittorio Gassman e John Ericson, na realidade tais músicas são maravilhosamente interpretadas por Michael Rabin ao violino e Claudio Arrau ao piano.

A fotografia de Robert H. Planck consegue capturar com maestria as belezas dos Alpes suíços, assim como, da estonteante Elizabeth Taylor em seus 22 anos. No elenco, todos os três principais atores apresentam boas atuações.

Enfim, “Rapsódia” merece ser visto por sua maravilhosa música clássica e pela beleza da jovem Elizabeth Taylor.

CAA