Filmes por gênero

SOB O SIGNO DE CAPRICÓRNIO (1949)

Under Capricorn
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Les amants du Capricorne (França, Bélgica)
Atormentada (Espanha)
Bajo el signo de Capricornio (Argentina)
Sotto il capricorno (Itália)
Sklavin des Herzens (Alemanha)
Het dodenmasker (Holanda)
Lady Henrietta (Dinamarca)
Pod znakiem Koziorozca (Polônia)
Под знаком Козерога (União Soviética)
Pais: Reino Unido
Gênero: Drama
Direção: Alfred Hitchcock
Roteiro: James Bridie
Produção: Alfred Hitchcock, Sidney Bernstein
Música Original: Richard Addinsell
Direção Musical: Louis Levy
Fotografia: Jack Cardiff
Edição: Bert Bates
Direção de Arte: Thomas N. Morahan
Figurino: Roger K. Furse
Maquiagem: Charles E. Parker
Efeitos Sonoros: Peter Handford, A.W. Watkins
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1952

Elenco

Ingrid Bergman Lady Henrietta "Hattie" Flusky
Joseph Cotten Sam Flusky
Michael Wilding Charles Adare
Margaret Leighton Milly
Cecil Parker O Governador
Denis O'Dea Advogado Corrigan
Jack Watling Winter
Harcourt Williams O cocheiro
John Ruddock Banqueiro Cedric Potter
Bill Shine Sr. Banks
Victor Lucas Reverendo Smiley
Ronald Adam Sr. Riggs
Francis De Wolff Major Wilkins
G.H. Mulcaster Dr. Macallister
Olive Sloane Sal
Maureen Delaney Flo
Julia Lang Susan
Betty McDermott Martha
Ivor Barry 1º Guarda no Hall
Ronnie Hill 2º Guarda no Hall
Lloyd Pearson Agente
Alfred Hitchcock Homem na recepção do Governador

Prêmios

Prêmios Bambi, Alemanha

Prêmio Bambi de Melhor Atriz Internacional (Ingrid Bergman)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 1831, o rei britânico William IV nomeia um novo Governador para a Colônia prisional de New South Wales, Austrália. Este chega à Sydney em companhia de seu primo de segundo grau, Charles Adare, que planeja fazer fortuna por lá. Logo após a chegada, o banqueiro local Cedric Potter se apresenta a Charles para lhe oferecer seus serviços. Este admite que não tem um centavo, mas que espera fazer fortuna em Sydney. O banqueiro lhe diz que pode ajudá-lo de qualquer maneira e, assim, os dois agendam um encontro para o dia seguinte.

Durante o encontro, um poderoso proprietário de terras, Sam Flusky, entra no Banco, oportunidade em que Potter o mostra a Charles como um exemplo de como se pode fazer fortuna na Austrália, mesmo tratando-se de um ex-presidiário. Charles pede a Potter para ser apresentado a ele, uma vez que o sobrenome Flusky não lhe parece estranho. O banqueiro o adverte que na Austrália não é aceitável que se pergunte sobre o passado de uma pessoa ou sobre o status de um condenado.

Após as apresentações, Sam reconhece o nome Adare e, ao identificar que se trata de um primo do Governador,
propõe um negócio a Charles que não requer qualquer capital de sua parte. Ele lhe oferece um empréstimo temporário para que adquira uma certa quantidade de terras que deseja para si, mas que se acha impedido de comprá-las por causa dos limites legais. Charles concorda em ajudá-lo com a promessa de, em troca, receber uma grande comissão. Sam, finalmente, convida Charles para jantar em sua mansão.

Ao comentar com o primo sobre seus planos, este o proíbe de ir ao jantar e de ter uma maior aproximação com Sam porque, muito embora esteja agindo dentro da lei, ele é uma pessoa desagradável, com um passado criminoso, o que pode trazer uma situação embaraçosa para seu governo. Entretanto, desejoso de conseguir o dinheiro fácil, Charles desobedece às ordens do primo e Governador, comparecendo ao tal jantar.

Antes de tocar a campainha da mansão, Charles caminha ao redor da mesma, ouvindo e testemunhando coisas que o fazem crer que Sam o está usando para subir de posição social, por ser ele parente próximo do Governador. Os demais convidados começam a chegar e, sem exceção, todos desacompanhados pedem desculpas por suas respectivas esposas não estarem se sentindo bem. Sam finalmente declara aos presentes que, infelizmente, sua esposa, Lady Henrietta, também não comparecerá por se achar adoentada. Entretanto, mal o jantar é servido, ela aparece na sala descalça e um pouco embriagada. Quando Charles a vê, percebe que se trata de uma velha amiga de infância na Irlanda. Pouco depois, ela diz a todos que vai se recolher em seu quarto. Entretanto, quando mal acaba de subir a escada que leva aos seus aposentos, começa a gritar histericamente alegando tratar-se de um rato. Com exceção de Charles, todos acreditam que ela esteja sofrendo de alucinações. Este, no entanto, vai ao encontro dela e, munido de sua pistola, dá um tiro para dentro de uma lareira, fazendo com Hattie se acalme.

Quando todos se retiram após o jantar, Sam comenta com Charles seu descontentamento pelo fato das esposas dos convidados terem esnobado seu convite, ao mesmo tempo em que expressa sua gratidão por Charles ter conseguido acalmar Hattie. Para Sam, o estado de sua mulher é o resultado do isolamento em que ela vive, sendo desprezada pela sociedade local, fato que teve início durante os anos em que ele esteve preso. A seu pedido, Charles concorda em freqüentar mais a mansão, numa tentativa de ajudar Hattie a readquirir seu senso de estabilidade. Charles relembra o escândalo ocorrido na Irlanda quando Hattie e Sam fugiram para a Inglaterra, perseguidos pelo irmão dela. Ao ocorrer o encontro entre os três, Sam o matou. Entretanto, como a vítima também se achava armada e chegou a disparar um tiro, a pena de enforcamento de Sam foi revertida em prisão na Austrália. Hattie decidiu segui-lo e esperar sete anos até que ele fosse solto. O casamento deles, no entanto, não tem sido feliz, pois, enquanto Sam se concentrou na idéia de se tornar um homem muito rico, Hattie começou a beber e perdeu o interesse em tudo. Enquanto isso, Milly, a governanta, sentindo-se ponderosa, mantém Hattie sob seu controle.

Charles insiste para fechar o negócio com Sam, o que enfurece o governador a ponto de expulsá-lo de casa. Sem dinheiro, é convidado por Sam para passar a morar na mansão deste e tentar reabilitar Hattie, fazendo com que ela volte a se interessar por passeios a cavalo, por roupas, pela vida. Aceitando o convite, Charles consegue aos poucos fazer com que Hattie volte a ser a mulher auto-suficiente que fora no passado, a despeito das várias manobras sórdidas realizadas por Milly para que ele fracasse nessa sua tentativa. Quando todas as suas manobras não surtem o efeito desejado, ela ameaça demitir-se e, para sua surpresa, termina expulsa da mansão. Sempre incentivada por Charles, Hattie assume o comando da casa, principalmente da cozinha, fazendo com que sua recuperação continue cada vez mais rápida.

Certo dia, Charles traz um convite para o baile do Governador endereçado a Sam e Hattie. Não se sentindo seguro para comparecer ao baile, Sam insiste para que Charles acompanhe Hattie em seu lugar. Uma vez lá, ela se mostra radiante a ponto de chamar a atenção do Governador. Os funcionários da recepção identificam o convite como sendo uma falsificação, mas o Governador insiste para que ela continue no baile. Enquanto isso, Milly procura Sam, a quem pede para voltar. Na realidade, ela sempre esteve apaixonada pelo ex-patrão e está disposta a fazer de tudo para tomar o lugar de Hattie. Assim, aproveita a ocasião para insinuar que Charles e Hattie estão tendo um caso. Embora inicialmente não reaja a essas insinuações, Sam termina dominado pelo ódio, vai até o baile, humilha Hattie em público, que volta para casa contrariada e aos prantos.

Mais tarde, quando Charles sugere que ela volte para a Irlanda, Hattie fala de seu amor por Sam, deixando claro que teria matado seu próprio irmão e que permitira que Sam assumisse a culpa e pagasse pelo assassinato. Depois de acusá-la de estar tendo um caso, Sam pede a Charles que ele deixe a mansão. Este monta a égua preferida de Sam, mas pouco depois ela tropeça, quebra uma de suas patas e ele se vê obrigado a voltar. Para que o animal não sofra, Sam o mata e, em seguida, dispara contra Charles, que fica entre a vida e a morte.

Sam é imediatamente preso. Numa tentativa de salvá-lo, Hattie confessa ter ela sido a assassina de seu próprio irmão, fazendo com que o marido cumprisse uma pena por um crime que não cometera. Tal confissão, entretanto, traz complicações como, por exemplo, ela ser enviada à Irlanda para julgamento. Por outro lado, ao imaginar a possibilidade de Sam deixar a Austrália para acompanhar a esposa até a Irlanda, Milly decide envenenar Hattie naquela mesma noite, mas não o consegue ao ser desmascarada minutos antes de cometer o crime.

Desesperada com a situação, Hattie procura Charles, a essa altura basicamente recuperado do ferimento à bala que sofrera, a quem implora que ateste que fora acidentalmente baleado e não por conta de um ato violento praticado por Sam, no que é atendida.

Finalmente, antes de embarcar num navio quem o levará de volta à Irlanda, Charles se despede, no cais do porto, de Sam e Hattie, agora juntos e felizes.

imagem

Comentários

Baseado num romance da escritora australiana Helen Simpson, “Sob o Signo de Capricórnio” é mais uma obra do famoso cineasta Alfred Hitchcock. Embora não se ache entre seus melhores trabalhos, o filme é bom e merece ser visto. Como o cineasta é considerado o grande gênio do suspense, o problema é que seus fãs vão à procura das emoções proporcionadas por esse gênero cinematográfico e se deparam com um drama de costumes, sem assassinatos, perseguições, investigações policiais, etc.

De qualquer forma, o diretor constrói uma tensão sustentada por longas tomadas e marcada por uma certa profundidade psicológica. A fotografia de Jack Cardiff é outro quesito que merece ser destacado e que certamente contribui para a boa qualidade do filme.

 É, por outro lado, interessante verificar que a trama apresenta alguns pontos que lembram outros filmes de Hitchcock, como por exemplo: a governanta má e dominadora (“Rebecca, a Mulher Inesquecível”, de 1940); a tentativa de envenenamento (“Interlúdio”, de 1946); a nobre senhora que se humilha por um noivo (“Agonia de Amor”, de 1947).

Excetuando-se os aspectos formais e técnicos do filme, seu interesse reside principalmente na interpretação de Ingrid Bergman, em sua terceira e última colaboração com Hitchcock. No papel da governanta má e dominadora, Margaret Leighton também nos brinda com uma ótima atuação.

CAA