Filmes por gênero

O AUTO DA COMPADECIDA (2000)

imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: A dog's will (Estados Unidos)
Pais: Brasil
Gênero: Comédia
Direção: Guel Arraes
Roteiro: Guel Arraes, Adriana Falcão, João Falcão
Produção: Guel Arraes
Design Produção: Lia Renha
Música Original: Sá Grama
Música Não Original: Félix Monti
Fotografia: Félix Monti
Edição: Paulo Henrique Farias, Ubiraci de Motta
Direção de Arte: Lia Renha
Figurino: Cao Albuquerque
Guarda-Roupa: Mauricio Carneiro
Maquiagem: Marlene Moura, Alice Fonseca
Efeitos Sonoros: Zezé d'Alice, Simone Petrillo, David Miranda
Efeitos Especiais: James Rothman, Cláudio Braga
Efeitos Visuais: Ariel Wollinger
Nota: 7.7
Filme Assistido em: 2001

Elenco

Matheus Nachtergaele João Grilo
Selton Mello Chicó
Fernanda Montenegro Nossa Senhora
Lima Duarte Bispo
Marco Nanini Cangaceiro Severino
Virgínia Cavendish Rosinha
Luís Melo Diabo
Denise Fraga Dora
Paulo Goulart Major A. Moraes
Rogério Cardoso Padre João
Bruno Garcia Vicentão
Maurício Gonçalves Jesus
Enrique Díaz Capanga
Diogo Vilela Padeiro
Aramis Trindade Cabo Setenta

Prêmios

Grande Prêmio Brasileiro de Cinema, Brasil

Prêmio de Melhor Direção (Guel Arraes)

Prêmio de Melhor Roteiro Adaptado

Prêmio de Melhor Ator (Matheus Nachtergaele)

Prêmio de Melhor Lançamento de Cinema

Festival do Cinema Brasileiro de Miami, EUA

Prêmio do Público (Guel Arraes)

Prêmio Lente de Cristal de Melhor Edição

Indicações

Festival de Cinema de Cartagena, Colômbia

Prêmio de Melhor Filme

Grande Prêmio Brasileiro de Cinema, Brasil

Prêmio de Melhor Longa-Metragem Brasileiro

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na pequena cidade de Taperoá, no sertão da Paraíba, dois malandros, João Grilo e Chicó, ganham a vida com pequenos golpes.

Os dois são empregados pelo padeiro e por sua esposa Dora, que cuida melhor de sua cachorrinha do que de seus empregados.  A tal cachorrinha acaba morrendo e Dora, aos prantos, exige que ela seja enterrada pelo padre da cidade, e em latim.  Lá vai então João Grilo convencer o padre a enterrar o bichinho, dizendo a ele que a cachorra havia deixado um dinheiro para a igreja em um testamento.  A cachorra é enterrada, o que provoca a ira do bispo, que vem tirar satisfações com o padre, que por sua vez põe a culpa em João Grilo, que por sua vez... e por aí vai.

Para complicar a história, a filha de um fazendeiro local chega à cidade e, além de desafiar a beleza de Dora, acaba balançando os corações de todos os “machos” do lugar, inclusive o do covarde Chicó.  Este precisa então contar com a ajuda do amigo João Grilo para conseguir bolar um plano que convença o pai da moça que ele é rico e afaste, assim, os outros pretendentes.

Como se não bastasse, um cangaceiro e seu bando estão para atacar a cidade, liderados por Severino.  Confusão vai, confusão vem, o bando invade a cidade e todos acabam morrendo.  Eles vão parar numa espécie de tribunal celestial, onde João Grilo precisa debater com o próprio Diabo para tentar convencer a Jesus Cristo da sua inocência nessa história toda.  Nossa Senhora dá um show enfrentando o Diabo e tentando interceder junto a seu filho pelos homens em julgamento.

imagem imagem imagem

Comentários

"O Auto da Compadecida" é uma das melhores comédias brasileiras de todos os tempos.  Baseado na peça homônima do paraibano Ariano Suassuna, o filme é uma re-edição de uma minissérie da Rede Globo de Televisão.

O elenco é o seu ponto alto.  Nos dois principais papéis, os de João Grilo e Chicó, encontram-se respectivamente Matheus Nachtergaele e Selton Mello, ambos com magníficas interpretações.  Há, ainda, as ótimas atuações de Fernanda Montenegro, Marco Nanini, Denise Fraga, Luís Melo, Lima Duarte e Diogo Vilela.

O filme apresenta, também, uma ótima trilha sonora e bons efeitos especiais.  Quanto à direção, Guel Arraes peca apenas por imprimir ao mesmo as técnicas largamente utilizadas na televisão, com cortes bruscos e bastante 'closes'.

CAA